Poder

Desembargadoras são presas pela Polícia Federal por venda de sentenças

Duas desembargadoras do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) foram presas durante a operação Faroeste, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (14), contra um suposto esquema criminoso de venda de decisões judiciais.

De acordo com informações apuradas, outro alvo da operação, que está nas 6ª e 7ª fases nesta segunda-feira, foi o secretário de Segurança Pública do estado, Maurício Barbosa.

De acordo com a polícia, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o afastamento do cargo e da função de todos os servidores públicos envolvidos nas da Operação Faroeste. No entanto, a Secretaria de Segurança Pública e o governo do estado ainda não se posicionaram sobre o caso e não há detalhes do afastamento do secretário.

A investigação aponta a existência de um esquema de venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores da Bahia, com a participação de membros de outros poderes, que operavam a blindagem institucional da fraude.

O esquema, segundo a denúncia, consistia na legalização de terras griladas no Oeste do estado. A organização criminosa investigada contava ainda com laranjas e empresas para dissimular os benefícios obtidos ilicitamente.
Há suspeitas de que a área objeto de grilagem supere os 360 mil hectares e de que o grupo envolvido na dinâmica ilícita tenha movimentado cifras bilionárias.

Os mandados de prisão temporária foram expedidos pelo ministro do STJ, ministro Og Fernandes, após pedido da subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo. Os nomes das desembargadoras não foram divulgados até a última atualização desta reportagem.

O Tribunal de Justiça da Bahia não falou sobre os juízes alvos da ação, nem quais medidas serão adotadas com eles. Por meio de nota, o órgão informou que reitera e ratifica o total apoio às instituições competentes para o processo de investigação conduzido pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal.

Também foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão em Salvador, em outras três cidades baianas — Barreiras, Catu, Uibaí — e um em Brasília (DF), de acordo com informações da Polícia Federal.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

2 comentários em “Desembargadoras são presas pela Polícia Federal por venda de sentenças”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. José alves

    Aqui no Maranhão se a polícia federal investigar vai muito desembargador preso.

  2. José Iran

    Com certeza caro José Alves e,eles nem se preocupam em expor “sinais exteriores de riqueza”,morando em apartamentos de luxo e dirigindo carrões,esperamos que o MPF,através da sub-Procuradora Geral, continue investigando todos os Estados.Aqui tem um entra e sai de Prefeitos do interior com decisões muitas vezes em plantões judiciários e,são esses Prefeitos os responsáveis pelo pior IDH do Brasil.Já dizia o Papa:”A corrupção é assassina”.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários