Poder

Contas-sujas x fichas-sujas: afinal, quem pode concorrer nas eleições?

Do Terra

Aprovada em 2010, a lei da Ficha Limpa terá seu primeiro teste nas eleições municipais deste ano

Aprovada em 2010, a lei da Ficha Limpa terá seu primeiro teste nas eleições municipais deste ano

O pleito de outubro deste ano será o primeiro teste para a lei que impede a eleição de políticos condenados por órgãos colegiados da Justiça, mas, a pouco mais de 80 dias da votação, a eficácia da Ficha Limpa ainda é questionada. De acordo com o procurador eleitoral do Rio de Janeiro, Maurício da Rocha Ribeiro, a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de liberar a candidatura dos chamados contas-sujas – políticos que tiveram problema nas prestações de contas das campanhas eleitorais – é um retrocesso e mostra que a moralização das eleições não é uma prioridade na política brasileira.

“O TSE voltou atrás em uma resolução que o próprio Tribunal tinha baixado. É uma coisa absurda. Indeferir registro de quem teve as contas rejeitadas não fere direito individual nenhum. O candidato que tivesse cuidado na hora de apresentar sua prestação de contas”, afirma o procurador do MPE. Ele ainda vai além e critica a atuação do mais novo representante da Corte, o ministro Dias Toffoli. “Essa resolução do TSE que barrava os candidatos com as contas reprovadas indicava que a Justiça Eleitoral estava caminhando no sentido de priorizar a moralização das eleições. Mas a composição da Corte mudou e, com a vinda do Toffoli, que foi advogado do PT, talvez a cabeça dele funcione com lado do partido e não do eleitor, a situação se reverteu e a moralização deixou de ser prioridade”.

O afrouxamento da regra foi aprovado no dia 28 de junho pelo TSE, por quatro votos a três. Com isso, candidatos que não tiverem suas contas eleitorais aprovadas podem concorrer normalmente às eleições municipais deste ano. Para Erick Wilson Pereira, especialista em direito eleitoral e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a apresentação das contas tornaria mais rígida a aprovação de candidaturas. “O TSE gerou uma incoerência sem precedentes. Como a Justiça Eleitoral vai aplicar a Ficha Limpa somente para candidatos reprovados nos tribunais de contas, e não vai aplicá-la na própria Justiça Eleitoral? Isso, academicamente, ficou incompreensível. O TSE, para exigir isoneidade, deveria exigir dele próprio o cumprimento da normativa”, afirma ao destacar que a nova lei ficou fragilizada.

Contas-sujas x fichas-sujas

Pereira explica que a lei da Ficha Limpa, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010, impede a eleição de políticos que, ao exercer um cargo público, não fizeram a prestação de contas adequada dos recursos, deixando de comprovar os gastos. De acordo com o último balanço divulgado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), 6.640 gestores públicos (municipais, estaduais e federais) tiveram suas contas rejeitadas nos últimos oito anos e podem ser impedidos de concorrer pela Justiça.

A lei estabelece que não podem se candidatar as pessoas que tiveram suas contas rejeitadas por irregularidade insanável “que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente”, ou seja, quando houve intenção de causar prejuízo aos cofres públicos. Quem for enquadrado neste caso fica inelegível por oito anos. Mas cada caso precisa ser analisado de forma isolada pelo juiz eleitoral, após o pedido de impugnação feito pelo Ministério Público ou pelos partidos.

Já quem teve as contas das últimas campanhas eleitorais rejeitadas, os chamados contas-sujas, poderá concorrer normalmente já que após a mudança na regra feita pelo TSE, cada candidato precisou apenas apresentar sua contabilidade para garantir o registro, sem a necessidade de comprovar se não havia alguma pendência. “Essa mudança fere o espírito da lei, que trata diretamente de dar eficácia ao dispositivo da Constituição que trata de zelar pela moralidade dos candidatos”, explica o procurador Maurício Ribeiro. (Continue lendo aqui)


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

2 comentários em “Contas-sujas x fichas-sujas: afinal, quem pode concorrer nas eleições?”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Izadora Nogueira

    Então se depender do que ta escrito ai varios prefeito estão fudidinhos com essa questão juridica…………………………

  2. Tulio Marques Amorim

    Muito interessante essa matéria eu tenho duvidas justamente sobre essa questão dos candidatos que podem ou não ser a respeito da ficha limpa e contas sujasss.

    parabéns Neto Ferreoraa

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários