Política

Lobão fechou diretamente sobre propina de R$ 1 milhão, diz deltador

Senador Edison Lobão.

Senador Edison Lobão.

O dono das construtoras UTC e Constran, Ricardo Pessoa, disse em sua delação premiada que fechou diretamente com o senador Edison Lobão (PMDB-MA) o repasse de R$ 1 milhão em propinas e que o acerto, segundo ele, incluía atender com atenção especial a pedidos de doação eleitoral feitos pela cúpula do PMDB no Senado. Lobão era ministro de Minas e Energia e, conforme Pessoa, a suposta propina milionária serviria para garantir contratos de consórcio integrado pela UTC nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ).

Um consórcio formado por UTC, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht — todas investigadas na Operação Lava-Jato e suspeitas de integrarem o “clube do cartel” — executa as obras. O grupo venceu uma concorrência no fim de 2013 para obras em Angra 3, no valor de R$ 3,1 bilhões. Por ter saído vencedor, o consórcio optou por um pacote de obras que inclui edificações não nucleares, no valor de R$ 1,75 bilhão.

Com o êxito da contratação, o dono da UTC disse ter interpretado que o acordo da suposta propina a Lobão deveria estender benefícios aos caciques do PMDB no Senado. Os registros das doações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) corroboram o que Pessoa afirmou na delação. A direção do PMDB em Alagoas, controlada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), recebeu um repasse da UTC de R$ 500 mil em agosto e outro de R$ 500 mil em setembro de 2014. O filho de Renan, Renan Filho (PMDB), foi eleito governador de Alagoas. Já a direção do PMDB de Roraima — controlado pelo senador Romero Jucá — foi financiada com três repasses de R$ 1,5 milhão ao todo, também em agosto e setembro de 2014. A direção do PMDB na Bahia ganhou R$ 300 mil da UTC, conforme os registros do TSE, e a direção nacional do partido, mais R$ 500 mil.

Ainda conforme a delação, Pessoa afirmou que repassaria às demais empreiteiras do consórcio a necessidade de ratear a suposta propina a Lobão e de dar atenção especial a doações aos demais representantes do PMDB no Senado. Pessoa enxergava em obras de usinas nucleares um filão para garantir à UTC a presença no grupo das maiores empreiteiras do país. Na delação, ele citou outros pagamentos para a participação em Angra 3: o advogado Tiago Cedraz, filho do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz, recebeu R$ 50 mil mensais para influir em processos do tribunal, mais R$ 1 milhão sobre um processo de Angra 3, conforme o empreiteiro.

O advogado de Lobão, Antonio Carlos de Almeida, diz que “delações em série perderam a confiança”. Segundo ele, depoimentos do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa já se contradiziam sobre um suposto repasse de R$ 1 milhão em propina.

Jucá disse ao GLOBO não saber o que Lobão e Pessoa trataram sobre doações ao PMDB. (O Globo)


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Juiz da Ficha Limpa recebeu mais de R$ 140 mil em precatórios no governo Roseana Sarney

Juiz autor da Ficha Limpa, Marlon Reis.

Juiz autor da Ficha Limpa, Marlon Reis.

Em meio ao escândalo de propina de R$ 6 milhões da empresa Constran com membros do Palácio dos Loões (reveja), o moralista e criador da Lei da Ficha Limpa, juiz de direito Marlon Jacinto Reis, também aparece na lista como beneficiado pelos precatórios de natureza alimentar.

Obtido pelo Blog do Neto Ferreira, os documentos mostram figuras importantes que cobravam desde 2010 e receberam em 2011 os precatórios do Governo do Estado do Maranhão.

De acordo com o documento (veja abaixo), o juiz da Ficha Limpa foi agraciado no governo Roseana Sarney em mais de R$ 148 mil reais. Os precatórios alimentar de pessoas físicas que foram pagos em 2011, somados chega a quase R$ 57 milhões.

No mês passado o Blog mostrou em reportagem que delegados de Polícia Civil do Maranhão estão cobrando em precatórios mais de R$ R$ 4,6 milhões, referentes a quinquenhos e URV e outras perdas salarias (reveja).


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Bomba! Secretários cobravam Roseana em propina da Constran

O escândalo do precatório da empresa Constran S/A Construções e Comércio, confidencializado por quem desfruta da intimidade de chegar na cozinha e abri a porta da geladeira de Roseana Sarney é no minimo uma bomba de efeito retardado.

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB).

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB).

Nos bastidores dos Leões, comenta-se que o escândalo atinge não somente a governadora do Maranhão, como também duas figuras importantes que possuem cargos no primeiro escalão do estado.

Após a concretização do acordo de pagamento à empresa, ficou definido uma especia de ajuda do Palácio dos Leões em honrar dois compromissos de seus subordinados. No entanto, não se sabe quais.

Porém, os secretários de estado cobravam da governadora que havia prometido, mas não cumpria alegando (mentindo) que não teriam repassado ainda o combinado (propina), ou seja, Alberto Yousseff, doleiro preso pela Polícia Federal no Hotel Luzeiros em São Luís, em março deste ano.

A contadora do doleiro Alberto Yousseff, Meire Poza, foi quem revelou o esquema no Maranhão em depoimento à Polícia Federal, e afirmou que integrantes do governo receberam propina no valor de R$ 6 milhões para liberar dinheiro de precatório. Segundo a Poza, o pagamento da propina seria para furar a fila de outros precatórios e receber antecipadamente as cifras milionárias no valor R$ 120 milhões.

O esquema montado no precatório da Constra deverá, sem sombra de duvidas, atingir mais dois secretários do governo Roseana Sarney.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Taguatur cobra mais de R$ 2 milhões em precatórios do governo

Os precatórios de natureza geral onde aparecem grandes empresas que cobram dívidas do Governo do Maranhão, a exemplo da Constran S/A Construções e Comércio que recebeu uma parte e teve o restante do pagamento suspenso por suspeita de irregularidades, somam valores acima de 200 milhões.

Uma das empresas que figura na lista é a Taguatur Transporte e Veículos LTDA., que busca providências do governo do Estado, em relação ao pagamento de precatórios, que se encontram vencidos há anos e totalizam um valor de R$ 2,4 milhões.

O blog do Neto Ferreira teve acesso divulgará em partes as dívidas de todos os precatórios vencidos – não admitem mais recurso judicial pelo fato de serem transitados em julgamento.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Delegados querem receber mais de R$ 4 milhões em precatórios

O Governo do Estado do Maaranhão deve desde 2011 uma quantia fabulosa em precatórios. Algo que se somado no geral beira a casa de R$ 1 bilhão. Segundo documentos obtidos pelo Blog do Neto Ferreira.

Algumas coisas já foram pagas, outras negociadas e um expresivo restante sem nenhuma solução. Por conta disso o estado já esteve ameaçado de sofrer intenrvenções.

Os precatórios em sua maioria são alimenticios de pessoas fisicas que só em 2012 passam de R$ 100 milhões, sem contar com os de pessoas juridicas que são os precatórios de natureza geral.

No lote que pertence aos delegados de Polícia Civil do Maranhão, os precatórios chegam a mais de R$ R$ 4.6 milhões, referentes a quinquenhos e URV e outras perdas salarias. Abaixo a relação dos delegados e os valores que eles estão lutando para receber:

Secretário de Administração Penitenciária Sebastião Albuquerque Uchôa Neto – R$ 210.303,65

Delegado geral adjunto do Maranhão Augusto Barros – R$ 140.089,00

Deputado federal e delegado Lourival Mendes da Fonseca Filho – R$ 163.910,02

Delegada Geral da Policia Civil Maria Cristina Resende Menezes – R$ 239.613,54

Luis de Moura Silva – R$ 244.188,31

Gustavo Bezzera de Alencar – R$ 206.720,58

Jefferson Miler Portela e Silva – R$ 220.345,69

Sebastião Justino da Silva Neto – R$ 255.380,55

Sebastião Costa Cabral – R$ 253.120,93

Roberto Mauro Silva Larrat – R$ 205.116,86

Francisco Aldir Teixeira – R$ 246.383,13

Viuve de Stênio Mendonça, Marilia Lima Mendonça – R$ 256.234,74

Cleto Leite Gomes – R$ 222.113,36

Renato Barbosa Fernandes de Sousa – R$ 40.355,36

Rodson Teixeira de Almeida – R$ 210.151,84

Nordman Ribeiro – R$ 298.059,17

Carlos Lacerda Almeida – R$ 230.138,12

Uthania Vanderlene Reis M. Lima Gonçalves – 201.075,88

Walter Wanderley Silva Ferreira – R$ 192.646,19

Pedro Adriano Menezes Silva – R$ 237.675,95


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Procuradores do Maranhão ganharam 5% dos precatórios da Constran

Blog do Luis Cardoso

A contadora do doleiro Alberto Youssef, Meire Poza, informou à Polícia Federal que participou de uma reunião na Casa Civil do Governo do Estado do Maranhão e que ficou acertado o pagamento de 5% do valor global dos precatórios da Constran (da ordem de R$ 113 milhões para agentes públicos).

Ele não citou quem levou tal propina, mas adiantou que o seu patrão pagou R$ 1,3 milhão na primeira parcela e mais R$ 300 mil da segunda. Não existem confirmações de que a propina tenha sido realmente efetuada, mas ficou acertada em documento o ganho de 5% para a Procuradoria Geral do Estado.

O valor para ser distribuído entre os procuradores do Maranhão é acertado sobre o valor em que o Estado considera como lucro nas negociações, quando do montante é feita uma negociação para diminuir a dívida. São chamados de sucumbências os honorários que os procuradores dividem entre si a cada negociação em que a dívida é reduzida.

Como no caso dos precatórios a redução foi da ordem de R$ 28 milhões do valor global, os procuradores tiveram um ganho de R$ 1,4 milhão, incluindo a procuradora Helena Haickel.

Não se pode afirmar que o ganha a mais na renda de cada procurador seja ilegal, mas cheira a imoralidade. Em São Paulo, por exemplo, os procuradores que defendem o estado só percebem algo mais quando existe um acréscimo e não redução de dívidas.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.