Poder

Em Lago do Junco, o voto de cabresto impera

Universitários contrários à atual gestão estão sendo privados do transporte escolar.

Em Lago do Junco, o voto virou uma espécie de moeda de troca para os universitários que estudam em outros municípios e dependem do transporte da Prefeitura. A denúncia do abuso de poder político foi encaminhada ao Blog Neto Ferreira pelos acadêmicos que não votaram no atual prefeito e tiveram seus direitos cerceados pelo poder público municipal.

Os estudantes encaminharam o print de uma conversa envolvendo o titular da pasta de Educação de Lago do Junco, Marcony Wellython Oliveira. No texto, o secretário chama os acadêmicos de traíra e manda um recado aos estudantes universitários, que dependem do ônibus da prefeitura para se deslocarem até a universidade e não votaram no prefeito Osmar Fonseca (PT): “Traíras, no ônibus não tem mais espaço para vcs. Arrumem outro carro a partir de hoje”.

O secretário disse ainda:  “Quando foi pra pedir ônibus estavam todos lá prontos para ajudar e serem ajudados. E agora??? Tenho dito: TRAÍRA É TRAÍRA”. A atitude reprovável e inadmissível do gestor precisa ser apurada e punida, com urgência, pelos órgãos competentes. Os estudantes prejudicados com a atitude ilegal do secretário de Educação moram em Lago do Junco e estudam em Pedreiras.

Os acadêmicos dependem do transporte ofertado pela Prefeitura para chegar nos locais que estudam. Eles foram coagidos a votar no atual prefeito para “terem direito” ao transporte diário.  Muitos, contrários a gestão de Osmar Fonseca, votaram contra o  prefeito, e estão sendo punidos. O secretário de Educação tem impedido os alunos de chegar em suas respectivas universidades. Ele tem se apropriado de um bem público para “castigar” a população acadêmica contrária aos seus ideais. Um verdadeiro absurdo, que não pode ficar impune.

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral(TSE), o abuso do poder político ocorre nas situações em que o detentor do poder, […] vale-se de sua posição para agir de modo a influenciar o eleitor, em detrimento da liberdade de voto. Caracteriza-se dessa forma, como ato de autoridade exercido em detrimento do voto. Essa conduta ilícita pode conduzir  à inelegibilidade do candidato por oito anos, conforme a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010).

img-20161006-wa0008

img-20161006-wa0007

a


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Em Lago do Junco, o voto de cabresto impera”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Tiago

    Lago do Junco virou curral eleitoral depois da eleição do prefeito ditador… A lei da chibata é única lei existente por lá…

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários