Política

Presidente nacional do PSOL diz que tem medo que Flávio Dino crie uma oligarquia

luiz-araujo-presidente-nacional-do-psol-e-professor-na-faculdade-de-educacao-da-universidade-de-brasilia-1441227362304_956x500

O presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo, disse durante uma entrevista à Folha de São Paulo que tem medo que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) siga o mesmo caminho do ex-presidente da República, José Sarney (PMDB): crie uma oligarquia no estado.

“A ascensão do PC do B no Maranhão é uma questão delicada. O governador Flavio Dino até mandou apoio pro Edmilson, se conhecem. O PC do B está nos apoiando aqui no segundo turno. Mas eu não acho que seja um projeto de esquerda lá. Tem um filme do Glauber Rocha, “Maranhão 66″. Foi o primeiro filme de propaganda eleitoral do Brasil, sobre a vitória do José Sarney, em 1966. Nesse filme, tem um discurso do Sarney mostrando essa desigualdade, essa pobreza que tinha no Maranhão e que ele ia acabar com as oligarquias. O que ele fez depois? Criou uma oligarquia em torno dele, cooptando a oligarquia a partir do aparato do governo. O meu medo é que o Dino esteja fazendo um caminho parecido. É um risco. Eu não vou comparar porque seria uma grosseria.”, declarou o presidente do PSOl.

Para Luiz Araújo, a trajetória de Dino tem sido parecida com a de Sarney, principalmente quando se trata de angariar base políticas no Maranhão, mas tem é melhor.

“Ele é muitas vezes melhor do que o Sarney. Ele tem uma trajetória, mesmo que, nos últimos tempos, tenha ficado muito pragmático. Que 46 prefeitos são esses [do PC do B no Estado]? São satélites do campo do governo, não foram 46 comunistas eleitos. Nem na China nem lá. Foram 46 prefeitos conquistados pela relação com o governo num Estado muito dependente, porque as prefeituras precisam estar do lado do governador pra ter qualquer coisa extra pra fazer, que não seja o FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Não acho que foi tão relevante como ele apresenta.”, pontuou Araújo.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

“Gestão de Edivaldo é um desastre”, diz Valdeny Barros em sabatina

psol

O candidato do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Valdeny Barros, criticou a gestão de Edivaldo Holanda Júnior (PDT) como prefeito de São Luís, durante a sabatina do jornal O Estado Maranhão, realizada na manhã desta terça-feira (16).

Para Barros, a administração de Edivaldo Júnior é um desastre levando em conta as promessas feitas em 2012 durante a campanha eleitoral. “A gestão de Edivaldo Júnior é um desastre tomando como parâmetro as promessas que fez em 2012. A prefeitura não cumpre atualmente com suas funções.”, afirmou.

O candidato disse ainda que a sobrevida do pedetista foi a eleição do governador que é do mesmo campo político do gestor.

A sabatina durou 1h e durante esse tempo, Valdeny Barros comentou também sobre assuntos relacionados a habitação, turismo, mobilidade urbana, políticas para o público LGBT, entre outros.

Segundo Barros, São Luís necessita de uma revisão imediata do plano diretor da cidade e ele criticou, ainda a criação de novos bairros sem a garantia de condições de sustentabilidade. ” A Prefeitura foi irresponsável ao entregar unidades habitacionais sem a estrutura devido a população. É necessário um debate para saber quais as principais emergências para a área da Habitação e assim evitar um colapso da população”, frisou.

O candidato do PSOL falou sobre a reforma eleitoral que diminuiu o tempo de propaganda no rádio e na televisão. “Houve uma regressão nos direitos democráticos das minorias. A reforma eleitoral feita prejudicou principalmente o seu partido que tem cinco representantes na Câmara Federal e 40% dos militantes do PSTU deixaram a legenda e estão apoiando a candidatura do PSOL em São Luís”, disse Barros.

Durante a entrevista, Valdeny Barros defendeu o programa tarifa zero para as passagens de ônibus coletivo e a licitação realizada pela Prefeitura de São Luís não vai mudar a realidade do transporte na capital maranhense.

Ele comentou também sobre as políticas LGBT e ressaltou que “Educação e cultura são dois instrumentos essenciais para combater o preconceito”.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.