Poder

Filha de Roberto Jefferson vai assumir o Ministério do Trabalho

O presidente Michel Temer aceitou nesta quarta-feira (3) a indicação da deputada Cristiane Brasil para ministra do Trabalho.

O nome da deputada foi levado ao presidente, segundo informou o Blog do Camarotti, em uma reunião no Palácio do Jaburu entre Temer e o pai dela, o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do partido e condenado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do mensalão – em março de 2016, ele obteve o perdão da pena.

Após a reunião com Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, Jefferson, em entrevista coletiva, confirmou a indicação e disse que o presidente aceitou (leia íntegra de nota oficial ao final desta reportagem). O ex-deputado chorou ao fazer o anúncio (veja no vídeo abaixo).

“Eu não indiquei [a própria filha], surgiu o nome dela”, disse o ex-deputado. Segundo Jefferson, consultado, o líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), “anuiu”.

De acordo com o presidente do PTB, a nomeação deve ser publicada na edição desta quinta (4) do “Diário Oficial da União”, e a posse está prevista para a semana que vem.

O cargo de ministro do Trabalho está vago desde o último dia 27, quando Ronaldo Nogueira (PTB-RS) deixou o posto para retomar as atividades como deputado na Câmara. Ele argumentou, ao se demitir, que pretende se candidatar à reeleição.

De acordo com Jefferson, Cristiane Brasil não vai se candidatar à reeleição e, por isso, tem condições de permanecer no ministério até o final do mandato de Temer.

Jefferson afirmou que, em vez da filha, ele próprio vai se candidatar a deputado, mas por São Paulo e não pelo Rio de Janeiro, estado de origem da família e pelo qual a filha é parlamentar.

Inicialmente, o indicado do PTB para ministro do Trabalho foi o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA). O parlamentar chegou a dizer que tinha sido convidado e que aceitou. Mas nesta terça-feira (2), ele afirmou que não assumiria mais a pasta por ter sido “vetado” pelo ex-presidente José Sarney (PMDB), que negou o suposto veto.

O parlamentar maranhense disse que “não deu” para ser ministro porque seu nome criaria “embaraço” entre o presidente Michel Temer e Sarney, um dos políticos mais influentes do PMDB e do Maranhão, base eleitoral de Pedro Fernandes.

‘Resgate’
Na entrevista em que anunciou que a filha será ministra do Trabalho, Roberto Jefferson se emocionou e não conteve as lágrimas diante dos jornalistas.

Segundo ele, a chegada de Cristiane à Esplanada é um “orgulho” e um “resgate”. Questionado se tratava-se de um resgaste da sua carreira e da família, após a condenação de no mensalão, Jefferson concordou.

Jefferson foi perguntado se foi um erro ter indicado o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA) para o ministério, uma vez que ele está em campo oposto ao do ex-presidente José Sarney no Maranhão.

Para o petebista, disse que não imaginava a reação, que ele definiu como um “embaraço”. “Na hora em que vem o nome, a gente não pensa em desdobramento do presidente Sarney”, disse.

Jefferson também foi questionado na entrevista sobre a saúde do presidente Michel Temer. Segundo ele, Temer está com a voz “surdinada”, mas com aparência “ótima”, “mais magro” e “mais corado”.

Temer reduziu o ritmo de trabalho na virada de 2017 para 2018. Em dezembro, passou por cirurgia para desobstruir a uretra e ainda teve lidar com uma infecção urinária nos últimos dias. Nesta quarta, o presidente despachou pela manhã do Palácio do Planalto e à tarde seguiu para o Jaburu.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.