Crime

Quadrilha de agiotas é presa no Rio de Janeiro

Líder da quadilha de agiotas

Líder da quadilha de agiotas

A Polícia Civil, revelou, nesta sexta-feira (28), que a quadrilha de agiotagem desarticulada na quinta-feira (27) durante a Operação Shylock controlava cerca de 60 escritórios no estado do Rio e ainda em Juiz de Fora, Minas Gerais. O grupo agia não só na Baixada Fluminense e na Região Metropolitana, mas também na Zona Sul do Rio – nos bairros do Flamengo e da Gávea – e ainda na Região dos Lagos, em municípios como Cabo Frio e Rio das Ostras.

Outro integrante da quadrilha criminosa de agiotas

Outro integrante da quadrilha criminosa de agiotas

“Nesse momento, surpreende não a quantia financeira, mas sim a quantidade de escritórios, os braços da quadrilha, praticamente por todo o estado. Nós chegamos à conclusão que seriam em torno de 60 escritórios”, afirmou o delegado-adjunto da 19ª DP (Tijuca), Leonardo Marchet.

Dinheiro escondido embaixo de colchão

Quinze suspeitos foram presos. Na quinta-feira (27), a polícia tinha a informação de que eram 15 salas e que elas lucravam cerca de R$ 1 milhão por mês. Segundo a polícia, na casa do homem apontado como chefe da quadrilha foram encontrados R$ 1 milhão em espécie, embaixo de um colchão.

Com o fim da operação e os novos escritórios descobertos, a polícia ainda calcula o valor que era arrecadado por mês. Milhares de pessoas foram prejudicadas. Segundo o delegado, está era a maior quadrilha de agiotas do estado.

“Certamente, ao final da operação podemos afirmar que é a principal quadrilha de agiotas do estado do Rio. Ela já estava ultrapassando os limites do estado, chegando a Juiz de Fora”, afirmou Leonardo Marchet.

Do G1


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.