Poder

Empresários não prestigiam setor de eventos sociais do Maranhão

Empresários e profissionais maranhenses do setor de eventos sociais e corporativos de São Luís se uniram num ato de repúdio com o objetivo de alertar a sociedade quanto aos os riscos decorrentes da crescente contratação de fornecedores estabelecidos em outros estados.

De acordo com a classe, além de causar inúmeros prejuízos à cadeia produtiva do segmento como a extinção de inúmeros postos de trabalho, quer sejam efetivos ou temporários, tal prática atinge em cheio a economia local, pois os recursos que deveriam circular internamente fomentando o comércio da região de origem do contratante passa para as mãos de quem sequer presta contas com o Fisco Estadual.

Dessa forma, ainda segundo a categoria, se estabelece uma concorrência desleal na medida em que a contratação externa alimenta a sonegação fiscal e o não recolhimento de tributos, causando consequentemente perdas irreparáveis ao erário.

Após consultados, juristas experientes afirmam que o cliente que optar por esse tipo de contratação irregular, ou seja, sem o devido compromisso fiscal por parte do contratado externo, estará conivente com a fraude ficando passível também de punição severa se constatado o dolo.

A exemplo do que vem ocorrendo com frequência em São Luís, um dos casos que causou enorme estranheza foi o pomposo evento promovido pelo empresário Parmênio Mesquita de Carvalho, proprietário do Grupo Canopus, em maio deste ano, no Blue Tree Towers Hotel, a fim de receber a Ordem do Mérito Industrial, considerada a maior honraria do setor no país, conferida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) dentro da programação alusiva aos 65 anos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Maranhão (SENAI). Apesar de ter feito fortuna e obtido inúmeros títulos em solo maranhense, para a ocasião Parmênio decidiu contratar diversas empresas e serviços oriundos do Piauí, seu estado natal, um ato deselegante que conotou total desrespeito aos profissionais locais.

Seguindo essa mesma postura destoante encontra-se o deputado André Fufuca, que, mesmo sendo parlamentar pelo Maranhão, está prestes a entregar sua festa de casamento aos ‘cuidados’ de fornecedores sediados fora do seu próprio reduto eleitoral. Uma prova incontestável de que até mesmo aqueles que criam as leis que deveriam proteger os direitos dos cidadãos estão deixando de prestigiar a “prata da casa”.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Empresários não prestigiam setor de eventos sociais do Maranhão”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. jose carlos silva

    Neto, os serviços prestados por empresas de fora, cito por exemplo empresas do Piauí e Pernambuco , prestam melhor serviço e por preço mais baixo. Os nossos empresários querem ganhar demais, fica difícil imaginar como empresários de fora conseguem prestar serviço igual e muitas vezes melhor a um preço mais baixo.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários