Política

Wellington reafirma seu compromisso com a Educação e apresenta propostas

Deputado estadual Wellington do Curso (PPS)

Deputado estadual Wellington do Curso (PPS)

O deputado estadual Wellington do Curso (PPS), vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Maranhão, utilizou a tribuna, na manhã desta quarta-feira (15), para apresentar proposições e reafirmar o seu compromisso com a Educação no Estado.

Na ocasião, o parlamentar apresentou o Projeto de Emenda à Constituição (PEC), de sua autoria, que torna obrigatório o ensino da Literatura Maranhense em escolas públicas e privadas e solicitou, ainda, a reativação da rede de bibliotecas Farol da Educação, além da implantação de uma escola de ensino médio em Engenho d’ Água, povoado do município de Caxias.

“Enquanto professor e parlamentar, vejo a Educação como o instrumento mais eficaz na transformação de realidades. Por acreditar que a educação pode concretizar sonhos, apresento Emenda à Constituição Estadual que torna obrigatório o ensino da literatura maranhense. Ora, temos excelentes autores maranhenses e, ante isso, faz-se necessário que enfatizemos a apreciação de tais obras. Ressalta-se, não o simples ensino de obras maranhenses, mas a propulsão do conhecimento literário e, assim, da cultura. Ainda nos dias iniciais do mandato, solicitei a reativação da rede de bibliotecas Farol da Educação. Como resposta, recebemos um ofício da SEDUC justificando que, conforme acordo com o Governo do Estado em relação às revitalizações e ampliações dos faróis da Educação, a reativação passa a ser coordenada pela Secretaria de Estado de Cultura. Novamente solicito a reativação de tais bibliotecas, tomando o ímpeto do caráter primordial daquilo que é direito de todos e dever do Estado: a educação”, destacou.

Entenda as proposições:

– PEC que torna obrigatório o ensino da literatura maranhense

A Emenda acrescenta parágrafo ao art.221 da Constituição, tornando obrigatório o ensino da literatura maranhense em escolas públicas e particulares.

– Revitalização e Ampliação da rede de Faróis da Educação

Ainda nos primeiros dias de mandato, o deputado Wellington solicitou a revitalização dos faróis da educação. A solicitação foi encaminhada à SEDUC e ao Governo do Estado. Após obter resposta, a solicitação repete-se, com destinatário diferente: a Secretaria de Estado da Cultura, que é quem está responsável pelos Faróis. O principal objetivo da solicitação refere-se à reativação dos 9 Faróis presentes em São Luís, tendo em vista a necessidade de se fomentar a leitura.

– Criação de Escola de Ensino Médio em Engenho d’Água, Caxias-MA

Engenho d’Água é um povoado de Caxias, cidade localizada a 361 km da capital maranhense. Apesar do crescimento populacional, Engenho d’Água ainda não possui, sequer, uma Escola de Ensino Médio, o que faz com que os alunos, ao concluírem o ensino fundamental, tenham que se deslocar para o centro de Caxias, Nazaré do Bruno ou Timon. Tal solicitação almeja a concretude do direito que é a educação.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

Olha aí, Roseana! Pedro Fernandes admite atraso na educação do MA

Do Idifusora

O secretário de Estado da Educação, deputado federal licenciado Pedro Fernandes, disse que 40% dos jovens com idade em torno de 17 anos não tem acesso à escolas no Maranhão. O índice é alarmante e mostra como há um atraso na educação, exigindo uma força-tarefa dos governos para reduzir essas desigualdades.

O percentual foi mencionado pelo secretário em entrevista publicada neste domingo (21) no jornal O Imparcial. Pedro Fernandes parece otimista. Reduzir essa diferença educacional poderá ser possível, segundo ele, com a melhoria na estrutura das escolas, quadro de professores, além de avanços no currículo pela mediação tecnológica, a ser implantada a partir do próximo mês de agosto.

“Vamos expandir o ensino médio, tentando a universalização”, disse Pedro Fernandes, destacando que, para atingir tal objetivo, a Seduc vem articulando parcerias com universidades e instituições com atuação voltada ao desenvolvimento científico no estado.

O analfabetismo é outra chaga que o Maranhão carrega. O Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que mais de 60% das pessoas de 10 anos ou mais de idade, no Maranhão, não tinham instrução e nem completado o ensino fundamental.

A Secretaria da Educação detém um dos maiores, senão o maior, orçamento entre todas as secretarias de governo. Seriam R$ 1,604 bilhão, mas quase todo o valor é destinado à folha de pagamento de pessoal.

Segundo Pedro Fernandes, apesar de o governo estadual cumprir o preceito constitucional e destinar 5% do orçamento para as instituições de ensino superior, além de 20% aos programas de educação básica, esses recursos ainda não são suficientes. “Estamos na luta para que os royalties [do petróleo] venham para a educação, e pelo menos trocar uma riqueza que é finita por uma outra riqueza, que é a educação do povo”, disse o secretário.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.