Poder

Léo Cunha e representantes da Suzano discutem investimentos para o Maranhão

thumbnail_DSCN4716

O deputado estadual Léo Cunha (PSC) recebeu em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Maranhão os representantes da empresa Suzano, Flávio Moura (relações institucionais Maranhão) e Mariana Lisboa (relações institucionais a nível nacional). A empresa Suzano é a segunda maior produtora global de celulose e eucalipto e está entre as cinco maiores de celulose no mercado e possui uma unidade localizada no município de Imperatriz, região Tocantina.

Desde sua implantação, a unidade que fica na Estrada do Arroz tem um histórico de geração de empregos, produtividade e diversas iniciativas sociais junto às comunidades locais. A unidade também é responsável pela produção de 1,5 de toneladas anuais de celulose.

“Fico muito honrado e satisfeito com esta visita, pois a Suzano tem desenvolvido um papel extraordinário em nossa Imperatriz. Hoje, as operações no Maranhão, incluindo a fábrica e as unidades florestais da região empregam mais de 5 mil colaboradores sem contar os empregos temporários que também são gerados”, explicou o parlamentar.

Projetos Sociais

De 2010 até agora, foram investidos mais de R$ 30 milhões em projetos sociais, que já beneficiaram 130 mil pessoas.

A empresa Suzano Papel e Celulose anunciou 1.300 novos empregos diretos e indiretos no Maranhão nas etapas de construção e funcionamento da nova fábrica de papel em Imperatriz.

São desenvolvidas iniciativas com as comunidades da região, como o Conselho de Desenvolvimento Comunitário das Quebradeiras de Coco Babaçu da Estrada do Arroz, no sul do Estado.

Desde 2015, foram firmadas uma parceria com as quebradeiras em que foram discutidas e avaliadas oportunidades de investimento e ações que promovem o desenvolvimento e o fortalecimento da cadeia do coco babaçu. Essa parceria resultou, no último ano, na aquisição de máquinas, equipamentos e terrenos e, posteriormente, na construção de duas unidades de beneficiamento para o grupo de Quebradeiras de Coco Babaçu.

Também foi mantido um diálogo contínuo com os Povos Indígenas, por meio do qual a empresa e diversas comunidades indígenas vêm desenvolvendo ações focadas em desenvolvimento comunitário – educação e cultura, segurança alimentar, geração de renda, conservação ambiental – apoio à prevenção e combate a incêndios florestais, produção agroflorestal e projetos socioambientais de proteção e fortalecimento do seu patrimônio cultural.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Justiça Federal proíbe empresa Suzano de desmatar cerrado maranhense

suzano

A partir de ação proposta pelo Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA), a Justiça Federal determinou a suspensão de novos desmatamentos pela Suzano Papel e Celulose S.A, em razão de impactos ambientais provocados pelo cultivo de eucalipto na região do Baixo Parnaíba, no Maranhão.

Segundo o MPF, a região do Baixo Parnaíba tem sofrido com desmatamento de grandes áreas, diminuição dos recursos hídricos e sua contaminação pelo uso de defensivos agrícolas, além dos transtornos gerados às comunidades tradicionais.

De acordo com o desembargador federal Souza Prudente, o dano ambiental já se materializou, mas a decisão evita o agravamento, além de assegurar a remoção e inibir outras práticas agressoras.

Assim, a Justiça determinou que a Suzano interrompa o processo de desmatamento do cerrado maranhense e de implantação de novas florestas de eucalipto, com ressalva à manutenção dos plantios já existentes. O Ibama deverá fiscalizar a execução das medidas impostas à Suzano e o Estado do Maranhão deverá suspender a licença de operação caso a Suzano não cumpra as determinações. Além disso, será aplicada uma multa diária no valor de R$ 50 mil em caso de descumprimento da decisão.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.