Poder

Flávio Dino recebe prefeitos da Região Metropolitana de São Luís

reuniao-com-prefeitos-eleito-na-regiao-metropolitana-foto-gilson-teixeira-12

O governador Flávio Dino reuniu os quatro prefeitos que comandarão os municípios da Ilha de São Luís a partir de 2017, no Palácio dos Leões, na tarde desta segunda-feira (7). Edivaldo Holanda Júnior (São Luís), Luís Fernando (São José de Ribamar), Domingos Dutra (Paço do Lumiar) e Talita Laci (Raposa) discutiram com a equipe do Governo do Estado a implementação da Região Metropolitana da Grande São Luís e a integração imediata de políticas públicas em áreas definidas como prioritárias pelos gestores.

A reunião foi o primeiro encontro do governador com os prefeitos eleitos da Ilha de São Luís, e marca o diálogo inédito do Governo com os municípios que compõe a maior Região Metropolitana do estado. Durante a reunião, Flávio Dino ouviu as demandas das quatro cidades, e, a partir do consenso entre os gestores, foram definidos cinco temas prioritários: produção, segurança, mobilidade urbana, turismo, resíduos sólidos.

“Escolhemos alguns temas prioritários que imediatamente vão determinar uma agenda de trabalho entre o Governo do Estado e os municípios para que possamos otimizar os recursos e prestar um serviço de mais qualidade”, realçou o governador.

O prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando, destacou que é louvável a reunião dos quatro prefeitos da Grande Ilha para que as ações de gestão metropolitana se iniciem o mais rápido possível. “Tenho a expectativa que muitas parcerias podem ser feitas imediatamente a partir de janeiro para garantir mais celeridade da implementação das políticas públicas e para potencializar o esforço que cada administração municipal vai fazer em benefício do cidadão”, reiterou.

De acordo com a prefeita eleita de Raposa, Talita Laci, esse encontro é um momento histórico e esperado pela população de toda a Região Metropolitana. “Nós temos hoje quatro prefeitos que estão discutindo os principais temas em conjunto e acredito muito que esse diálogo vai beneficiar muito a toda a população”, enfatizou a futura gestora.

Região Metropolitana da Grande São Luís

Durante a reunião, a equipe da Secretaria de Estado das Cidades (Secid) apresentou a Lei Complementar Estadual nº 174 de 25 de maio de 2015, que institui a criação da Região Metropolitana da Grande São Luís em conformidade com o Estatuto das Metrópoles.

Composto de 13 municípios (São Luís, São José de Ribamar, Raposa, Paço do Lumiar, Alcântara, Bacabeira, Rosário, Axixá, Santa Rita, Presidente Juscelino, Cachoeira Grande, Morros e Icatu), o projeto engloba uma população de 1,6 milhão de habitantes e que detém quase 40% do PIB do Maranhão.

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior explicou que a criação da Região Metropolitana prevê a implantação da Agência Metropolitana, do Fundo Metropolitano e da instalação dos conselhos com o objetivo de identificar os projetos estratégicos e as funções públicas de interesse comum existentes que afetam a municipalidade. “Esta reunião foi muito importante para a cidade de São Luís e as cidades vizinhas”, realçou.

Para Domingos Dutra, a reunião é histórica porque o assunto é debatido desde 1989, já foi regulamentado por várias leis, mas é a primeira vez que um governador de Estado resolve colocar isso na pauta como prioritário. “Sem a ação do Governo, a Região Metropolitana não acontece. Já definimos um calendário para decidir legalmente sua implementação”, pontuou Dutra.

O objetivo é que, a partir do encontro desta segunda-feira, o governador reúna os 13 municípios que farão parte da Metropolização para definir a estrutura de governança interfederativa própria e o plano de desenvolvimento urbano integrado aprovado mediante lei estadual. “O reconhecimento da metropolização é fundamental. Há uma determinação única da nossa história por parte do Governo do Estado e dos quatro municípios da ilha de, de fato, haver uma implementação da Região Metropolitana, constante de lei federal e de lei estadual”, explicou o governador.

De acordo com Flávio Dino, inicialmente o Governo do Estado partirá dessa articulação com as cidades que compõe a Ilha, mas o objetivo é chegar aos 13 municípios da Região Metropolitana que representam 1,6 milhão habitantes que serão atingidos nessa maior vinculação e na melhor organização dos serviços públicos nesta área. “Teremos ações, portanto, ações imediatas e uma mais de médio prazo em um cronograma de cerca de 12 a 18 meses que vai levar a constituição jurídica, plena da Região Metropolitana nos termos da lei”, complementou Flávio Dino.

Também participaram da reunião o vice-governador Carlos Brandão, e os secretários de Estado Marcelo Tavares (Casa Civil), Márcio Jerry (Comunicação Social e Assuntos Políticos), Clayton Noleto (Infraestrutura), e Cynthia Mota (Planejamento e Orçamento).


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Talita Laci tem candidatura impugnada em Raposa

20150227_195102

A candidata a prefeita de Raposa, Talita Laci (PCdoB), teve o seu registro de candidatura impugnado por falta de pagamento de multas eleitorais referentes às eleições de 2012. O caso já está com o juiz Flávio Roberto Soares, da 93ª zona eleitoral, de Paço do Lumiar.

Segundo documentos obtidos pelo Blog do Joceilton Gomes, nas eleições municipais de 2012, Laci, que foi candidata a prefeita pelo PCdoB, foi multada com valores de R$ 5 mil e R$ 20 mil pela Justiça Eleitoral por descumprir uma decisão judicial que determinou a suspensão de passeatas e caminhadas, com a utilização, em massa, de camisas vermelhas com o símbolo e o número 65 do PCdoB.

A candidata comunista foi notificada por propaganda irregular e tinha um de 30 dias para efetuar o pagamento das multas, caso não o fizesse teria o seu nome inscrito na dívida ativa e no cadastro eleitoral, conforme atestam mandados de citação assinados por Talita. O prazo expirou e o valor não foi repassado para a Justiça Eleitoral.

Por conta desse imbróglio, a candidata a prefeita de Raposa não poderá manter a sua candidatura, uma vez que a lei eleitoral afirma que as multas deverão ser pagas antes de protocolar o registro da candidatura, já que é pré-requisito para tal e não tem mais prazo para o pagamento das quantias.

Diante disso, Talita Laci não poderá ser mais candidata a prefeita de Raposa.

Talita 1

Talita 2

Talita 3

Talita 4


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Talita Laci nega desvio de verbas da Prefeitura da Raposa

talita

A pré-candidata a prefeita e ex-gestora do município de Raposa divulgou uma nota a respeito da matéria “R$ 284 mil foram pagos a empresas que não prestaram serviços na Raposa (Reveja) veiculada neste Blog.

Confira a nota na íntegra:

1 – Todos os processos licitatórios realizado no período que compreendem os 77 (setenta e sete) dias que estive à frente da Prefeitura, foram realizados dentro da mais absoluta transparência e conforme determina a Lei;

2 – Ao contrários das ilações divulgadas pelo seu veículo de comunicação, com intuito meramente de desinformar a população, os repasses financeiros realizados durante os dias que compreenderam nossa gestão, foram referentes a serviços efetivamente realizados.

3 – Todos os atos administrativos da nossa gestão foram encaminhados pela equipe técnica aos órgãos responsáveis para averiguação da prestação de Contas;

4 – Por fim, em período pré-eleitoral como o que estamos passando, mentiras, calúnias e difamações não me intimidam em continuar na luta para mudar a triste realidade da nossa querida Raposa.

À disposição.

Raposa, 05 de Abril de 2016

Talita Laci.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

R$ 284 mil foram pagos a empresas que não prestaram serviços na Raposa

talita

Ex-prefeita do Município de Raposa, Talita Laci

Pagamentos realizados pela prefeitura de Raposa a três empresas, que nunca prestaram serviço ao Município e sequer participaram de processo licitatório. As transações bancárias aconteceram no dia 11 de agosto de 2014, na gestão da ex-prefeita, Talita Laci. A quantia total destinada aos ‘fornecedores’ foi de R$ 284,742,20.

As empresas favorecidas na gestão da ex-prefeita foram: I F de Oliveira Comércio (R$ 138.438,20), Settimu’s Empreendimentos (R$ 74.340,50) e M Ricardo Marinho Rodrigues (R$ 71.963,50). De acordo com denúncia, as transferências financeiras foram feitas a pessoas ligadas à campanha eleitoral de Talita Laci.

“Esses comprovantes atestam a corrupção no Município de Raposa,na gestão da ex-prefeita Talita Laci. Ela pagou mais R$ 200 mil a essas empresas, que não participaram de licitação. Não existe nenhum contrato com essas empresas no Diário Oficial do Maranhão. A população quer saber onde está o dinheiro que foi desviado”, frisa um trecho da denúncia recebida pelo Blog.

Confira os comprovantes das transferências bancárias:


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Judiciário

TRE mantém cassação de Clodomir e Talita Laci será empossada prefeita da Raposa

O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA), manteve a cassação após analisar os embargados impetrados pelo do prefeito de Raposa, Clodomir de Oliveira (PRTB), e o vice-prefeito, Messias Lisboa.

Os membros da corte decidiram por unanimidade pela manutenção do gestor da Raposa. Contra os embargos votaram Daniel Blume, Raimundo Barros, Eulálio Figueiredo, Clodomir Reis e Alice Rocha.

Clodomir foi cassado pela acusação de abuso de poder econômico onde um cabo eleitoral foi flagrado comprando votos durante a campanha eleitoral de 2012.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

Clodomir é afastado pela terceira vez do cargo de prefeito da Raposa

Afastar gestores públicos do cargo virou moda no Maranhão. Em pouco mais de 1 mês, o prefeito da Raposa, Clodomir de Oliveira (PRTB), e o vice-prefeito, Messias Lisboa, foram cassados pelo menos três vezes.

O juiz e membro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), José Eulálio Figueiredo de Almeida, afastou Clodomir na noite de ontem domingo (14). Em seu lugar a comunista Talita Laci assume o Executivo Municipal.

No dia 13 do mês passado, o juiz Osmar Gomes, determinou o afastamento imediato do gestor pelo crime de compra de votos em 2012. Em uma semana, Clodomir conseguiu retornar ao cargo.

15 dias após ser cassado e conseguido o retorno, a juíza Alice de Sousa Rocha, cassou pela segunda vez e determinou que fosse empossado a filha do ex-prefeito Laci.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.