Brasil

Familiares das vítimas do incêndio em Santa Maria pressionam MP

Homem observa caixões dentro da boate Kiss

Homem observa caixões dentro da boate Kiss

Familiares e amigos das vítimas da boate Kiss não limitaram o primeiro aniversário da tragédia às homenagens e também foram às ruas protestar. Logo depois da vigília da madrugada, um grupo de 200 pessoas deixou a Rua dos Andradas, onde ficava a casa noturna, e caminhou por cerca de 20 quadras até a sede do Ministério Público do Rio Grande do Sul para pressionar os promotores a acusar mais envolvidos, especialmente funcionários públicos municipais e o prefeito Cezar Schirmer (PMDB).

Diante das portas do pátio fechadas, porque o expediente só começaria às 12 horas, o grupo colocou 242 balões brancos nas grades e sentou no asfalto da rua para batucar, gritar “justiça” e “chega do rolo, o MP tem fatia nesse bolo”

Conclusões. O inquérito policial que apurou o caso concluiu que, durante show pirotécnico da banda Gurizada Fandangueira, uma fagulha chegou ao revestimento do teto e queimou a espuma, liberando o cianeto que matou por asfixia a maioria das vítimas. A casa estava superlotada e a única porta não deu vazão à multidão que tentava fugir em pânico. Também foi detectada uma cadeia de falhas nos processos de licenciamento e fiscalização. O inquérito apontou responsabilidades de 28 pessoas e indiciou 16 por crimes como homicídio doloso com dolo eventual qualificado, homicídio culposo, fraude processual e falso testemunho.

Schirmer estava entre os nomes que apareciam como responsabilizados porque, segundo a polícia, havia indícios de prática de homicídio culposo por falhas cometidas na esfera municipal por secretários, fiscais e funcionários públicos. À época, o prefeito reagiu qualificando a acusação de “absurdo jurídico”. Como era caso de foro privilegiado, o assunto foi levado à procuradoria de prefeitos do Ministério Público, que deu parecer, e ao Tribunal de Justiça, e foi arquivado por decisão unânime dos desembargadores.

 

Depois dos trâmites em cada área, hoje há três processos contra acusados de algum tipo de responsabilidade pelo desastre da Kiss. A acusação mais grave, de homicídio doloso com dolo eventual, que pode levar à cadeia, é na área criminal, contra os empresários Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, sócios da boate, o músico Marcelo de Jesus dos Santos e o produtor de palco Luciano Augusto Bonilha Leão, que irão a júri popular. Um bombeiro responde por fraude processual e um ex-sócio da Kiss e um contador por falso testemunho e serão julgados pelo juiz de primeiro grau. Na esfera cível, quatro bombeiros são acusados de improbidade administrativa. E na Justiça Militar três bombeiros respondem por inclusão de declaração falsa em documento público.

Réus. Como entendem que os funcionários públicos apontados pela Polícia e não denunciados pelo Ministério Público também deveriam ser levados à Justiça, os familiares vêm pressionando os promotores a incluir mais réus nos processos. Alegam que foram descobertos fatos novos, como a troca do número do prédio da Kiss que teria sido feita para facilitar o licenciamento inicial e o funcionamento da casa pelos quatro anos de sua existência, entre 2009 e 2013, sem os cinco alvarás e licenças exigidos simultaneamente pela legislação. A boate chegou a ter os documentos, mas nunca teve os cinco ao mesmo tempo.

O subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Marcelo Dornelles, disse que Schirmer não teve envolvimento com a colocação da espuma e com o show pirotécnico que originou a tragédia. Também admitiu que não há, na investigação policial, prova de que o prefeito tenha interferido de alguma maneira na concessão de alvarás ou na fiscalização. “Achamos a situação compreensível pelo momento emocional de todos, mas nós só podemos aplicar a lei”, comentou, admitindo, no entanto, que se aparecer alguma prova nos inquéritos complementares que a polícia está fazendo, a instituição poderá mudar sua posição.

Schirmer também comentou a pressão em nota enviada à reportagem. “No Estado Democrático de Direito, não se faz justiça com injustiça. Será que é tão difícil aceitar que a prefeitura agiu adequadamente no cumprimento da legislação?”, questionou.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Brasil

Sobe para 239 o número de vítimas de incêndio na boate Kiss

Do G1 RS

O número de vítimas do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, subiu para 239. Conforme informações da Secretaria Estadual da Saúde (SES), a morte de Rodrigo Taugen, de 29 anos, foi confirmada no fim da noite de domingo (10), no hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre, onde o paciente estava internado. Ele era natural de Júlio de Castilhos. A tragédia ocorreu no dia 27 de janeiro.

O corpo do jovem será velado em Santa Maria, a partir da tarde desta segunda, na capela mortuária do Hospital de Caridade.

Ainda segundo a secretaria, um novo boletim com a atualização do número de feridos que seguem internados será divulgado no final da tarde pela Força Nacional do SUS. De acordo com dados de domingo, após a morte, 49 seguem hospitalizados em quatro cidades – 31 em Porto Alegre, 15 em Santa Maria, 2 em Canoas e 1 em Caxias do Sul.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Brasil

Morre a 238ª vítima de incêndio na boate Kiss

Do G1 RS

Morreu na tarde desta terça-feira (5) a 238ª vítima do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, informou a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul. O jovem de 20 anos estava internado na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. A família pediu que o nome do rapaz não seja divulgado. A tragédia ocorreu na madrugada do dia 27 de janeiro.

Com relação aos feridos, 81 pessoas ainda seguem internadas em Porto Alegre, Santa Maria, Canoas e Caxias do Sul. Segundo a Secretaria da Saúde, onze pacientes tiveram alta nas últimas 24 horas, a maioria nos hospitais da cidade onde aconteceu a tragédia. Dos internados, 22 permanecem em ventilação mecânica.

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, deixou 237 mortos na madrugada do último domingo (27). O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco. De acordo com relatos de sobreviventes e testemunhas, e das informações divulgadas até o momento por investigadores:


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Brasil

Médico chega do Canadá para tratar feridos em incêndio da boate Kiss

Do G1 RS

O médico Marcelo Cypel, especialista em transplante de pulmão e cirurgia torácica e diretor do programa de suporte pulmonar extracorpóreo da Universidade de Toronto, no Canadá, desembarcou no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, na tarde deste domingo (3).

Cypel, 36 anos, é formado pela PUCRS, mas mora no Canadá há oito anos. Ele ajudará no tratamento dos feridos do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria. A tragédia já deixou 237 mortos. Ainda há 101 pacientes internados em hospitais do Rio Grande do Sul.

“O que posso fazer é contribuir com a minha experiência. Nosso grupo na universidade é referência nas Américas neste tipo de tratamento”, disse ao G1 na chegada. Ainda neste domingo, o médico fará um levantamento nos hospitais de Porto Alegre para analisar a gravidade dos pacientes e ver quais necessitam de atendimento imediato. Nesta segunda-feira, um médico e uma enfermeira canadenses chegam ao estado para completar a equipe. Há a possibilidade de mais profissionais embarcarem para o Brasil caso, a partir do levantamento, for constatado que existe a necessidade de reforço médico.
A técnica de ventilação extracorpórea, segundo Cypel, permite uma regeneração do pulmão a partir do próprio sangue do paciente. O equipamento usado no procedimento, uma espécie de cápsula, chegou ao Rio Grande do Sul há cerca de quatro dias. A doação foi feita por uma companhia alemã que produz o material. Grande parte dos feridos em estado grave pelo incêndio tem problemas respiratórios gerados pela inalação da fumaça tóxica gerada pela queima da espuma usada no isolamento acústico da boate. O médico deve seguir para Santa Maria na segunda (4) ou na terça-feira (5).

Entenda


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Maranhão

Choperia Marcelo é “interditada”

Publico lota casa de show Choperia Marcelo (foto: Camaleão).

Publico lota casa de show Choperia Marcelo (foto: Camaleão).

O Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBM) deu iníciou na noite de ontem (02),  a segunda força-tarefa para fiscalizar as boates e casas de shows de São Luís. Na primeira fiscalização foram interditadas 9 casas de shows como – por exemplo-, a Candy, Prensa, Chez Moi, Observatório, Roots bar e o Patrimônio Show, que no dia seguinte foi liderado após cumprir as normas de seguranças.

Na segunda etapa realizada de sábado para domingos, o número passou de 9 para 14 casas interditadas por desobedecer as exigências. Só ontem, foram impedidas de funcionar a Choperia Marcelo, Cenas da Ilha, Zé do Forró, Sobradão da Guia e Brigda.

Após o incêndio na boate Kiss que vitimou mais de 230 pessoas, no Rio Grande do Sul, a governadora Roseana Sarney (PMDB), solicitou a imediata fiscalização de casas noturnas.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.