Poder

Em Bacabeira, o transporte escolar é feito na carroceria dos veículos

img-20161028-wa0014

img-20161028-wa0015

Diariamente, crianças são expostas ao risco iminente de um grave acidente no município de Bacabeira. Isso porque os estudantes são transportados às suas escolas de forma irregular e perigosa na carroceria de um veículo.

As imagens acima são de alunos que moram no povoado Piqué, e que todos os dias precisam percorrer cerca de 3 km até a escola municipal Ivar Saldanha, localizada no povoado Alto Satuba, onde estudam. As fotos não deixam dúvidas sobre o perigo que correm durante o trajeto e a negligência e irresponsabilidade da Prefeitura de Bacabeira, comandada pelo prefeito Alan Linhares.

Nas imagens, é possível verificar mais de 10 crianças amontoadas na carroceria do veículo. Em uma das fotos, dá pra ver um caminhão passar ao lado do carro em que as crianças estão. O mais revoltante é saber que a Prefeitura contrata empresas para realizar o serviço, mas que acaba sendo realizado de forma ilegal.

Conforme relatos encaminhados ao Blog Neto Ferreira, desde 2008 a empresa JBF Transportes Coletivos e Turismo tem sido contratada pela Prefeitura de Bacabeira para realizar os serviços de transporte escolar.

Nas imagens abaixo, têm-se duas resenhas de termos aditivos celebrados entre a empresa e o município citados: um no valor R$ 90.987,60  e o outro no valor de R$ 272.962,80. Ainda segundo informações recebidas, a empresa em questão, beneficiada e inoperante, pertenceria ao vereador Luís Vilaça.

Como se percebe, Alan Linhares não se preocupou nem com as crianças do município. Por essa e outras irresponsabilidades não conseguiu se reeleger.

img-20161028-wa0016

img-20161028-wa0013

a


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Paciente é transportado em veículo improvisado em Rosário

rosaro

A cada dia que passa a população de Rosário está mais desassistida. A Prefeitura Municipal, administrada pela prefeita Irlahi Linhares,  não tem ofertado os serviços básicos. Dentre as inúmeras precariedades, destaca-se o descaso com a saúde dos rosarienses. Faltam ambulâncias, equipe médica e um atendimento decente à população.

Na última sexta-feira (9), um homem, que sofreu um acidente de trânsito, foi atendido de forma improvisada pela Guarda Municipal, porque não tinha ambulância para transportá-lo ao hospital. No vídeo, gravado pela própria população, é possível ver o paciente sendo transportado sem maca e sem imobilização.

Segundo informações de moradores, o homem colidiu a motocicleta que conduzia com um carro, e passou um bom tempo estirado no chão com a perna machucada esperando por um atendimento que não apareceu. A vítima foi carregada no banco de trás de uma viatura da Guarda Municipal, com os pés de fora. Com isso, o veículo teve que trafegar com a porta aberta.  Um risco para os guardas e para a vítima. Um verdadeiro absurdo. O fato foi registrado na Avenida Vitorino Freire, no Centro de Rosário.

“Isso mostra como a falta de ambulância coloca em risco a vida dos rosarienses, que já sofrem com o pior sistema de saúde da região e com um hospital municipal quase fechado e constantemente sem médicos. Quando a prefeita Irlahi Moraes assumiu, a cidade tinha nove ambulâncias; agora só se ver uma, mas que tem faltado na hora que o povo precisa. Cadê as ambulâncias de Rosário? Até quando o povo cai ser tratado assim? ” denuncia um morador.

No último dia 4, outro motociclista foi vítima de acidente de trânsito e ficou esperando um bom tempo por uma ambulância para ser trazido para São Luís. O fato lamentável revoltou a população e alguns desabafos foram feitos nas redes sociais. O Blog Neto Ferreira publicou o episódio (Reveja).


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Saúde

Pacientes são abandonados por gestão Edivaldo Holanda Júnior

IMG-20160707-WA0009

A Prefeitura de São Luís bem que tenta maquiar a situação precária do Hospital Municipal Clementino Moura, o Socorrão II, em seus informes publicitários exibidos na televisão, mas quem depende dos serviços da unidade constata que os problemas persistem no local.

IMG-20160707-WA0011

O Blog recebeu várias fotos que comprovam as péssimas condições de atendimento e higiene no Socorrão II. Corredores lotados com pacientes em macas; muita sujeira nos banheiros; lixeira sem tampa; fechadura quebrada e pisos quebrados foram flagrados.

As imagens retratam o total abandono e desrespeito da gestão de Edivaldo Holanda Júnior com os cidadãos que recorrem à unidade de saúde. Os anos passam, os gestores mudam, mas as problemáticas do hospital municipal continuam.

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior e a secretária de Saúde, Helena Duailibe, não conseguem oferecer um atendimento digno e de qualidade à população que necessita dos serviços públicos. A situação do Socorrão II reflete a incompetência e negligência da dupla.

