Poder

Prefeitura de Coroatá bancava escritório particular de Ricardo Murad

Em uma conversa gravada, pela Polícia Federal, durante o processo investigatório sobre desvio de verbas públicas na Saúde, Ricardo Murad afirma que paga todas as despesas pessoais e profissionais com recursos públicos da Prefeitura de Coroatá.

O diálogo se dá entre Sérgio Sena de Carvalho, gestor do Fundo Estadual de Saúde durante o governo de Roseana Sarney, e o ex-chefe da SES.

Na conversa é possível perceber claramente que Murad usa verbas da administração municipal de Coroatá para arcar com os gastos do seu escritório. Sérgio Sena pergunta a Ricardo quem paga as conta da empresa e ele responde: “É Coroatá.”

A Polícia Federal constata que Ricardo Murad é gestor de fato da Prefeitura de Coroatá, pois toma decisões sobre contratações, exonerações e realiza obras sem licitações.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

O medo do ex-auxiliar de Murad

Márcio Leite e Ricardo Murad.

Márcio Leite e Ricardo Murad.

O ex-adjunto de Estado da Saúde, médico José Márcio Lite, foi orientado pelo chefe Ricardo Murad a protelar esclarecimentos e prestações de contas firmados pela SES para o secretário da Transparência e Controle (STC), Rodrigo Lago.

Além disso, os investigadores mostram um dado interessante que refere-se ao medo de Márcio Leite sobre o pagamento milionário em duplicidade.

Durante a conversa interceptada Márcio Leite fala para Murad que a notificação chegou e foi enviada pela SETC e que ela é referente ao aditivo destinado à empresa Fujita Engenharia Ltda. “Ali das OSCIPs do período de julho a fevereiro de 2010, aquele aditivo da Fujita, lembra?” perguntou.

Em outro trecho do diálogo o ex-adjunto fala para Ricardo que ficou preocupado com um pagamento em duplicidade milionário. “Eu fiquei, mas assim com o negócio de… de pagamento em duplicidade de um milhão e seiscentos”.

Ricardo Murad tranquiliza Márcio Leite e afirma que já recebeu uma notificação também, porém não iria responder tecnicamente e o orientou da mesma forma. “Eu recebi uma do meu tempo, passei para Daniel e pra Fabiano, a nossa ideia não é responder tecnicamente, fazer um documento sobre a questão da legalidade, desse negócio dessa secretaria… uma coisa aí para a gente não ter que adiantar resposta e nem… que eles estão atirando cego”.

O ex-secretário de Saúde finaliza a conversa falando que vai tomar uma atitude sobre o caso.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Ricardo Murad tentou usar desembargadora Nelma Sarney

Desembargadora Nelma Sarney e Ricardo Jorge Murad.

Desembargadora Nelma Sarney e Ricardo Jorge Murad.

Nos autos do processo investigatório que desarticulou o esquema criminoso que atuava na Saúde do Maranhão e que resultou na Operação Sermão aos Peixes, deflagrada pela Polícia Federal, foi constatado que o ex-secretário de Saúde, Ricardo Jorge Murad PMDB), traçou estratégias para impugnar o edital de licitação da atual gestão da SES.

Segundo o relatório obtido com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira, o ex-chefe da Saúde pediu a sua filha, deputada estadual Andréa Murad (PMDB) para que entrasse em contato com o parlamentar Edilázio Júnior (PV), para intermediar um encontro com a desembargadora do Tribunal de Justiça, Nelma Sarney, no intuito de barrar a decisão do juiz Clésio Coelho Cunha. Nelma é casada com o irmão do ex-senador José Sarney.

A Policia Federal afirma que o despacho do juiz se refere a liminar favorável ao Estado para que fosse mantido o edital de licitação. Além disso, Ricardo Murad orienta a filha, o tempo inteiro, como expor o assunto na tribuna da Assembleia Legislativa.

Além de tentar derrubar o edital por meio do Tribunal de Justiça, Murad quis pressionar um conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para seguir com as estratégias e tentar reverter, ou melhor, reformar, o parecer do magistrado Clésio Cunha.

“Ricardo liga para Flávio, seu advogado, e o chama para falar com Osmario Freire Guimarães, conselheiro do TCE, com objetivo de pressioná-lo a impugnar o edital de licitação pelo TCE” citou a Polícia Federal nos autos.

A assessoria da desembargadora Nelma Sarney informou ao Blog do Neto Ferreira que assuntos privados com o ex-secretário nunca foram tratados e jamais atenderia pedidos dessa natureza. Abaixo a nota:

A desembargadora Nelma Sarney, esclarece que nunca tratou sobre assuntos privados com Ricardo Murad, ou qualquer pessoa a ele vinculada, nem mesmo atuou ou atuará no sentido de interferir no curso de qualquer processo que tramita no Judiciário maranhense.

A desembargadora ratifica que não recebeu e jamais atenderia qualquer pedido dessa natureza que chegasse até ela. Ela reforçou que a magistratura maranhense é formada por homens e mulheres éticos, que julgam com imparcialidade e total autonomia no desempenho de suas funções, não havendo que existir qualquer ilação que coloquem suas atuações sob suspeita.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

PF detecta doações milionárias para deputados federais e estaduais do MA; veja relação

A Polícia Federal durante as investigações, que apuraram desvios de verbas federais do Sistema de Saúde do Maranhão, constatou doações de empresas envolvidas no esquema criminoso com a finalidade de financiar campanhas eleitorais de candidatos a deputado estadual e federal.
As doações ocorreram nas eleições dos anos de 2010 e 2014.

O documento detalha, ainda, os valores recebidos por esses candidatos e revela os nomes das empresas doadoras, conforme mostra o documento abaixo.

O atual deputado Antônio Pereira Filho (DEM), em 2014, recebeu do Centro Oncológico Brasileiro Ltda – COBRA, o montante de R$542 mil, já em 2010 a quantia foi de R$ 75 mil, que foi doado pelo COBRA e Serviço de Diagnóstico.

Foi enviado à deputada Andréa Murad (PMDB), filha do ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, o total de R$334 mil por três empresas, a Litucera Limpeza Engenharia Ltda., a Tempo Engenharia e Arquitetura Ltda., e a SIAH Assessoria Hospitalar, Informática e Representações.

A atual deputada federal Eliziane Gama (REDE), em 2014, foi beneficiada com R$11.530 mil pela W.L da S Marque –ME;

Nas investigações, também, foi detectado que o parlamentar federal Sérgio Frota (PSDB), 2014, foi beneficiado com doações no valor de R$ 200 mil da Bacanga Sonorizações e Transportes; assim como Josimar Rodrigues, o Josimar de Maranhãzinho (PR), o deputado estadual mais bem votado do Maranhão, em 2014, que recebeu a quantia de R$ 30 mil da empresa W.C Almeida Silva Comércio de Alimentos ME.; na conta de José Inácio Sodré Rodrigues, o Zé Inácio (PT), foi depositado R$27.500 mil pela Biofar Diagnóstica Comércio e Representações Ltda.

Segundo a Polícia Federal, em 2010, Ricardo Murad (PMDB) recebeu doações no valor de R$18 mil de três empresas Tanaka Dedetização e Serviços Gerais Ltda, Posto São Francisco Ltda. e Posto Americano Ltda., para o financiamento da candidatura a deputado estadual.

Deoclides Neto (PDT), foi eleito a deputado estadual, mas teve seus votos anulados pela Justiça Eleitoral, também recebeu dinheiro do Centro Médico de Anestesia Ltda-ME, o montante de R$10 mil.

A PF apontou que José Carlos Nunes Júnior, mais conhecido como Zé Carlos da Caixa (PT), em 2010, recebeu em sua conta bancária o valor de R$ 58 mil; e para Magno Augusto Nunes, que é suplente, foi depositado o montante de R$ 140 mil em 2010. E para o deputado federal Hildo Rocha foi doado a quantia de R$ 2 mil pela empresa Adolfo Silva Fonseca, em 2014.

Foi constatado que Igor Lago, filho ex-governador do Maranhão, Jackson Lago, recebeu Atlântica Segurança Técnica Ltda. R$ 10 mil, mas não se elegeu no pleito de 2014; Telma Pinheio também recebeu doações no valor de R$350,00, da W. L da S Marque-ME, mas não foi eleita. Ela era secretária de Jackson Lago.

Essas empresas aqui citadas são investigadas pela Polícia Federal, pois serviram aos Institutos Bem Viver e ICN como manobra para fazer doações de campanha eleitoral para candidatos.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Polícia Federal abre inquérito para investigar governo Flávio Dino

A Polícia Federal decidiu instaurar um novo inquérito para investigar possíveis irregularidades no governo Flávio Dino (PCdoB), após o surgimento de vários indícios comprometedores revelados pelas investigações da Operação Sermão aos Peixe, que prendeu por corrupção empresários, políticos e conduziu coercitivamente (modalidade de prisão) o ex-secretário de Saúde Ricardo Murad.

A informação foi confirmada no documento obtido pelo Blog do Neto Ferreira, que mostra a Superintendência da Polícia Federal no Maranhão comunicando a abertura do inquérito.

A medida foi adotada neste ano por determinação dos delegados que investigam desvios de verbas dos fluxos de recursos destinados pela União, por meio do Ministério da Saúde, ao Fundo Estadual de Saúde do Maranhão.

“Após esse período de análise, houve o pedido de compartilhamento de provas colhidas na medida cautelar de interceptação telefônica para instauração de um novo inquérito policial com objetivo de apurar possíveis irregularidades já na gestão atual da SES MA”, diz o relatório da Polícia Federal.

Os investigadores encontraram tentáculos da organização criminosa (ORCRIM), que atuou no governo Roseana Sarney, também no governo Flávio Dino, a exemplo de indicação de pessoas e o processo licitatório que um mês antes de sair o edital de licitação o dono do Instituto Cidadania e Natureza (ICN), já tinha dados sigilosos, inclusive sabia as unidades hospitalares que gerenciaria.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Escutas da PF revelam diálogo entre Sarney, Roseana, Fernando e Ricardo Murad

José Sarney e Ricardo Murad.

José Sarney e Ricardo Murad.

Em escutas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal (PF) com autorização da Justiça, durante a investigação que desencadeou a Operação Sermão aos Peixes, há trechos que revelam um dialogo entre membros da família Sarney e o ex-secretário de Estado da Saúde, Ricardo Jorge Murad.

No dialogo, Roseana, Fernando e José Sarney demonstram claramente preocupação com a prisão ocorrida em setembro do ano passado do ex-secretário da Casa Civil do Maranhão, João Guilherme Abreu. O auxiliar do governo Roseana Sarney foi preso pela Polícia Civil.

A família Sarney se mostrou preocupada com a prisão e traçaram estrategias para obter a soltura de João Abreu, inclusive comentam em impetrar habeas corpus no plantão do Tribunal de Justiça“, diz o relatório da PF.

Ainda conforme o inquérito ao qual o Blog do Neto Ferreira teve acesso, Ricardo Murad usa influencia em várias instancias administrativas dos poderes executivo, legislativo e, principalmente, no judiciário.

O inquérito aponta que ele descumpre ‘decisões judicias, omite e oculta informações relacionadas as irregularidades cometidas durante as suas gestões administrativas e, possivelmente, persegue as pessoas que tem como inimigo’.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Empresário afirma que Ricardo Murad cobrava 30% de propina

Ricardo Murad chegando na Polícia Federal para prestar depoimento.

Ricardo Murad chegando na Polícia Federal para prestar depoimento.

Um dos donos do Instituto de Cidadania e Natureza (ICN), José Inácio Guará, falecido nesse mês no estado de São Paulo, teve o telefone interceptado fazendo uma revelação bombástica. Inácio afirmou que Ricardo Murad cobrava 30% de propina sobre contratos das empresas terceirizadas na Secretaria de Estado da Saúde.

De acordo com o diálogo gravado pela Policia Federal obtido (veja abaixo) com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira , José Inácio e um homem identificado como Joy, relatam que o ex-secretário de Saúde atrasava os pagamentos à empresas que prestavam serviços a SES para poder cobrar 30% em cima do valor pago.

Eles estavam devendo dez milhões de fornecedor, atrasou de propósito..aí chamou o pessoal lá, e falou o seguinte: ‘Se tu me der 30% eu pago‘”, afirmou Inácio Guará, na conversa gravada e inserida no inquérito resultante da Operação Sermão aos Peixes que cumpriu 13 mandados de prisão preventiva.

O relatório da PF encaminhada para Justiça Federal aponta movimentações atípicas de membros de uma organização criminosa (ORCRIM), que desviaram mais de R$ 1 bilhão de recursos públicos federais do Fundo Nacional de Saúde (FNS), destinados ao sistema de Saúde no Maranhão.

Conversa interceptada pela PF.

Conversa interceptada pela PF.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Judiciário

Ricardo Murad cedeu carro de prefeitura a promotor de justiça, diz PF

Escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal (PF), com autorização da Justiça Federal, revelaram supostos tráfico de influencia do ex-secretário Ricardo Murad (PMDB) nos poderes do Estado do Maranhão.

Promotor Zanony Passos.

Promotor Zanony Passos.

Em uma das interceptações, os investigadores ressaltam a relação próxima de Murad com promotor Zanoni Passos Silva Filho, titular da 31ª Promotoria de Probidade Administrativa.

De acordo com o relatório da PF, o promotor pediu carro emprestado ao ex-secretário para levar o filho em jogo de futebol. Ricardo disponibiliza um carro oficial da prefeitura de Coroatá.

“Em outro diálogo Zanony pede um carro para Ricardo Murad, porque pretende levar seu filho para jogar futebol em Coroatá. Ricardo cede um carro para prefeitura daquele município”, diz um trecho do documento

Zanony determinou o arquivamento da investigação sobre esquema de fraude no convênio do Detran com a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), firmado pelo governo Roseana Sarney, envolvendo a empresa L Cintra Consultoria e Participações Ltda.

Os áudios analisados pela Polícia Federal na Operação Sermão aos Peixe, que prendeu empresários e políticos por corrupção, mostram um jogo de articulação para interferir em decisões favoráveis ao governo Roseana Sarney e desfavoráveis ao governo Flávio Dino.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Judiciário / Política

Juiz federal nega novo pedido de prisão contra Ricardo Murad

Juiz federal Veloso.

Juiz federal Veloso.

O juiz federal da 1ª Vara Roberto Carvalho Veloso negou, mais outro pedido de prisão preventiva, contra o ex-secretário de Estado da Saúde, Ricardo Jorge Murad. Ele é acusado pela Polícia Federal de integrar uma organização criminosa.

De acordo com o magistrado, não há elementos suficientes para acatar o pedido da Superintendência Federal que, alegada ocultação de provas por parte de Ricardo Murad. Os federais apresentaram para o juiz página de caderno escolar escrito valor de R$ 23 mil.

“O que há de novo é a alegação da destruição e ocultação de provas […]. A comprovação dessa alegação, no entanto está muito frágil, porque a folha de papel apresentada como queimada, conforme se verifica da imagem juntada na representação, é de uma página de caderno escolar na qual está escrito um valor de R$ 23.000,00 e uma conta de subtração desta quantia de RS 9.485,00, porém sem indicativo de relação com os fatos investigados. Não há nome de nenhuma pessoa física ou jurídica que tenha afinidade com os fatos apurados. Apenas para anotar, o desvio que se apura nestes autos, segundo anúncio da autoridade policial, é de R$ 1.200.000.000,00 (um bilhão e duzentos milhões de reais)”, destacou.

Roberto Veloso autorizou apenas que fosse realizado buscas e apreensão na casa de Samira Murad, irmão do ex-secretário de Saúde.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Bomba! CGU diz que desvio na Saúde bancou campanhas da filha e mulher de Ricado Murad

Andre Murad e Ricardo Murad, ao lado da esposa prefeita de Corotá.

Andre Murad e Ricardo Murad, ao lado da esposa prefeita de Corotá.

Auditoria especial realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU), no Maranhão, com solicitação da Polícia Federal, identificou supostos desvios de recursos da Secretaria de Estado da Saúde, por meio da terceirização da gestão hospitalar da rede pública estadual.

O relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira embasou a operação Sermão aos Peixes, deflagrada na tarde da segunda-feira (16) e manhã desta terça-feira (17), que levou para cadeia donos de empresas e políticos, além de condução coercitiva -modalidade de prisão -, busca e apreensão na casa do ex-secretário de Saúde.

A análise feita no período de 2010 a 2013 apontaram que verbas superfaturadas recebidas pelas empresas bancou campanhas de vereadores; prefeita de Coroatá, Tereza Murad e da filha deputada estadual Andrea Murad, sobrinha da ex-governadora Roseana Sarney. Andréa é filha de Ricardo Murad.

A auditoria verificou que a Empresa Litucera Limpeza e Engenharia Ltda., fez doação de quase um milhão de reais exclusivamente a candidatos em Coroatá. R$ 200 mil em nome de Andrea Trovão Murad Barros referente a campanha de deputado Estadual, eleição de 2014; R$ 200 mil para o Diretório do PMDB do Maranhão, referente a eleição de 2012; R$ 186 mil em nome de Maria Tereza Trovão Murad, referente à campanha de Prefeito na eleição do ano de 2012; e R$ 382 mil para 60 candidatos a vereador de Coroatá, referente a eleição de 2012.

Andrea Trovão Murad Barros e Tereza Trovão Murad são filha e cônjuge, respectivamente do Secretário de Saúde do Estado do Maranhão no período objeto dos exames (2010 a 2013) Ricardo Murad, e que o município de Coroatá – único do Maranhão cujos candidatos receberam doação da LITUCERA – é o principal reduto eleitoral dele e que sua esposa é prefeita atualmente“, diz o relatorio

Associado a esse quadro de doações exclusivas a familiares e aos candidatos do município do ex-secretário, a prestação de serviços na unidades de saúde do Maranhão contratadas por Institutos com suporte nos Contratos de Gestão e Termos de Parceria celebrados com Governo do Estado do Maranhão se deu com superfaturamento de R$ 4.617.426,56 para a Litucera, conforme análise.

Situação equivalente, porém em proporções menores, A empresa Tempo Engenharia e Arquitetura Ltda., também aparece na auditoria como financiadora de campanhas no valor de R$ 154.000,00 (cento e cinquenta e quatro mil reais) exclusivamente a candidatos do Município de Coroatá, sendo R$ 84.000,00 para Andrea Murad e outros R$ 70.000,00 (setenta mil reais) divididos entre seis candidatos a vereador (veja a tabela abaixo).

As doações são apontadas pela origem de recursos desviados através de superfaturamento nos pagamentos da Tempo Engenharia e Arquitetura em razão do pagamento por serviços não prestados.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.