Poder

Joelson Pereira: o “laranja” do sobrinho de Ricardo Murad

Operação73

Documentos obtidos pelo Blog do Neto Ferreira revelam como o “laranja” de Rômulo Trovão, Joelson Pereira, agia dentro do esquema criminoso, que desviou milhões dos cofres da Saúde do Maranhão durante a gestão do ex-secretário da SES, Ricardo Murad.

Joelson, que é dono da Vip Car, era uma das peças fundamentais para que o sobrinho de Murad, o empresário Rômulo Trovão, conseguisse ocultar os desvios de verbas federais feitos no âmbito da SES. Todas essas informações estão no inquérito policial aberto pela Polícia Federal para apurar a apropriação ilícita de milhões do Sistema de Saúde.

Conforme a PF, o “laranja” era o responsável por comprar carros de luxo e uma lancha em seu nome, que eram avaliados em média em R$ 200 mil, sacar e realizar depósitos em contas poupanças em nome de Rômulo e pagar contas de cartão de créditos, que também estava em nome do empresário.

O dono da Vip Car efetuou, ainda, saques no valor de R$ 704.574,00 mil da conta corrente do Instituto Cidadania e Natureza (ICN) sem ter qualquer tipo de vínculo societário ou empregatício. As retiradas foram feitas durante os anos de 2011 e 2012.

Após meses de investigação, a Polícia Federal constatou que Joelson não tinha condições financeiras para adquirir carros de luxo, lancha e realizar pagamentos de cartão de créditos com valores vultuosos, portanto ele se tratava de um “laranja”.

Saiba mais

Sobrinho de Ricardo Murad montou esquema paralelo para desviar e lavar verbas da Saúde

Escola Crescimento de Danielle Buna lavou quase R$ 2 milhões de verbas desviadas da Saúde

Entenda o caso

Em novembro de 2015, a Polícia Federal do Maranhão deflagrou a operação Sermão aos Peixes, que tinha como objetivo de desarticular uma organização criminosa montada no âmbito da Secretaria Estadual de Saúde e que tinha como líder o ex-secretário Ricardo Murad.

A investigação teve início em 2010, quando o então secretário de saúde do estado do Maranhão se utilizou do modelo de “terceirização” da gestão da rede de saúde pública estadual, ao passar a atividade para entes privados – Organização Social (OS) e Organização de Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), e, assim, fugir dos controles da lei de licitação. Contudo, essa flexibilização significou uma burla às regras da lei de licitação e facilitou o desvio de verba pública federal, com fim específico de enriquecimento ilícito dos envolvidos.

Durante o período de investigação, os fluxos de recursos destinados pela União, por meio do Ministério da Saúde, ao Fundo Estadual de Saúde do Maranhão, resultaram em um montante de R$ 2 bilhões.

Operação27

Residência do “laranja” Joelson Pereira.

Operação41

Comprovante de compra de um carro feita por Joelson.

Operação42

Operação51

Operação56

Operação60

Comprovante da compra de carro.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Sobrinho de Ricardo Murad montou esquema paralelo para desviar e lavar verbas da Saúde

image-19

O esquema montado pelo ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, no âmbito da Secretaria de Saúde do Maranhão teve desdobramentos. Em um “mundo paralelo”, o sobrinho do ex-gestor, Rômulo Trovão, também conseguiu montar a sua teia criminosa para obter vantagens ilícitas na Saúde.

Documentos obtidos pelo Blog do Neto Ferreira revelam que Trovão atuou de maneira oculta na SES entre os anos de 2010 e 2014, uma vez que, à época, era proibido de contratar com o Poder Público.

Segundo a Polícia Federal, o sobrinho de Murad usou “laranjas” e empresas para desviar e lavar dinheiro público.

De acordo com os autos, Rômulo Trovão é, de fato, o dono das empresas Tempo Engenharia e Arquitetura e da Kamaha Engenharia, mas o seu nome não aparece como sócio em nenhuma das empresas. Ambas prestaram serviços para SES durante a gestão de Murad e foram doadoras de campanha em Coroatá nas eleições de 2010, 2012 e 2014.

Conforme a PF, a Tempo recebeu R$ 10,6 milhões da Associação do Bem Viver e do Instituto de Cidadania e Natureza entre os anos de 2010 e 2013.

O empresário é, ainda, proprietário da A.G. Serviços de Fitness Saúde Ltda (Academia Personal Group), onde ele dissimulou a origem do dinheiro por meio de investimentos. A PF descobriu, também, que Trovão dissimulou valores na empresa Buna e Barcelar (Escola Crescimento Calhau) na quantia de R$ 1.835.028,74 milhão, que é de propriedade de sua esposa Daniela Nogueira Buna (saiba mais).

Além de todas essas irregularidades, o empresário usou como “laranja” em suas negociatas o dono da Vip Car, Joelson Pereira, que adquiriu carros e fez depósitos constantes para Rômulo Trovão. Veja o esquema montado pela dupla:

Os documento apontam que, por meio das empresas, o sobrinho de Ricardo Murad superfaturou valores dos contratos de manutenção predial em várias unidades hospitalares durante os anos de 2010 a 2014, dissimulou a prestação de serviços a Bem Viver e ao ICN, apropriou-se de dinheiro público federal; efetuou saque de R$ 100 mil da conta bancária da Serviços Diagnóstico Médico por Imagem São Luís, mesmo sem possuir vínculo societária ou empregatício na referida empresa.

Ricardo Murad e Rômulo Trovão estão no bojo do inquérito policial que apura desvios de milhões da Secretaria de Saúde durante o governo Roseana Sarney. Em novembro de 2015, ambos foram alvos da operação Sermão aos Peixes, que foi deflagrada pela Polícia Federal.

Operação23

Operação51


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Em depoimento à PF, Murad diz que sobrinho era dono de empresa que operou na Saúde

Em depoimento à Polícia Federal, o ex-secretário da Saúde do Maranhão, Ricardo Murad, confirmou que o seu sobrinho Rômulo Augusto Trovão Moreira Lima era sócio da Tempo Engenharia e Arquitetura Ltda juntamente com Alankardec Albuquerque Queiroga.

1656313_607784279277425_1383598804_n

A confissão de Murad foi dada quando a Polícia Federal o conduziu coercitivamente para depor na sede do órgão durante a deflagração da operação Sermão aos Peixes.

O Blog do Neto Ferreira obteve o documento com exclusividade e divulgará trechos do depoimento a seguir:

Ao ser questionado se o seu sobrinho Rômulo Trovão era, de fato, quem administrava e fazia o controle dos custos e pagamentos dos serviços prestados pela Tempo Engenharia, o ex-gestor, inicialmente, respondeu que pelo o que sabe o proprietário da empresa era o Alan (Alankardec Albuquerque). Que tem conhecimento de que Alan e Rômulo Trovão manteriam uma parceria, mas não sabe detalhes a respeito.

Em seguida, os agentes federais perguntaram se essa tal parceria se figurava em uma sociedade na Tempo Engenharia. Ricardo Murad se contradisse e afirma: “deve ter”.

E mais uma vez, o ex-secretário é interrogado se era Rômulo que administrava as obras da empresa referida acima, uma vez que há áudios comprovando a atuação de Trovão na execução das obras da Tempo. Murad responde: “Como já dito duas vezes,, e que na verdade, pelo o que sabe, Rômulo mantinha uma parceria com Alan, que inclusive foi citado a ligação telefônica”.

Segundo a PF, Rômulo Trovão nega a participação na empresa, pois deseja permanecer como sócio oculto para que consiga obter contratos no governo e na Prefeitura, uma vez que é proibido de contratar com o Poder Público.

Leia mais

PF diz que dona da escola Crescimento movimentava conta em nome de “laranja”

Escola Crescimento de Danielle Buna lavou quase R$ 2 milhões de verbas desviadas da Saúde

Esposa do sobrinho de Ricardo Murad teria utilizado dinheiro desviado da Saúde

Tempo Engenharia

A Tempo Engenharia e Arquitetura Ltda é uma das empresas investigadas pela Polícia Federal por integrar um esquema criminoso que desviou quase R$ 2 bilhões da Saúde do Maranhão.

Segundo a PF, a referida empresa tem como sócio Alankardec Albuquerque Queiroga, mas quem comanda todos os serviços e controla os custos é o sobrinho de Ricardo Murad, Rômulo Trovão.

De acordo com os autos do processo, a Tempo atuava em diversas unidades hospitalares realizando serviços de engenharia. Durante o período de 01 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2012, a empresa de Rômulo Trovão recebeu do Instituto de Cidadania e Natureza a soma de R$ 4.227266,62 milhões e da Associação do Bem-Viver R$ 954.549,25 mil.

Além disso, foi doadora de campanha para aliados de Ricardo Murad em diversas eleições.

sermao34


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Escola Crescimento de Danielle Buna lavou quase R$ 2 milhões de verbas desviadas da Saúde

1

Danielle Buna, uma das proprietárias da escola Crescimento Calhau.

Investigações sigilosas da Polícia Federal apontam que a escola Crescimento Calhau (Buna e Bacelar Ltda), de propriedade de Danielle Nogueira Buna, foi usada para lavar dinheiro desviado da Saúde do Maranhão, segundo documento obtido com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira.

Danielle Buna é esposa de Rômulo Augusto Trovão Moreira Lima, que por sua vez é sobrinho do ex-secretário da Saúde, Ricardo Murad. Ele é acusado de integrar uma organização criminosa que atuou no âmbito da SES no governo Roseana Sarney.

Segundo a Polícia Federal, a escola Crescimento Calhau recebeu aportes que totalizaram o valor de R$ 1.835.028,74 milhão de Rômulo Trovão. Os depósitos foram feitos com recurso da Saúde, que foram desviados por meio das empresas Tempo Engenharia e Kamaha Engenharia. A constatação foi feita após a quebra do sigilo telemático de Trovão.

O Blog entrou em contato com os acusados, mas não obteve resposta até o fechamento dessa reportagem.

“Rômulo Trovão oculta e dissimula a origem do dinheiro desviado por meio das empresas Tempo Engenharia e Kamaha Engenharia. A seguir destacamos formas constatadas por meio da quebra de sigilo telemático: 1 – Aportes na empresa Buna Bacelar Ltda (Escola Crescimento Calhau).”,
detalhou a Polícia Federal.

O Blog divulgou, com exclusividade, que Danielle Buna foi acusada, também, de utilizar o dinheiro do sobrinho de Ricardo Murad para criar a referida empresa (relembre)

Leia mais

Exclusivo: veja os nomes de políticos e empresários presos pela Polícia Federal

PF diz que bando movimentou R$ 2 bilhões da Saúde no MA

Entenda o caso

Em novembro de 2015, a Polícia Federal do Maranhão deflagrou a operação Sermão aos Peixes, que tinha como objetivo de desarticular uma organização criminosa montada no âmbito da Secretaria Estadual de Saúde e que tinha como líder o ex-secretário Ricardo Murad.

A investigação teve início em 2010, quando o então secretário de saúde do estado do Maranhão se utilizou do modelo de “terceirização” da gestão da rede de saúde pública estadual, ao passar a atividade para entes privados – Organização Social (OS) e Organização de Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), e, assim, fugir dos controles da lei de licitação. Contudo, essa flexibilização significou uma burla às regras da lei de licitação e facilitou o desvio de verba pública federal, com fim específico de enriquecimento ilícito dos envolvidos.

Durante o período de investigação, os fluxos de recursos destinados pela União, por meio do Ministério da Saúde, ao Fundo Estadual de Saúde do Maranhão, resultaram em um montante de R$ 2 bilhões.

operacao37

operacao23


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Sobrinho de Murad lavou verba da Saúde com lancha, carros e academia de luxo

Levado para depor na Operação Sermão aos Peixes que cumpriu 13 mandados de prisão preventiva, o empresário Rômulo Augusto Trovão Moreira Lima foi apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como mais um integrante da organização criminosa liderada pelo ex-secretário de Saúde Ricardo Murad, marido de sua tia Tereza Murad, prefeita de Coroatá.

Segundo a denúncia da Procuradoria da Repúnlica, Rômulo lavava dinheiro oriundo de esquema na Escola Crescimento, onde a companheira dele, Danielle Buna, é sócia; e na Academia Personal Group.

Na denúncia diz que Trovão usou um laranja, identificado como  Joelson Pereira, tanto para desviar dinheiro público como para lavá-lo, posteriormente.

Embora não se saiba exatamente o valor desviado por ele, os dados demonstram várias condutas praticadas com o objetivo de lavar o dinheiro desviado. Ele comprou lancha de R$ 220 mil e carros de luxo que somados passam de 400 mil.

“Rômulo vale-se de aportes financeiros na Escola Crescimento e de investimentos na academia e do uso do laranja para a compra de bens móveis, pagamento de cartões de crédito e depósito em conta poupança”, aponta trecho da denúncia.

Foi constatado que houve uma contribuição de Rômulo para a formação do capital social da Escola Crescimento com pelo menos R$ 765 mil. Além, do mesmo deter poder de comando na Academia Personal Group, mesmo sem figurar como sócio da empresa.

A

B


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Relação perigosa da Família Murad

Rômulo Trovão

Rômulo Trovão

Por vários anos, o ex-gestor da Saúde, Ricardo Murad e a sua família mantiveram relações perigosas com políticos e empresários que os beneficiaram de todas as formas e que foram descobertas pelas autoridades policiais. Uma delas foi financiamento das campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014, que resultaram na eleição de seus candidatos.

Um exemplo disso é  uma conversa interceptada de um dos alvos da operação Sermão aos Peixes, deflagrada pela Polícia Federal em 18 de novembro, em São Luís e no interior do Maranhão, Rômulo Trovão.

Em uma das ligações telefônicas gravadas, Trovão conversa com Jorge Mendes, secretário adjunto estadual de Saneamento e Obras, do governo Roseana Sarney, sobre uma obra na maternidade Nossa Senhora da Penha, localizada no Anjo da Guarda a pedido de Murad.

No diálogo, Mendes afirma que eles tem concluir a obra, pois Murad, exige o término. “To aqui com o Ricardo. Ele quer pra gente concluir aquele negócio lá… é só a colocação das portas lá do… lá do Anjo. Nossa Senhora da Penha” afirmou o ex-gestor de Saneamento e Obras.

Segundo a Polícia Federal, a obra da maternidade foi reformada às pressas para ser inaugurada ainda na gestão de Ricardo Murad, pois ele iria sair do governo.

Ainda durante a conversa, Jorge Mendes afirma que Murad precisa inaugurar o prédio, mas para isso precisa colocar as portas. Rômulo, mesmo sem ter vínculo algum com a reforma, aceita o pedido. “Tá Jorge, tá certo…Eu vou ver aqui, vou ligar pra Alan e vou ver. Agora eu não tenho nada a ver com essa obra! Nem a Tempo (Tempo Engenharia) nada a ver com essa obra, mas…” finaliza o diálogo irritado.

Esse diálogo mostra o quanto o ex-secretário de Saúde era influente dentro do governo estadual.

Rômulo Trovão é sobrinho de Ricardo Murad e um dos proprietários da Tempo Engenharia, que manteve contratos com a SES e foi arrolada no inquérito instaurado pela Polícia Federal que apura os desvios de verbas federais do Sistema de Saúde do Maranhão.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Maranhão / Saúde

PF conduz ex-prefeito de Coroatá

O sobrinho do ex-secretário estadual de Saúde, Ricardo Murad, Rômulo Trovão, ambos ex-prefeitos do municípios de Coroatá, está sendo levado nesse momento para a sede da Superintendência da Polícia Federal, em São Luís, para prestar depoimento.

Agentes federais estão cumprindo diversos mandados de prisão preventiva, de busca e apreensão e condução coercitiva (quando a pessoa é levada à delegacia para prestar depoimento) em vários locais de São Luís e do interior do estado.

Carro da PF na porta do prédio do ex-prefeito de Coroatá.

Carro da PF na porta do prédio do ex-prefeito de Coroatá.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.