Brasil

Maranhão registra 80 casos de microcefalia

Bebê com microcefalia (foto: internet).

Bebê com microcefalia (foto: internet).

Os números aumentam a cada dia de bebês que nascem, infelizmente, com microcefalia no Maranhão, conforme revelado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), que acompanha o emblemático vírus originada pelo mosquito Aedes aegypti.

No Maranhão, foi registado até na noite desta segunda-feira (21), de acordo com o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 80 casos de bebês com microcefalia em 38 municípios.

O zika vírus é uma infecção causada pelo vírus zikv, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue da febre chikungunya.

De acordo com a Secretaria de Saúde, foram afetados os municípios de Açailândia (1), Aldeia Altas (1), Axixá (1), Barra do Corda (3), Buriticupu (6), Buritinara (1), Campestre (1), Caxias (1), Chapadinha (1), Codó (1), Coroatá (2), Davinópolis (1), Dom Pedro (2), Esperantinópolis (1), Grajaú (1), Humberto de Campos (1), Imperatriz (5), João Lisboa (1), Loreto (1), Mata Roma (1), Miranda (1), Paraibano (1), Pedreiras (1), Pio XII (1), Presidente Dutra (2), Santa Inês (2), Santa Rita (1), Santo Antônio dos Lopes (1), São Domingos do Azeitão (1), São Francisco do Brejão (1), São João dos Patos (2), São José de Ribamar (5), São Luís (21), Senador La Roque (1), Timon (2), Trizidela do Vale (1), Turiaçu (1), Urbano Santos (1) e Viana (1).

Dentre os casos apresentados, um óbito ocorreu em São José de Ribamar.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Maranhão

Confirmado primeiro caso de Zika vírus no Maranhão

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) recebeu nesta terça-feira (9) a confirmação do primeiro caso de Zika vírus no estado. Após análises dos exames realizados pelo Instituto Evandro Chagas, no Pará, o vírus foi detectado em amostras de um paciente no município de Gonçalves Dias, localizado a 340 km da capital, São Luís.

Zika Vírus.

Zika Vírus.

Apesar da confirmação do primeiro caso do vírus e da preocupação da chegada de uma nova doença no estado, o secretário de Estado da Saúde, Marcos Pacheco, explica que o Zica vírus é menos agressivo que a dengue. No entanto, é necessário que a população adote cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que também é o transmissor do vírus da Dengue e Chikungunya.

“A Zika é conhecida por apresentar evolução autolimitada, o que, potencialmente, a difere da Dengue, sendo menos agressiva. Os principais sintomas são febre baixa, olhos vermelhos, coceira, dores musculares e dor de cabeça”, informou o secretário Marcos Pacheco.

O Zika vírus é do gênero Flavivírus, proveniente da Uganda, na África, e está presente também na Ásia, Oceania e América do Sul. As primeiras notificações da doença ocorreram em 2014, no Rio Grande do Norte e, este ano, também já foram registrados casos em Alagoas, Paraíba, Bahia, São Paulo e no Pará.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.