Poder

Por 8 votos a 2, STF mantém decisão de Rosa Weber que suspendeu ‘orçamento secreto’

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (10), por 8 votos a 2, manter a decisão da ministra Rosa Weber que suspendeu as emendas de relator, conhecidas como “orçamento secreto”.

A votação aconteceu em plenário virtual, e o prazo para inserção dos votos acaba às 23h59 desta quarta. Até o fim do prazo, os ministros podem alterar os votos; pedir vista (mais tempo para análise); ou pedir destaque, e o tema ser analisado no plenário físico.

Os recursos do “orçamento secreto”, criados pelo Congresso Nacional em 2019, têm origem em emendas parlamentares cuja transparência é questionada em ações no STF e no Tribunal de Contas da União (TCU).

Além de Rosa Weber, votaram contra a execução das emendas os ministros : Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Dias Toffoli.

Divergiram da relatora os ministros: Nunes Marques e Gilmar Mendes.

Mais cedo, nesta quarta, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que a “intervenção” do STF no “orçamento secreto” foi “oportuna”.

Emendas de relator

O “orçamento secreto” é como ficaram conhecidas as emendas parlamentares pagas na modalidade “emendas de relator”.

Ao contrário das emendas individuais, que seguem critérios bem específicos e são divididas de forma equilibrada entre todos os parlamentares, as emendas de relator não seguem critérios usuais e beneficiam somente alguns deputados e senadores.

Na prática, a destinação dos recursos é definida em acertos informais entre parlamentares aliados e o governo federal. Por isso, esses repasses são alvo de críticas de especialistas.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários