Poder

Justiça autoriza reintegração de PM acusado de matar ex-mulher a tiros em São Luís

Do Imirante.com

O soldado Carlos Eduardo Nunes Pereira, suspeito de matar a tiros a ex-companheira, Bruna Lícia Fonseca Pereira, de 23 anos, e um homem que estava com ela no momento do crime, identificado como José Willian dos Santos Silva, de 24 anos, foi reintegrado à Polícia Militar do Maranhão (PMMA) por liminar judicial. O duplo homicídio aconteceu no dia 25 de janeiro do ano passado, em um apartamento no bairro Vicente Fialho, em São Luís. De acordo com as investigações, a motivação do crime foi o fato do policial não aceitar o fim do relacionamento com a vítima.

A decisão de reintegrar o soldado Carlos Eduardo Nunes à Polícia Militar foi do juiz Nelson Melo de Moraes Rêgo, titular da Auditoria da Justiça Militar do Estado, e publicada no dia 15 de junho no Diário Oficial do Estado do Maranhão. O militar permanece preso desde a época do crime.

O crime

De acordo com informações policiais, no dia do crime Carlos Eduardo chegou no apartamento, na tarde do dia 25 de janeiro de 2020 e encontrou a ex-esposa, Bruna Lícia, com outro homem, identificado como José Willian.

Depois disso, o policial efetuou sete disparos de arma de fogo contra os dois, que morreram no local. Depois do duplo homicídio, Carlos Eduardo entregou a arma do crime para o tio, que é sargento da Polícia Militar, foi preso e encaminhado para a Superintendência de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP),em São Luís.

Em depoimento, Carlos Eduardo disse que viu Bruna Lícia e José Willian fazendo sexo e que houve luta corporal antes dos disparos. Entretanto, as investigações não apontavam para a possibilidade de luta entre os envolvidos. Bruna Lícia foi sepultada no dia 26 de janeiro de 2020, em São José de Ribamar, Região Metropolitana de São Luís.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Mulher (Semu) repudiou, com veemência, a decisão judicial que permitiu a reintegração do soltado à Polícia Militar do Maranhão. A pasta também cobrou por justiça e que se façam valer os direitos das mulheres.

Leia a íntegra da nota:

“A Secretaria de Estado da Mulher, vem por meio desta nota, repudiar com veemência à decisão judicial, que permitiu a reintegração do soldado Carlos Eduardo Nunes Pereira, à Polícia Militar do Maranhão, como consta em publicação no Diário Oficial do Estado, no último dia 15 de junho.

O soldado, matou a tiros a ex-esposa Bruna Lícia Fonseca Ferreira, no dia 25 de janeiro do ano passado, por não aceitar o término do relacionamento.

Não podemos aceitar que casos como este, que remetem ao século passado aconteçam nos dias de hoje. Aceitar um fato como este, é aceitar à velha máxima machista de que “a honra se lava com sangue”. Queremos justiça e que se façam valer os direitos das mulheres. Seguiremos firmes e combativas!”


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários