Judiciário

Funcionária da Prefeitura de Godofredo se recusa passar informações da folha e é presa

A coordenadora de Recursos Humanos do município de Godofredo Viana, Jucilene Martins Cirino, foi presa por se recusar a prestar informações sobre atraso de mais de cinco meses no pagamento dos salários dos servidores públicos. O pedido foi requisitado pelo Ministério Público, através do promotor de justiça Márcio Antônio Alves de Oliveira no 19 de novembro. O objetivo era subsidiar uma eventual Ação Civil Pública para garantir a regularização dos salários.

O prazo para prestar informações expirou no dia 3 de dezembro sem qualquer resposta da responsável, que é vinculada à Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Finanças.

Por descumprir a requisição, ela foi presa em flagrante (art. 10 da Lei de Ação Civil Pública) no dia seguinte e só foi liberada pela Polícia Civil após o pagamento de fiança no valor de10 salários mínimos.

Antes de pedir a prisão de Jucilene, o representante do Ministério Público emitiu, no dia 3, fez uma recomendação ao prefeito Marcelo Jorge Torres solicitando o imediato pagamento dos salários atrasados.

Como o pagamento não havia sido regularizado e a procuradora do município, Ghirlayne Ferreira Vitoriano, informou que não existia nenhum débito quanto aos funcionários contratados, o MPMA também solicitou à Polícia Civil a instauração de inquérito contra ela, por ter aderido a conduta da coordenadora de Recursos Humanos.

“A situação em Godofredo Viana é alarmante e o Poder Executivo não pode deixar de pagar os salários e, muito menos, se recusar a prestar informações imprescindíveis para adoção de medidas judiciais para combater tais irregularidades”, explicou Márcio Oliveira.

PAGAMENTO PARCIAL

Após a requisição de informações, a Prefeitura de Godofredo Viana pagou os cinco meses de salários atrasados dos servidores concursados e dos conselheiros tutelares, além de efetuar o pagamento de um dos cinco salários devidos aos funcionários contratados.

Em seguida, a Prefeitura de Godofredo Viana encaminhou os documentos relativos a licitações na saúde e outras áreas, que estão sob investigação da Promotoria de Justiça.

“O Ministério Público busca o cumprimento da lei e, neste caso, o direito de uma classe de trabalhadores manter a própria subsistência, além de assegurar a correta aplicação dos recursos públicos. Essa medida tem um caráter pedagógico e reafirma que o Poder Executivo não pode dispor de recursos públicos sem prestar os esclarecimentos necessários. Destaco, ainda, o excelente trabalho da Polícia Civil e Militar”, avaliou o promotor de justiça.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.