Poder

Investigação da PF teve início no governo Roseana Sarney

A Polícia Federal iniciou o processo investigatório sobre um esquema de extração de madeiras em áreas preservadas, no ano de 2014, durante o governo Roseana Sarney.

Segundo documentos, obtidos pelo Blog do Neto Ferreira, as investigações começaram a partir de uma fiscalização realizada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, que apurou extrações ilegais de madeira em uma fazenda, localizada no dentro da Reserva Biológica do Gurupi.

“Com base na interceptação telefônica e na quebra de sigilo telemático, foram identificados vários indivíduos apontados pela autoridade policial como supostos integrantes de um esquema criminoso, complexo, altamente articulado e voltado para a prática de vários delitos”, declarou o juiz federal, Ricardo Macieira.

O processo de apuração desencadeou a operação Hymenaea, deflagrada ontem (14), nas cidades de São Luís, Imperatriz, Buriticupu, Açailância, Zé Doca, Alto Alegre do Pindaré, Bom Jardim, Governador Nunes Freire, todas no estado do Maranhão. No Rio Grande do Norte: Tibau, Mossoró, Parnamirin e Natal, e em Capuí no estado do Ceará.

Ao todo, foram presas 21 pessoas, que estariam envolvidas na rede criminosa de extração ilegal de madeiras provenientes da Terra Indígena Caru e da Reserva Biológica do Gurupi.

13695837_1761498920761504_2121317398_n

pf


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Veja os alvos da operação Hymenaea da Polícia Federal

alx_logo_pf_viatura_e_agentes_-10-_original-300x225

A Polícia desarticulou, na manhã desta quinta-feira (14), durante a operação Hymenaea, uma organização criminosa que movimentou mais de R$ 60 milhões com extração ilegal de madeira provenientes da Terra Indígena Caru e da Reserva Biológica do Gurupi.

O juiz federal, Ricardo Maceira, decretou as prisões temporária e preventiva de 21 pessoas.

Mais de 300 policiais federais, apoiados por servidores do IBAMA e por policiais do BOPE de Brasília e do Rio de Janeiro, cumpriram as ordens judiciais. Que ao todo foram 77 medidas judiciais, sendo 11 mandados de prisão preventiva, 10 mandados de prisão temporária, 56 mandados de busca e apreensão, bem como à suspensão da certificação de 44 empresas madeireiras.

As ações ocorreram nas cidades de São Luís, Imperatriz, Buriticupu, Açailância, Zé Doca, Alto Alegre do Pindaré, Bom Jardim, Governador Nunes Freire, todas no estado do Maranhão. No Rio Grande do Norte: Tibau, Mossoró, Parnamirin e Natal, e em Capuí no estado do Ceará.

Veja abaixo os nomes dos alvos presos pela Polícia Federal:

PF

PF1


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.