Poder

TCE suspende trecho de Portarias por violação da livre concorrência no Porto do Itaqui

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu trechos de duas Portarias publicadas pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) por indícios de violação da livre concorrência no Porto do Itaqui.

A decisão da Corte de Contas atendeu à Representação formulada pelo Ministério Público de Contas, após recepcionar Notícia de Fato da empresa Risa S/A, que alegou a existência de irregularidade nas Portarias n.ºs 205/2020 e 221/220 expedidas pela EMAP, em vista que criavam ordem prioritária de atracamento de embarcações no Porto do Itaqui fora das hipóteses autorizadas em legislação específica.

Em sua defesa, a Empresa portuária alegou que o TCE é incompetente para processar e julgar a representação, cujo objeto versa sobre regra de preferência na atracação de embarcações no bojo do Porto do Itaqui que dá tratamento preferencial e prioritário as operadoras portuárias que possuam APARELHAMENTO ESPECIAL, conforme textualmente consignado em ato normativo, portaria 205/2021 (alterada pela Portaria 221/2020).

A Emap argumenta ainda que, apesar de ser uma empresa pública estadual, exerce a função de administrar o Porto Público, pertencente à União Federal, ressaltando que a competência originária para explorar o Porto do Itaqui é da União, na forma do ar. 21, inciso XII, “f” da Constituição.

Em seu parecer ministerial, o MPC concluiu que as portarias editadas pela EMAP teriam o potencial de violar a livre concorrência e a liberdade econômica, pois apesar de se tratar de um espaço público, a ordem prioritária estabelecida para navios com carga que possuem aparelhamento especial de cais acaba por criar embaraços às atividades comerciais de outras empresas operadoras portuárias que ainda não contemplam o referido aparelhamento.

“Com base nesse contexto, o MPC indicou violação à autonomia da atividade econômica e da livre concorrência em virtude de que somente uma empresa é dotada do aparelhamento especial de cais, sendo esta a empresa COPI, o que pode servir de incentivo para que os particulares interessados contratem os serviços desta, em detrimento de qualquer outra operadora portuária que são devidamente autorizadas a operar pela EMAP”, pontuou a decisão.

Com isso, o MPC também identificou que as portarias em análise contrariam orientação da ANTAQ posto que esta somente autorizou a prioridade de atracação de navios de transporte de celulose quando da conclusão de novo berço, não podendo ocorrer nos demais que são utilizados por várias outras empresas operadoras portuárias.

O Tribunal de Contas afirmou que não há motivos para discordar da representação do Ministério Público de Contas em vista que, à luz da análise da documentação acostada, foi possível identificar que no âmbito do Porto do Itaqui somente uma empresa operadora está sendo beneficiada pelos efeitos das portarias nºs 205/2020 e 221/2021 que criaram uma nova hipótese para atracamento prioritário sem a existência de autorização da respectiva agência reguladora (ANTAQ) e sem indicar a correspondência com normativo superior.

Com base nos documentos, a Corte de Contas decidiu suspender de forma parcial os termos das Portarias n.ºs 205/2020 (alterada pela portaria n.º 221/2020) nas disposições que importem no estabelecimento de prioridade na atracação de navios que venham a movimentar, de modo exclusivo, cargas condizentes com o aparelhamento especial de cais, diante da falta de amparo normativo de autorização da ANTAQ, até que esta Corte de Contas decida sobre o mérito da questão suscitada.

Os responsáveis tem 15 dias para se pronunciarem sobre o caso.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “TCE suspende trecho de Portarias por violação da livre concorrência no Porto do Itaqui”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. jiu-jitsu sempre

    O TCE não tem que se meter em questões portuárias.
    Quem “decide” como as autoridades portuárias devem agir é a ANTAQ.
    O Tribunal de Contas, ao invés de realizar a devida fiscalização que lhe cabe, parece estar muito Intere$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ada em questões que não fazem parte de sua alçada.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários