Crime

Desvio em Bacabal e Zé Doca chega a R$ 12 milhões, diz PF

Delegados durante coletiva. (Foto: blog do Louremar Fernandes)

Delegados durante coletiva. (Foto: blog do Louremar Fernandes)

A Polícia Federal com o apoio da Controladoria Geral da União – CGU, deflagrou hoje (25/9) a Operação Usura II, para apurar o desvio de recursos públicos federais nos municípios maranhenses de Bacabal e Zé Doca.

Ao todo, foram saqueados em Bacabal durante a gestão do ex-prefeito Lisboa, 7,5 milhões de reais. Na cidade de Zé Doca onde a quadrilha também atuava, foi constatado desvio foi de 4,5 milhões.

Agiota Pacovan.

Agiota Pacovan.

Serão cumpridos 19 mandados de condução coercitiva e dez mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Juízo da 1ª Vara da Justiça Federal de São Luís, para serem executados nos municípios maranhenses de São Luís, Bacabal, Pedreiras, Zé Doca e Caixas.

A Operação é um desdobramento da Operação Usura, deflagrada em maio/2011, que evidenciou desvios de recursos públicos federais do município de São João do Paraíso/MA, para o pagamento de ações de agiotagem.

Trata-se de uma fase da investigação onde se tenta obter declarações de pessoas envolvidas na investigação e a busca de documentos pertinentes às provas já obtidas.

Os trabalhos tiveram início com a quebra judicial do sigilo bancário de três contas movimentadas por um agiota (de sua titularidade ou de empresas constituídas em nome de pessoas próximas a ele), o que possibilitou a análise de uma amostra de operações financeiras realizadas nessas três contas.

Da análise da amostra foi verificado que recursos federais de prefeituras do estado do Maranhão foram parar nas contas movimentadas pelo agiota suspeito, com a utilização de outras empresas como passagem para acobertar as operações irregulares.

Inicialmente foram realizadas auditorias, in loco, nos munícipios de Bacabal e Zé Doca, que tiveram como escopo os recursos federais destinados aos Fundos Municipais de Saúde (em Zé Doca e Bacabal) e ao FUNDEB (em Zé Doca). As verificações realizadas confirmaram, em suma, que recursos públicos foram desviados de contas públicas para contas de particulares sem comprovação ou com comprovação irregular.

O montante estimado dos desvios é da ordem de aproximadamente R$ 7,5 milhões na área da saúde em Bacabal, e de R$ 4,5 milhões na área de saúde e no FUNDEB de Zé Doca.

A operação contou com a participação de 70 policiais e 11 servidores da CGU.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

Polícia Federal conduz Pavocan e políticos para Superintendência

paacovan-310x289

Agiotas e alguns agentes públicos no Maranhão foram levados na manha de hoje, quarta-feira, em diversos municípios e na capital. O principal agiota conduzido foi Josival Cavalcanti da Silva, o Pacovan, junto com a esposa dele e foram conduzidos para a sede regional da PH, na Cohama.

Mandatos de busca e apreensão foram empreendidos hoje nas cidades de Bacuri e Zé Doca, Bacabal e Caxias.

Pacovan já foi preso pela PF em 2011 durante a operação “Usura” por causa de negociações de agiotagem que mantinha com os prefeitos de São joão do Paraíso e de Zé Doca.

Com ele foram encontrados diversos cheques em brancos da prefeitura de São João do Paraíso. Ele negociava com mais de 20 prefeituras no Maranhão, sendo as principais Bacabal, Cururupu, Zé Doca e Paço do Lumiar.

Em Bacabal, estariam sendo procurados Gilberto Silva (Ex-secretário Adjunto de Administração) Carmem Chavier (Ex-secretária de Cultura) Aldo Brito (Ex-coordenador de Saúde)Onicley (Ex-funcionário da Sec. de Saúde)

Naquela cidade, delegado da PF colheu depoimento na casa de Gilberto Silva, mais conhecido por Gilberto do Banco do Brasil, por ser funcionário do BB. Ele é assessor direto do prefeito Zé Alberto Veloso.

A PF cumpre 19 mandados de busca e apreensão, e também de condução coercitiva (quando um policial efetua uma prisão, diz-se que está conduzindo coercitivamente o detido até a delegacia).

Os agentes federais estão dando continuidade a Operação Usura II, em São Luís, Bacabal, Zé Doca e Caxias. A PF estima que R$ 7 milhões foram desviados através de uma quadrilha de agiotagem.

Ao todo são 70 policiais e 15 auditores da Controladoria Geral da União (CGU). O delegado federal que preside a investigação é Mario Fanton.

Será realizado uma coletiva às 10h30 de hoje, dia 25, na sede da Superintendência da Polícia Federal no Maranhão, para falar sobre o assunto. Com informações do Blog do Luis Cardoso.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.