Política

Cultura de Bacabal promoverá Festival de ‘irregularidades’

Blog do Louremar

O prefeito de Bacabal, José Alberto Veloso, não consegue passar uma imagem de austeridade e nem de um administrador com pulso forte.

Clecio Silva.

Clecio Silva.

Depois de nomear o promotor de micaretas José Clécio, como secretário de Cultura, contra a vontade de toda a classe cultural, o Prefeito deve arcar com o ônus da sua decisão. As críticas quanto a nomeação se deram principalmente pelo fato do nomeado não ter conhecimento do assunto e nem vivência no meio cultura. A nomeação, atribuída ao fato de ser o secretário apadrinhado do desembargador Guerreiro Júnior, só tem gerado dissabores. O concurso público, na modalidade festival, instituído pela secretaria de Cultura é um exemplo.

O ‘Festival de Música Carnavalesca de Bacabal’ está ceivado de irregularidades. Aquilo que já vinha sendo comentado nos bastidores da Cultura, ontem foram trazidos à público pelo blog do Sérgio Matias.

O primeiro artigo do regulamento diz que o certame é “aberto a compositores e autores residente em Bacabal”. Confrontando o regulamento com a relação das doze músicas selecionadas, nota-se o problema, os autores de pelo menos duas músicas não residem em Bacabal.

Gilvan da Mocidade dá o tom da irregularidade

O compositor Gilvan da Mocidade, residente em São Luis, inscreveu a música ‘Pacu Assado’. A música ‘Quero Saber’ é de autoria dos não-residentes em Bacabal, Albert Abrantes e Marcos Pimentel. Sem noção do que é uma triagem, o secretário José Clécio referendou as duas músicas para a final.

Como todo concurso que se preze, o Festival de Marchinhas dita em seu regulamento que “é proibida a participação de funcionários da secretaria de Cultura e pessoas ligadas à organização do evento”. No entanto a competente compositora Dalva Lopes figura como autora de uma das músicas selecionadas para a final.

Dalva Lopes é irmã do cantor e compositor José Lopes Filho, um dos diretores da Secretaria, espécie de porta-voz do secretário de Cultura. É justamente a Zé Lopes que cabe a função de convocar os jurados e coordenar os trabalhos da comissão julgadora. Além disso, é da irmã de Zé Lopes o endereço cedido para fazer a inscrição da música de Gilvan da Mocidade.

Em nenhum dos casos se questiona a competência dos autores. A questão é a lisura do certame que é público e financiado com o dinheiro público. A premiação será de R$ 7 mil reais.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

SAAE de Bacabal acumula dívidas de mais de R$ 1 milhão

O novo corpo diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Bacabal(SAAE), comandado pelo jovem empresário Leonardo Lacerda, tem encontrado muitas dificuldades para gerir a autarquia municipal. A situação recebida pelos novos diretores é caótica. Equipamentos como bombas e compressores queimados, veículos como utilitários e motos danificados, estação de captação envelhecida e com graves problemas estruturais, sistema adutor caduco ainda operando com canos de amianto, sistema de distribuição misto, composto por canos de amianto e PVC e estação de tratamento defasada e ultrapassada.

O mais grave, porém, é que os dados levantados mostraram que o SAAE de Bacabal deve R$ 1.280.080,74(um milhão duzentos e oitenta mil oitenta reais e setenta e quatro centavos), entre débitos com a CEMAR, o INSS, fornecedores e saldo devedor da folha de pagamento. Os dados, auditados por uma equipe comandada pelo diretor adjunto Anselmo Lopes, foram repassados por Leonardo Lacerda para o prefeito José Alberto Veloso.

Veloso autorizou Lacerda a resolver todos os problemas em o menor espaço de tempo possível determinando que o diretor tomasse todas as medidas cabíveis e não poupasse nenhum tipo de esforço para resolvê-los.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

Em Bacabal, Zé Alberto se exime de ‘salários atrasados’ dos servidores

Zé Alberto ao lado do seu padrinho político, o senador João Alberto que faz parte do clã Sarney.

Zé Alberto ao lado do seu padrinho político, o senador João Alberto que faz parte do clã Sarney.

Durante reunião com os servidores concursados, o prefeito de Bacabal Zé Alberto (PMDB) deu claras demonstrações de que não fará nenhum acordo que envolva o pagamento de servidores ou terceirizados de responsabilidade da antiga administração, do ex-prefeito Raimundo Lisboa (PR).

O peemedebista disse para os efetivos da Saúde que os salários atrasados do meses de novembro, dezembro e décimo terceiro tem de ser cobrado do ex-prefeito. Um verdadeiro absurdo!

Em outra reunião com o secretário de Saúde de Bacabal, Dr. Hidalgo, os servidores questionaram sobre os salários atrasados. Em resposta, o médico pediu prazo para tentar solucionar o mais rápido possível o problema do qual tem que ser tratado com seriedade.

A indelicadeza de Zé Alberto foi uma surpresa para eleitores que deram um voto de confiança pela mudança do quadro político. Para servidores públicos, o prefeito deve considerar temerária e irresponsável o fato de antiga gestão deixar qualquer pendência financeira deste tipo para sua gestão.

Com isso, os enfermeiros concursados devem optar pelo ato de paralização em conjunto com toda a classe de efetivos da Prefeitura de Bacabal.

A situação caótica da prefeitura não afetou apenas a saúde pública. Na categoria dos professores, foi reivindicado através do Sinproesemma onde foi protocolado um pedido de liminar para bloqueio de verba da prefeitura com objetivo de pagar os vencimentos.

Porém, o pedido de liminar foi negado em decisão da Justiça de Bacabal que alegou da seguinte maneira: “o bloqueio de verba pública somente se autorizada quando quebrada a ordem cronológica”, diz a decisão do magistrado.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Vereadores reúnem e discutem o afastamento de Lisboa da prefeitura de Bacabal

Blog do Louremar

Prefeito de Bacabal Raimundo Lisboa

Prefeito de Bacabal Raimundo Lisboa

Depois da decisão que suspendeu os direitos políticos do prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa, um grupo de vereadores entrou em ação.

Marcaram uma reunião secreta, em local não divulgado, para discutir sobre a possibilidade de afastar o prefeito.

O pedido de afastamento foi um dos itens pedidos no processo. O Ministério Público entendeu que seria pertinente afastar o Prefeito de suas funções. No julgamento da Ação Civil, o juiz entendeu que não era necessário.

Os vereadores estão com a papelada . Há vereador governista no grupo que se reuniu. Uma fonte do Blog afirmou que dentro das próximas horas o grupo poderá crescer com a adesão de outros parlamentares.

O principal argumento é de que o Prefeito comprovadamente cometeu um crime e está impossibilitado de adminsitrar o município. Um vereador comentou “o prefeito não está nem aí pra nada. Quem administra o município é o advogado Rogério. Por isso chegou nesse ponto aí”

O Blog já adiantou essa história em outubro no post “Quem é que administra Bacabal”.

Taugi Lago assumir é um risco

O problema discutido na reunião dos vereadores foi o nome de quem deve assumir no afastamento de Lisboa. Taugi Lago é a vice-prefeita. Mas se assumir poderá mudar o rumo da sucessão municipal.

Hoje Taugi não tem potencial eleitoral. Tem um grupo que faz barulho e divulga seu nome. Um grupo que tem esperança de que o senador João Alberto a indique para concorrer à sucessão de Lisboa.

Esperança é diferente de certeza. Depois da aproximação de João Alberto com pecuarista Zé Alberto Veloso e diante do silêncio do Senador sobre a aliança Lisboa/Zé Vieira, o grupo não tem certeza absoluta de que o “carcará” possa indicar Taugi.

Caso ela assuma a prefeitura, poderá pavimentar com tranqüilidade o caminho para a campanha eleitoral. Os vereadores discutem se vale a pena correr esse risco.

Manoel da Concórdia seria beneficiado

O vereador Manoel da Concórdia, presidente da Câmara, seria beneficiado com o afastamento de Lisboa. Ele seria a pessoa a quem Taugi Lago teria que ouvir atentamente Bem relacionado com os colegas, Manoel é um nome bem visto. Um vereador afirmou que seria melhor tê-lo como interlocutor dos problemas do legislativo do que aquilo que acontece hoje, quando os vereadores tem que se reportar ao advogado Rogério Alves que, por sua vez, mantém o prefeito Lisboa “blindado” até em relação aos vereadores.

Resta aguardar os acontecimentos. No mundo da política tudo é possível.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.