Poder

Promotoria investiga prefeita de Arame por ilegalidade em leilão de bens municipais

O promotor de Justiça Titular da 1ª Promotoria de Justiça de Buriticupu, respondendo pela Promotoria de Justiça de Arame, Felipe Augusto Rotondo, instaurou um inquérito civil para investigar a prefeita da cidade, Jully Menezes, por supostas ilegalidades em um leilão que teria alienado bens do Executivo.

Segundo as informações publicadas pelo Ministério Público, o leilão foi realizado no dia 20 de junho de 2020 sem autorização legislativa e em desacordo com as normas licitatórias.

A empresa responsável por promover o evento foi a PH Leilões, que tem como razão social Pedro Hypólito de A. F. Lobo, com o aval da gestora.

O representante ministerial, Felipe Rotondo, informou que constam no rol de investigados a prefeita Jully Menezes, o empresário Pedro Hypolito de Azevedo Filgueiras Lobo e Raimundo José Ribeiro da Silva, que já foram comunicados para apresentarem manifestação sobre os fatos.

Rotondo requisitou ainda que a PH Leilões apresente toda a documentação referente ao edital de leilão nº 005/2018, inclusive cópia de eventuais contratos assinados, publicações de editais, documentos dos adquirentes dos bens leiloados, atas, enfim, toda a documentação pertinente ao referido leilão.

Ainda de acordo com as informações, o promotor de Justiça solicitou a instauração de Inquérito Policial à Delegacia de Defraudações, com cópia integral dos autos, requerendo que apresentem no prazo de 10 dias úteis cópia da portaria de instauração do procedimento ou do encaminhamento da requisição para a autoridade policial competente.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários