Crime

Adolescente de 17 anos mata o próprio pai a facadas em Zé Doca

Segundo a polícia, caso está sendo tratado como legítima defesa. Jovem teria agido para defender a si e aos irmãos de 4 e 15 anos.

Uma adolescente de 17 anos matou o próprio pai a facadas, na noite de quarta-feira (14), em Zé Doca, a 300 km de São Luís. Segundo a Polícia Civil, o caso está sendo tratado inicialmente como legítima defesa.

O delegado Henrique Mesquita, da Delegacia Regional de Zé Doca, contou que a jovem afirmou, em depoimento à polícia, que o pai, de 39 anos, costumava chegar bêbado em casa e agredir a família. Na noite de quarta-feira, ele teria entrado na residência ameaçando esfaquear os filhos.

“Ele já tinha histórico de violência, bebia e se tornava agressivo. Ele queria entrar em casa, disse que queria matar o garoto de quatro anos. A mais velha defendeu os irmãos, agiu em legítima defesa própria e de terceiros, muito embora tenha sido contra o próprio pai. Na situação difícil, ela agiu em defesa do irmão, que é uma criança indefesa”, contou Mesquita.

A adolescente disse que ela e os dois irmãos, que têm 15 e 4 anos, correram e se trancaram em um dos quartos. O homem conseguiu arrombar a porta e partiu para cima da filha mais velha, que conseguiu derrubá-lo, tomar a faca e desferir dois golpes nas costas e mais dois no abdômen do pai. A versão foi confirmada à polícia pelo irmão adolescente.

“Era um elemento bastante instável, pai de família, trabalhador, mas quando bebia, se transformava. A mãe estava viajando a serviço para outro Estado e, quando ela viajava, ele ficava com ciúmes, bebia, ficava agressivo e descontava nas crianças. Ele já tinha um histórico de beber e esfaquear os outros, inclusive em uma festa, há um tempo atrás, cometeu uma lesão corporal. A gente vai continuar as investigações”, acrescentou o delegado.
A jovem foi ouvida e liberada. Ela está sob a responsabilidade do Conselho Tutelar de Zé Doca. (Do G1MA)


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários