Poder

Desembargador substitui prisão preventiva por domiciliar do advogado Dalton Arruda

O desembargador José Jorge Figueiredo dos Anjo decidiu converter a prisão preventiva do advogado previdenciário, Dalton Arruda, em domiciliar. O advogado foi preso após descumprir medida protetiva e agredir a ex-mulher na madrugada dessa quarta-feira, 17.

O pedido de habeas corpus de Dalton foi concedido com base nas alegações da defesa, com efeito imediato. Durante o cumprimento do regime domiciliar o advogado terá que usar tornozeleira eletrônica.

O desembargador também determina que em um prazo de 10 dias a juíza prolatora da decisão, Dra. Janaína Araújo de Carvalho, preste informações sobre o cumprimento do beneficio e a atual situação do processo.

Prisão

O advogado do ramo previdenciário, Dalton Arruda, foi preso na madrugada da quarta-feira, 17, após invadir a casa da ex-mulher, no bairro do Calhau. Segundo informações, o advogado descumpriu uma medida protetiva que determinava o distanciamento obrigatório, solicitada pela ex-companheira. Dalton arrombou o portão da residência com o seu veículo e conseguiu ter acesso à residência, onde teria agredido a mulher.

 


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

4 comentários em “Desembargador substitui prisão preventiva por domiciliar do advogado Dalton Arruda”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Brasil a casa da mãe Joana

    Antes os pobres tivessem os mesmos direitos.

  2. MARTINS

    Se essa moça tivesse um irmão macho e louco,já teria dado um jeito nesse imbecil. O que é dele não demorará a receber,por ser metido a machão.

  3. Carlos

    Há JJ, queria ver se fosse tua filha…

  4. Tribunal revoga liminar e manda prender Dalton Arruda - Neto Ferreira – Conteúdo InteligenteNeto Ferreira – Conteúdo Inteligente

    […] Um dia depois do flagrante, o desembargador do Tribunal de Justiça José Jorge determinou a saída do advogado da cadeia mesmo com o descumprimento da medida protetiva imposta pela Lei Maria da Penha (relembre aqui). […]

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários