Crime

Detentos tentam fugir da delegacia que está recolhido Júnior Bolinha

Agentes penitenciários da Unidade de Regime Disciplinar Diferenciado (URDD), localizado na Liberdade, evitaram, na madrugada desta segunda-feira, 18, a fuga de três presos. A ação dos internos foi frustrada logo após os agentes avistarem um deles na grade de ventilação da cela. Dentre os detentos, estavam Marcos Lopes Pereira, Gilberto Fernandes Junior e Welton Pereira Silva.

“Quando o agente olhou o interno na grade de ventilação ele desconfiou que algo de errado estava  acontecendo, então pediu apoio da polícia e conseguiu evitar a fuga”, contou o superintendente de execuções penais da Secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária (Sejap), Fredson Maciel.

O superintendente disse ainda que os internos utilizaram uma barra de ferro que teriam arrancado do teto da cela para cavarem o buraco. O trio, ao ter o plano frustrado, foi encaminhado para outras unidades da capital.

Os peritos foram acionados e fizeram a constatação de danos ao patrimônio público. Logo após todo o procedimento de praxe, a obra de restauração do local será realizada.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

“Júnior Bolinha” presta depoimento hoje na SEIC

Júnior Bolinha

Júnior Bolinha

Desde o dia da sua prisão no dia (13), deste mês, José Raimundo Sales Chaves Júnior, o “Júnior Bolinha” se manteve preso no 8° DP policial localizado no bairro da liberdade.

Hoje por volta  das 09:00 ele foi encaminhado para prestar depoimento na Superitendência de Invetigações Criminais (SEIC).

Júnior bolinha é acusado de fazer parte da quadrilha que tramou e executou o jornalista/blogueiro Décio Sá. Bolinha, foi quem contratou pistoleiro Jhonhatan de Sousa que assassinou brutalmente o jornalista na Avenida Litorânea.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Hélice do helicóptero que atingiu caseiro de Edinho Lobão é do empresário Altevir Mendonça

Altevir Mendonça

Altevir Mendonça

A hélice do helicóptero de prefixo PTX-CN, que atingiu na noite da última quinta-feira (14) levando a morte Fábio de Jesus Pinto, 28 anos, caseiro da chácara Flamboyant, de propriedade de senador Edinho Lobão (PMDB), é de propriedade do megaempresário Altevir Mendonça.

O acidente que vitimou o caseiro do senador, ocorreu por volta das 18h, na propriedade localizada a margem da MA-202, em Paço do Lumiar.

De acordo com informações da polícia, o helicóptero havia acabado de pousar no heliporto de Edinho, com alguns amigos e familiares do empresário e ex-sócio de Alexandro Martins na extinta concessionária de automóveis Euromar.

Segundo depoimento da viúva, Fábio de Jesus Pinto estava trabalhando no local a pouco menos de um mês. E mais: ele havia reclamado das péssimas condições de trabalho, aonde chegava com as mãos cortadas por falta de equipamento de segurança para fazer a limpeza do helicóptero.

Após perícia feita no local pelo Instituto de Criminalística (ICRIM), a Aeronáutica, abriu procedimentos para apurar as causas da fatalidade.

Altevir Mendonça é amigo pessoal de Edinho Lobão e casado com a advogada Emanuele Schiavotelo.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Pistola usada para executar Décio Sá pode não ter sido jogada no mar

Décio Sá

Décio Sá

Os peritos do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim-MA), estão trabalhando a todo vapor para tentar comprovar que a pistola .40 utilizada para matar Décio Sá, na Avenida Litorânea, não foi jogada ao mar, conforme informou o pistoleiro Jonathan de Souza Silva.

Dispondo de um aparelho “microcomparador balístico”, os peritos focam na possibilidade de uma da pistola apreendida com o executor de Sá, que poderá ser a verdadeira .40 utilizada para cometer o crime bárbaro e hediondo.

“O exame de balística é 100% seguro. Se esta arma não tiver sido jogada no mar, com certeza vai ser encontrada”, disse Carlos Henrique de Abreu (Diretor do Icrim).

O secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, informou que os sete acusados na participação da morte de Décio Sá, em destaque o executor Jonathan teria jogado na a arma na baia de São Marcos, ao atravessar de ferryboat da Ponta da Espera(São Luís) para Cujupe. Segundo o executor, a arma foi dada pelo subcomandante do Batalhão de Coque Fábio Aurélio Saraiva.

Resultado da Perícia

O Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim) informou em resultado técnico sobre a morte do jornalista, ao total dos seis disparos que atingiram Sá, cinco foram em pontos vitais do corpo de Décio Sá.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Polícia investiga ligação de políticos com quadrilha envolvida na morte de Décio Sá

Jornalista Décio Sá, de 42 anos foi morto na Avenida Litorânea (Foto: Divulgação)

Jornalista Décio Sá, de 42 anos foi morto na Avenida Litorânea (Foto: Divulgação)

O secretário de Segurança Pública do Maranhão, Aluísio Mendes afirmou na manhã desta quinta-feira (14) em entrevista ao Bom dia Mirante que não descarta a possibilidade de políticos terem ligações direta com a quadrilha que tramou a execução de Décio Sá.

De acordo com Aluísio, seria quase impossível que a quadrilha não fosse altamente protegida por políticos de forte expressão no Maranhão.

“Uma quadrilha dessa não atua durante tanto tempo, sem uma proteção maior, isso está sendo investigado”, disse o secretário.

A mesma quadrilha responsável pelo assassinato de Décio Sá, arquitetou o assassinato do empresário Fábio Brasil, na cidade de Teresina (PI).

“Foi descoberto que essa quadrilha tinha outras ações, temos a responsabilidade de desvendar o restante desse crime”, informou Aluísio.

Segundo fonte do blog, a linha de investigação orientada por Aluísio Mendes, remete a apenas um deputado estadual.

Com a elucidação do crime de Décio Sá, abre oportunidade para chegar ao político que era conivente com a quadrilha de alta periculosidade que tramou a morte do jornalista.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Veja quem são os presos acusados pela execução de Décio Sá

Foram presos na Operação “Detonando”, o pistoleiro Jhonatan de Sousa Silva, de 24 anos, José de Alencar Miranda Carvalho, de 72 anos, o agiota Gláucio Alencar Pontes Carvalho, de 34 anos, José Raimundo Sales Chaves Júnior (o Júnior Bolinha – 38 anos), Fábio Aurélio do Lago Silva ( o Buchecha – 32 anos) e o subcomandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Maranhão, capitão Fábio Aurélio Saraiva Silva. Todos eles são acusados de integrar o grupo que executou o jornalista/blogueiro Décio Sá, morto na Avenida Litorânea, em São Luís.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Assista a chegada do executor de Décio na Segurança Pública

Bandidos apreendidos

Bandidos apreendidos

O blog divulga as imagens da chegada do pistoleiro Jhonatan de Sousa Silva, que executou o jornalista Décio Sá, no Bar e Restaurante Estrela do Mar, na Avenida Litorânea. De acordo com o secretário Aluísio Mendes, o monstro que matou brutalmente Décio, confirmou que foi contratado por do empresário José Raimundo Sales Chaves Júnior, o Júnior Bolinha, e que o subcomandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Maranhão, capitão Fábio Aurélio Saraiva Silva, disponibilizou sua pistola ponto 40 (arma de uso exclusivo das forças policiais).

Assista abaixo as imagens:


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Polícia elucida execução do crime de Décio Sá

Do G1

Jornalista Décio Sá, de 42 anos foi morto na Avenida Litorânea (Foto: Divulgação)

Jornalista Décio Sá, de 42 anos foi morto na Avenida Litorânea (Foto: Divulgação)

Sete pessoas já foram presas na operação “Detonando” deflagrada, na manhã de desta quarta-feira (13), pela polícia do Maranhão. Os presos são suspeitos de envolvimento na morte do jornalista Décio Sá.

O autor dos cinco disparos que mataram o jornalista está entre os presos. Ele tem 24 anos e é do Estado do Pará. Ainda segundo a polícia, as características do executor conferem com as mostradas no retrato falado, divulgado no dia 1º deste mês, mas ele estaria com os cabelos cortados. Os outros presos são das cidades de Santa Inês, Zé Doca e São Luís, no Maranhão.

Na operação, estão sendo empregados doze delegados e setenta policiais civis e homens do GTA. Os presos serão apresentados na Secretaria de Segurança Pública do Maranhão no início da tarde.

Entenda o caso
O jornalista Décio Sá foi assassinado no dia 23 de abril, com cinco tiros, em um bar da Avenida Litorânea, em São Luís. No mesmo dia do crime, as investigações foram iniciadas e uma recompensa de R$ 100 mil foi oferecida  pelo Disque-Denúncia por pistas que levassem ao executor de Sá.

Logo no início das investigações, agentes descobriram o pente da arma usada pelo assassino, que o deixou cair durante a fuga e testemunhas começaram a ser inquiridas para prestar esclarecimentos sobre o fato.

Contudo, três depoimentos de testemunhas vazaram na internet e, com isso, a polícia decretou sigilo absoluto para não atrapalhar as investigações.

Quase 40 dias após o crime, a polícia divulgou o retrato falado do suspeito de assassinar o jornalista Décio Sá. Com a veiculação da imagem, o Disque-Denúncia, em 24 horas, recebeu 60 ligações que indicariam o paradeiro do executor.

Um dos suspeitos de participar do assassinato do jornalista, Valdênio José da Silva, chegou a ser preso, mas por falta de provas consistentes, acabou sendo libertado. Na última segunda-feira (12), Valdênio foi assassinado dentro de casa, na Vila Talita, em Raposa (Região Metropolitana de São Luís), também com cinco tiros. Após 51 dias do crime, a polícia elucidou o caso e já prendeu sete apontados de participação no assassinato.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Segurança Pública emite nota sobre assassinato do suposto envolvido na morte de Décio Sá

Valdênio José da Silva

Valdênio José da Silva

A Secretaria de Estado da Segurança Pública emitiu nota sobre o assassinato do suposto envolvido no crime do jornalista/blogueiro Décio Sá, na Avenida Litorânea, em São Luís.

De acordo com a nota, por volta das 23h, Valdênio foi alvejado dentro de sua residência na Vila Pirâmide com cinco tiros de revólver calibre 38 e não de pistola ponto 40 (arma de uso exclusivo das forças policiais). Leia abaixo a nota:

SSP – NOTA

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), por meio da Polícia Civil do Maranhão, informa que já foram iniciadas as investigações sobre o assassinato de Valdênio José da Silva, 38 anos. O crime ocorreu na noite da última segunda-feira (11), na Vila Pirâmide, em Raposa, por volta das 23h. Valdênio foi alvejado com cinco tiros de revólver calibre 38.

Policiais da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) estão à frente do caso. Segundo informações, Valdênio tinha envolvimento com vários crimes no Maranhão e em outros estados, e, inclusive, já tinha sido preso diversas vezes por chefiar uma quadrilha especializada em roubo de carga e sob a acusação de latrocínio no Pará.

Ele foi preso no dia 26 de abril portando um revólver calibre 38 por suspeita de envolvimento na morte do jornalista Décio Sá.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Suposto envolvido na morte de Décio Sá é executado com cinco tiros

Valdênio foi executado da mesma forma que Décio Sá

Valdênio foi executado da mesma forma que Décio Sá

Foi assassinado na noite de segunda-feira (11), Valdênio José da Silva, de 38 anos, que tinha sido preso por envolvimento na morte do jornalista/blogueiro Décio Sá, vitima de pistolagem em 23 de abril, no Bar e Restaurante Estrela do Mar, na Avenida Litorânea.

De acordo com informações, Valdênio foi executado da mesma forma que Décio Sá, com cinco tiros de pistola ponto 40 (de uso exclusivo das forças policiais). O Crime ocorreu dentro da residência onde morava o suspeito, localizada na Vila Pirâmide, em Raposa.

Ao que tudo indica, ele teria sido vitima do mesmo grupo que deu fuga e participou do assassinato do Décio Sá. A forma da execução que levou a morte Décio Sá e Valdênio será novamente debatida nos meios de comunicação.

Quando preso Valdênio chegou a ser acusado indiretamente pela Seic (Superintendência Estadual de Investigação Criminal), como um dos responsáveis pela fuga do assassino do jornalista.

Há quase um mês atrás, a Justiça deu liberdade a Valdênio por falta de provas que ligassem diretamente ao crime.

Daqui a pouco mais detalhes…


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.