IMG-20160707-WA0010

IMG-20160707-WA0008


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Maranhão

Crianças estudam em situação precária em Urbano Santos

Alunos de uma Escola Municipal, localizada no povoado Joaninha, em Urbano Santos, 20km da sede do município, são obrigados a estudar numa escola em condições precárias que sequer possui infraestrutura adequada para abrigar os estudantes.

As aulas ministradas são de forma improvisada com a instalação elétrica precária, janelas e infiltrações nas paredes das salas. Isso não chega ser a matade dos fatores no setor educacional.

Em uma das imagens exibidas abaixo mostra os produtos da merenda escolar. São sete sardinhas, seis pacotes de macarrão, 15kg de arroz, três de colorau, três cebolas de cabeça, quatro extrato de tomate, 1kg de feijão e 5kg de açúcar.

Na escola falta tudo, mas o que não falta é vontade dos professores e alunos de estudar em meio as péssimas condições de ensino. A secretária de Educação não oferece espaço digno com biblioteca, para estudantes especiais e laboratório de informática.

E dessa forma, a prefeita Iracema Cristina Lima Vale (PT), ainda usa logomarca de sua gestão “Governar é Cuidar”. É mole?


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Crateras tomam conta do Cohajap e provocam revolta contra o prefeito Edivaldo Júnior

A população do Conjunto Cohajap está revoltada com o descaso do prefeito, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), e do secretário Municipal de Obras e Serviços Públicos, Antônio Araújo, ambos pagos com o dinheiro púlico para resolver os problemas de São Luís.

A comunidade reclama que as ruas estâo cheias de cratares, provocando prejuízos materiais para os donos de veículos e até graves acidentes. A maioria das crateras se formou na Avenida Principal Interna do Cohajap, nas proximidades do Condomínio Turin.

O morador Manoel Dutra, de 55 anos, disse que já telefonou dezenas de vezes para a Semosp, cobrando uma operação tapa-buracos para o Conjunto Cohajap, mas foi até mal tratado pelos funcionários da Secretaria, que não tem compromisso com a população.

Da mesma opinião compartilha a dona-de-casa Fátima Lima, de 46 anos, dizendo que apesar do Cohajap ser um dos maiores redutos eleitorais do prefeito, o Conjunto foi abandonado pela Prefeitura. “A eleição está chegando e vamos dar o troco”, ameaçou.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Estádio de Chapadinha está em situação precária

Imagens do vídeo abaixo mostram a situação em que se encontra o Estádio Municipal de Chapadinha.

O espaço está completamente abandonado pela prefeitura e sem a menor estrutura para receber grandes torneios e muito menos a população.

Logo na entrada o mato toma conta do lugar, banheiros e vestiários estão totalmente descobertos num estado sujo e degradante. É triste ver que o povo de Chapadinha não tenha um espaço decente para realizar torneios e campeonatos.

O estádio deveria ser interditado e só reabrir depois de uma boa reforma. Mas se depender da lentidão e omissão do poder público municipal, um dos cartões de visita da cidade vai continuar as mínguas.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Educação

Escolas municipais funcionam precariamente em São Luís

Por Adriano Martins, de O Estado

As dezenas de pais de alunos que se reuniram na manhã de sexta-feira, dia 15, na porta do anexo da Unidade de Ensino Básico (UEB) Ministro Carlos Madeira, no São Raimundo, na área Itaqui-Bacanga, foram lá para pedir que seus filhos não saiam mortos de dentro da escola. O que pode parecer um exagero quase se tornou realidade quando, ano passado, um ventilador incendiou-se em uma sala lotada de estudantes e um professor, desesperado, jogou água em cima do aparelho em chamas e ainda ligado à rede elétrica. “A gente vai para casa preocupada, por que não sabe como o filho vai ficar, se ele está bem. A gente sabe que se fechar a escola vai piorar, mas antes perder a escola do que perder o filho”, afirmou Gildeane Ferreira Mendes, que tem dois filhos no colégio, uma na 2ª série e outro na 4ª.

A escola tem salas sem janelas, sem saída para ventilação, a não ser pequenos blocos, iluminação precária, que os pais afirmam que mais parecem lâmpadas de Natal (pisca-pisca), a fiação elétrica está exposta, e alguns pontos são cobertos com fita, não existe extintor de incêndio, o banheiro está com torneiras quebradas, algumas pias estão sem condições de uso, e não há água para consumo humano. Os alunos, professores e demais funcionários têm de levar sua garrafa de casa se quiserem se hidratar durante o tempo em que passam na escola. Gildeane Mendes contou que certo dia uma de suas crianças esqueceu a garrafinha em casa e ficou a tarde inteira com sede, pois não tinha como conseguir o líquido.

A situação da unidade, que é de responsabilidade da Prefeitura de São Luís e fica em uma das zonas mais pobres da cidade, reflete bem o que pode ser visto na maioria das escolas municipais da capital, principalmente nas periferias e zona rural e os problemas ficaram ainda mais evidentes com a deflagração da greve de professores, no dia 22 de maio.

Problemas – Na Cidade Operária, do outro lado da cidade, a UEB Mata Roma convive com praticamente os mesmos problemas, janelas e portas quebradas, além do mato que cresce em volta e dentro do terreno da escola. A UEB Estudante Edson Luiz de Lima Souto, na Gancharia, está quase tomada por uma floresta. Por trás dos muros do prédio, uma série de edificações inacabadas e a quadra estão cobertas por matagal. Nos intervalos e nos períodos sem aula, as crianças que estudam no local se aventuram pela área. Nessa mesma escola uma placa na porta indica que o banheiro utilizado pela direção está isolado.

Ainda na região Itaqui-Bacanga, mas na Vila Isabel, a UEB Elizabeth Fecury, que atende crianças de 4 e 5 anos, se resume a uma pequena casa com três compartimentos, onde se ‘espremem’ seis turmas e quase 200 alunos. No Maracanã, a UEB Major José Augusto Mochel vista de fora parece estar em boas condições. A pintura está nova, o mato está baixo, mas os pais de alunos dizem que tudo não passa de uma ‘maquiagem’. Leidimar Dias Santos Fonseca, que tem uma filha estudando no colégio, diz que, apesar da pintura, rachaduras em uma das paredes do prédio não foram consertadas, e mesmo assim as crianças seguem indo para o colégio.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Edivaldo Júnior abandona sistema educacional de São Luís

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), nada tem feito para mudar o quadro da precariedade da Unidade Básica de Ensino Carlos Madeira, localizada no bairro São Raimundo, que é motivo de revolta entre pais e alunos pela péssima estrutura do local. A escola apresenta número insuficiente de professores e há uma grande falta de merenda aos estudantes.

Vista de fora, a escola esconde o descaso que passa por dentro. Alguns pais mostram indignação pois alegam que a mesma possui falta de água, as salas não possuem ventiladores adequados pois o pouco que tem solta fumaça, não possui banheiros para alunos, as tomadas são quebras e expostas – o que causa um risco grande as crianças -, o teto da escola é rachado e no inverno o uso de guarda-chuva dentro da sala é obrigatório. Situações que são confirmadas por alunos.

“O banheiro, a água e os ventiladores são mitos na escola. Em cada sala de aula apenas uma luz funciona. O mais comum é a falta de professores, o que prejudica a todos nós”, relata uma aluna.

A falta de professores também é outro fator que prejudica os alunos da rede municipal e divido a essa problemática, a escola passou mais da metade do primeiro semestre sem ter aulas.

De fato, o que acontece em São Luís na infraestrutura, saúde e educação é apenas o reflexo de um administrador leigo em gestão pública.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Precariedade em paradas de ônibus é reflexo do fracasso de Canindé

Secretário Canindé Barros.

Secretário Canindé Barros.

Algumas paradas de ônibus, na cidade de São Luís, estão descobertas o que causa um desconforto para os usuários de transportes públicos, pois enfrentam diariamente sol e chuva para se deslocarem ao trabalho e outros compromissos.

Os moradores que já fizeram várias reclamações para o órgão responsável, a Secretaria de Trânsito e Transporte de São Luís, gerida pelo engenheiro Canindé Barros, e não obtiveram nenhum resultado positivo.

Na Cidade Operaria, as paradas sempre foram problemas para os moradores pois não possuem uma estrutura adequada. Algumas são identificadas por uma placa de sinalização no poste.

Ponto de ônibus no bairro Cidade Operária

Ponto de ônibus no bairro Cidade Operária

“Dar para notar que não existe cobertura aqui, quando faz sol demais vamos buscar sombra do outro lado da rua e quando chove os ônibus que passam molham as pessoas. Dois problemas em um só lugar, problemas com paradas e buracos”, relata uma moradora indignada com a situação.

A precariedade das paradas de ônibus se espalha por toda a capital, um outro bairro que sofre com esse problema é a Areinha, as mesmas possuem cobertas porém algumas estão quebradas. Moradores aguardam uma solução da prefeitura para esse problema diariamente.

Para de ônibus no bairro Areinha

Para de ônibus no bairro Areinha


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Prefeitura reforma instituto, mas rua permanece esburacada em São Luís

Na campanha política muito se ouviu promessas das quais sequer 10% foram cumpridas em três semestres da gestão de Edivaldo Holanda Júnior. Ele conseguiu com apoio de Flávio Dino barrar a reeleição de João Castelo (PSDB), com propostas e ideias nada inovadoras.

Cansados de conviver com a catastrófica administração de Castelo, um número expressivo de ludovicenses deram ao petecista um mandato, embora ele não possua conhecimento em gestão pública.

O retrato da péssima atuação do prefeito pode ser observada na infraestrutura de São Luís. A imagem acima é da rua Epitácio Cafeteira, no bairro Olho D’água, onde funciona o Instituto Municipal de Paisagismo Urbano (IMPU), que foi reformada há pouco dias.

A situação de precariedade persiste não só na rua Epitácio Cafeteira, mas também nas ruas Bom Jesus e Inácio de Loiola, próximo ao antigo clube da duvel.

Na leiga gestão de Edivaldo Holanda Júnior entra inverno, chega verão e a situação é a mesmo. Uma lástima!


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.