Poder

PGE pede que Clayton Noleto apure fraude em documento da Enciza Engenharia

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) recomendou que a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra), pasta administrada por Clayton Noleto, instaure um procedimento administrativo (PA) para apurar a suposta fraude praticada pela Enciza Engenharia para abocanhar o contrato de R$ 54 milhões.

A Recomendação foi dada pelo procurador do Estado, Gustavo Cesário Sabóia de Almada Lima, após o secretário de Infraestrutura solicitar uma orientação acerca de quais medidas administrativas deveriam ser tomadas no âmbito da Concorrência nº 001/2020 – CSL/SINFRA, que resultou na contratação supostamente irregular da construtora, de propriedade do empresário José Lauro Moura.

Além da instauração do PA, Gustavo Lima orientou que a Sinfra suspenda imediatamente a execução do referido contrato e retome o processo licitatório com o envio do processo licitatório à autoridade competente para deliberação quanto à homologação e adjudicação do objeto à empresa vencedora, sugerindo-se que a Administração faça constar no ato homologatório e no novo contrato a ser firmado que a validade do certame encontra-se sub judice.

O contrato em questão é o motivo de uma batalha judicial que vem sendo travada desde o final do ano passado no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA).

A Enciza tenta se manter como a detentora do acordo contratual e para isso tem apresentado vários recursos na Corte.

O Blog do Neto Ferreira chegou a publicar uma série de reportagens relatando todo o imbróglio que envolve a empresa de José Lauro.

A disputa iniciou em outubro de 2020, quando a Enciza ajuizou uma Ação Anulatória na 7ª Vara da Fazenda de São Luís após ser desclassificada do processo por não cumprir o Edital de Licitação. Os autos do processo foram para a instância superior e o desembargador Guerreiro Júnior decidiu manter desclassificação da Enciza.

Mas, em um plantão de domingo, o magistrado Luiz Gonzaga Almeida Filho acolheu o Mandado de Segurança apresentado pela construtora e derrubou a sentença do colega de Tribunal (leia aqui).

Os autos chegaram a ir para o plenário do TJ para ser julgado, mas foi adiado após os desembargadores Jaime Ferreira e Jamil Gedeon pediram vistas do processo (relembre).

José Lauro também protocolizou um pedido de medida cautelar no Tribunal de Contas do Estado, que foi indeferido pelos conselheiros. Eles alegaram que é inadmissível uma empresa não cumprir o Edital de Licitação e vá em busca no TCE uma decisão favorável para voltar ao Certame, quando ela mesmo não cumpre a Lei(reveja).

Em dezembro do ano passado, a construtora sofreu outra derrota quando o juiz do Primeiro Cargo da 7ª Vara da Fazenda Pública, Marco Aurélio Barreto Marques, tornou sem efeito todas as sentenças anteriores que chegaram a classificar a empresa de José Lauro Moura para o certame milionário (reveja).

Após isso, a briga judicial expôs várias divergências de entendimento entre os desembargadores do Tribunal de Justiça sobre o contrato (leia).

Em nota, a Secretaria de Infraestrutura informou que está apurando os fatos e que a possível irregularidade apontada pelo Blog não foi mencionada por outras empresas durante a fase de habilitação do processo licitatório.

Leia abaixo:

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra) esclarece que a mencionada licitação, que culminou na contratação da empresa Enciza Engenharia Civil Ltda., foi conduzida por força de sucessivas decisões judiciais proferidas nos autos da Ação Anulatória nº 0833155-07.2020.8.10.0001 e os processos a ela correlatos (AI nº 0816387-09.2020.8.10.0000, MS nº 0817611-79.2020.8.10.0000 e SuspApel nº 0819119-60.2020.8.10.0000), bem como, por último, em cumprimento à decisão concedida no Mandado de Segurança nº 0804301-69.2021.8.10.0000 (todas as ações judiciais de acesso público).

A Sinfra ainda informa que analisa criteriosamente o número das ART’s junto ao CREA para verificar se estão corretas, observando que os documentos expedidos pelo referido órgão são dotados de fé pública.

A Secretaria também explica que na fase de habilitação dos documentos pelos licitantes, as empresas, ao analisarem a documentação dos concorrentes, podem mencionar possível irregularidade umas das outras empresas, o que não ocorreu no certame citado pelo blog. A Sinfra informa que está apurando os fatos.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

2 comentários em “PGE pede que Clayton Noleto apure fraude em documento da Enciza Engenharia”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Miguel

    Vai dizer que é original… Pois ele é o maior beneficiado do esquema

  2. jose alves

    kd o ministério público:??????????????????
    será que foi extinto aqui no maranhão???????????

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários