Poder

Ricardo Murad escatita com Flávio Dino, João Castelo, Zé Reinaldo, Vidigal e outros

Em seu último comentário em sua página de relacionamento, no Facebook, o secretário de Estado da Saúde Ricardo Murad (PMDB) voltou a criticar o prefeito de São Luís João Castelo (PSDB), o Presidente da Embratur Flávio Dino (PCdoB), o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), Vidigal, E outros. Veja abaixo:

Murad esculhamba geral

Murad esculhamba geral


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Professora dá parte de João Castelo por agressão

Do Imirante

Professora Lindalva Batista

Professora Lindalva Batista

A presidente do Sindicato dos Profissionais do Magistério do Ensino Público Municipal de São Luis (Sindeducação), a professora Lindalva Batista, registrou um boletim de ocorrência da Delegacia Especial da Mulher contra o prefeito de São Luís, João Castelo. De acordo com a professora, em entrevista na rádio Mirante AM, ao tentar conversar com o prefeito, ele puxou seu terno e a chamou de ”maluca”.

O caso ocorreu no fim da manhã desta quinta-feira (17), na Prefeitura de São Luís, durante a posse dos conselheiros municipais de Educação.

”Quando eu fui falar com ele, ele veio de maneira muito agressiva, me chamou de maluca. Eu sabia que ele era acostumado a bater em estudantes, mas não sabia que ele batia também em professores! Então ele não me bateu porque ele disse que eu era mulher. Esse foi meu entendimento. É a segunda vez que ele me trata assim”, contou a professora Lindalva Batista.

Segundo a versão da professora municipal, ela foi tentar falar com o prefeito João Castelo sobre alguns problemas que estão ocorrendo na Educação Municipal, relacionados às condições de trabalho dos professores.

Segundo Lindaval Batista, a prefeitura ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a aprovação do Estatuto do Professor. ”Ele diz na ação que o estatuto foi eleitoreiro, que não foi aprovado de maneira correta, um absurdo!”, disse Lindalva.

Durante a discussão com o prefeito João Castelo, ele teria chamado um secretário para tentar resolver o problema. ”Disse a ele que era importante falar com ele. Como ele não recebe ninguém, aproveitamos esses momentos para tentar conversar com ele”, completou a professora. Lindalva contou, ainda, que três vereadores presenciaram a cena: Batista, Ivaldo Rodrigues e José Joaquim. ”Eles não fizeram nada, apenas me pediram calma”.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Diz logo onde está essa grana João Castelo!

Por Matias Marinho

Fazenda de Castelo

Fazenda de Castelo

Não consigo compreender o porquê de uma Comissão Parlamentar de Inquéritos (CPI) para que se descubra o que foi feito com R$ 73 milhões, repassados pelo Estado para a Prefeitura de São Luís, por meio de convênios, e que por uma decisão judicial deveriam voltar para os cofres do Executivo Estadual, mas que não voltou, e, no fritar dos ovos, não se sabe que fim levou a grana.

Numa época em que os órgãos são obrigados a manter sites na internet de divulgação de receitas e despesas, para promover a transparência no trato com o dinheiro público, sinceramente não acredito que se precise chegar a tanto.

A não ser que o prefeito João Castelo continue com a mesma postura, em vez de dizer onde estão os R$ 73 milhões, opte por acusar o  questionador, no caso o “pé no saco” do Roberto Costa.

A bela fazenda do prefeito de São Luís

A bela fazenda do prefeito de São Luís

É bom que fique claro que mesmo sendo um pé no saco ou um calo no sapato de Castelo, é melhor que se diga logo que fim levou essa dinheirama, ou continuaremos com a mente maldosa imaginando milhões de coisas, como por exemplo, pensar que o dinheiro esteja enterrado nessa belíssima fazenda em Peritoró.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Deputado Roberto Costa é apoiado após denunciar sumiço de R$ 73 milhões

Costa pede explicações da Prefeitura de São Luís

Costa pede explicações da Prefeitura de São Luís

Na sessão, vários deputados manifestaram apoio ao deputado Roberto Costa (PMDB), que denunciou na semana passada o sumiço de R$ 73 milhões das contas da Prefeitura de São Luís, provenientes de um convênio entre governo do Maranhão e o município — dinheiro esse que, por decisão judicial, deveria ser devolvido ao governo estadual.

O deputado Marcelo Tavares (PSB), conhecido por ser ferrenho opositor à atual gestão do governo Roseana, abraçou a causa e deu razão a Roberto Costa, afirmando que o colega está correto em cobrar esclarecimentos do prefeito João Castelo (PSDB).

Raimundo Cutrim (DEM) também deu razão ao colega Roberto Costa e, inclusive, cobrou providências por parte da Assembleia Legislativa para saber do destino dos R$ 73 milhões. O parlamentar sugeriu que fosse criada uma comissão para investigar o caso e justificou que o assunto deve ser debatido na casa, já que não se trata somente de um assunto da esfera municipal.

Roberto Costa lamentou o posicionamento do prefeito João Castelo. “Ninguém consegue dar uma explicação para dizer aonde foi parar os R$ 73 milhões.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Flávio Dino: ser ou não ser candidato a prefeito?

Por Robert Lobato

Flávio Dino será mesmo candidato a prefeito ?

Flávio Dino será mesmo candidato a prefeito ?

Um mistério ronda a política maranhense: o mistério se o ex-deputado federal, Flávio Dino, será ou não candidato a prefeito de São Luis, em 2012.

Comunistas históricos do PC do B defendem que o presidente da Embratur enfrente mais uma vez o tucano João Castelo, dessa vez como uma espécie de “prestação de contas”.

Um ilustre professor do PC do B local, por exemplo, vai mais longe e afirma: “Para que esperar 2014 se Flávio pode ser prefeito em 2012? Quem defende essa tese de esperar as eleições de 2014 é cristão novo no PC do B”, provoca.

Mas a vontade de “velhos” comunistas de verem Dino candidato nas eleições do ano vindouro pode esbarrar numa única pessoa, que nem do PC do B é: José Reinaldo Tavares.

O ex-governador é uma espécie de guru político de Flávio Dino e, como tal, tem enorme influência sobre as decisões do ex-juiz federal. Zé Reinaldo Tavares defende um acordo com João Castelo, nem que seja de “gaveta”, principalmente depois que o seu desafeto, Roberto Rocha, assumiu o comando do PSB da capital.

É que Tavares prefere uma aventura do comunista ao governo, nem que ele se estrepe todo lá frente, a uma vitória de Dino na capital dividindo uma chapa com Rocha, esse na condição de vice.

Enquanto isso, o coração de Flávio Dino segue o seu drama shakespeariano , pulsando em crise por não saber ao certo se se lança prefeito de São Luis, com fortes chances de vencer, ou se espera uma dificílima disputa ao governo do estado contra Luís Fernando, em 2014, como deseja José Reinaldo. Aliás, contra Luís Fernando e Lobão, que tudo indica estarão junto-juntinhos para comer o fígado do comunista…


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

O completo estado de abandono do terminal da Praia Grande

Do Conciência Voz e Ação

Que o trânsito e o transporte coletivo urbano de São Luís está um CAOS, isso não é novidade nenhuma para quem trafega pelas ruas da nossa Capital.

Banheiro da Praia Grande

Mas quem utiliza o Terminal da Praia Grande vem sofrendo muito mais com o estado de abandono deste que é um dos principais pontos de embarque e desembarque de passageiros que se utilizam do sistema todo santo dia para se deslocar para o trabalho.

De segunda a segunda, a disputa travada por um embarque nos ônibus que passam pelo terminal é decidida no braço. Isso mesmo: no braço, prevalecendo a LEI DO MAIS FORTE. Raramente, durante a semana você encontra os funcionários do terminal para disciplinar a suposta “fila”.

O desrespeito é total com crianças, idosos, deficientes, gestantes, em quase todas as plataformas, o que só piora nos horários de pico, entre sete da manhã e seis da tarde.

O caos e abandono no terminal da Praia Grande

Quem utiliza a linha CALHAU/LITORÂNEA, por exemplo, confirma os empurrões e a superlotação para poder ter acesso ao transporte, inclusive nos “ônibus de apoio” que, devido à grande quantidade de usuários, têm sido utilizado constantemente.

A pergunta que fica é: porque a empresa não disponibiliza mais ônibus, uma vez que os existentes NÃO ESTÃO ATENDENDO a demanda nos horários de pico?

O certo é que mesmo com a utilização dos “ônibus de apoio”, os coletivos da linha CALHAU/LITORÂNEA seguem lotados. E muitos usuários ainda têm de enfrentar um longo tempo de espera até a chegada de um novo ônibus.

Nesta imagem, é possível observarmos o abandodo no banheiro do terminal da praia grande; veja abaixo:


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Prefeitura de São Luís desapropria terreno e empresa se apossa irregularmente

Segundo o decreto publicado no Diário Oficial do Município no dia, 15, de agosto de 2002, na gestão do ex-prefeito de São Luís, Tadeu Palácio (sem partido), um terreno localizado próximo da Avenida dos Portugueses com 33.608,37 m² foi desapropriado para construção de um Complexo Educacional (veja abaixo o decreto), só que as obras nunca foram concluídas.

Diário Oficial

Diário Oficial

O projeto foi elaborado pela equipe técnica da prefeitura, onde foi levado para a população daquela área. Ao chegarem no terreno que fica na Área Itaqui-Bacanga ao lado do posto Bacanga, afirmaram aos moradores que além da construção do Complexo Educacional, também seriam feitas uma quadra poliesportiva, campo de futebol e área de lazer para a comunidade carente.

Já se passaram (11) anos e as obras nunca foram concluídas, gerando um desgaste imensurável aos moradores que vem lutando diariamente pela melhoria do sistema educacional deste Bairro.

No dia, 08, de agosto de 2010, foi entregue um ofício de um morador do Itaqui-Bacanga para a ex-secretária de Educação de São Luís, Sueli Rosina Tonial, pedindo que a atual gestão de João Castelo (PSDB) se manifeste sobre a desapropriação (veja o ofício abaixo) feita na época em que Tadeu Palácio era prefeito da capital.

Ofício de George, morador do Itaqui-Bacanga

Ofício de George, morador do Itaqui-Bacanga

Após destinar o ofício para a secretaria de Educação, onde não teve êxito. No dia, 07, de outubro do ano passado, o Presidente da Associação Comunitário dos Morados também enviou um oficio (veja abaixo) ao promotor de justiça da Promotoria de Defesa da Educação de São Luís, Paulo José Silvestre Avelar.

Documento foi destinado ao promotor Paulo José Silvestre Avelar

Documento foi destinado ao promotor Paulo José Silvestre Avelar

Porém, a situação é precária, hoje o local serve de ponto de encontros, para comercialização da venda de drogas e esconderijos para assaltantes.

O pior, simplesmente a empresa ‘Nacional Gás’ invadiu ilicitamente, uma parte do terreno que, segundo consta no Diário Oficial, pertence a prefeitura de São Luís, mas o empresário não quis nem saber, se apossou do terreno e construiu a sede de sua empresa; veja as imagens abaixo:

Empresa Nacional Gás construiu a sede em terreno da prefeitura

Empresa Nacional Gás construiu a sede em terreno da prefeitura

Terreno da prefeitura é invadido por empresa privada

Terreno da prefeitura é invadido por empresa privada

Nacional Gás terá que demolir a construção da empresa em local irregular

Nacional Gás terá que demolir a construção da empresa em local irregular


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

O povo quer asfalto e João Castelo sabe disso…

Dias atrás o blog do Caio Hostilio fez um post em que disse ‘qual era a senha para a reeleição de São Luís‘… Basta no último ano de governo, o gestor asfaltar, capinar, pintar os meios fios e tudo está prontinho… Foi assim desde a primeira eleição de Jackson e o povo ainda fica louco com o pretinho (asfalto sonrisal em sua porta).

João Castelo

João Castelo

Esse fato é incontestável em São Luís… Os três anos de desgoverno, das promessas não cumpridas, da falta de escola, da deficiência na saúde, do estimulo ao emprego e renda, além a atração aos investimentos, cai tudo no esquecimento.

A municipalidade vem experimentando isso há mais de 20 e espera o último ano de governo como de resultados dos bons ventos, uma vez que mês a mês as máquinas trabalham dia e noite retirando asfalto, colocando a capinha de asfalto sonrisal, porém pretinho, destacando-se ao branquinho da pintura de cal dos meios fios… Do jeito que o povo gosta… Bonitinho, mas ordinário.

Por outro lado, o povo não está nem aí para os milhões de reais gastos com o asfalto sonrisal, visto que sabe que de uma forma ou de outra está sendo beneficiado, além de pensar na valorização de seus imóveis.

Na verdade, o asfaltamento de ruas tem caráter de doação ao munícipe, que vê, com a execução da obra, a valorização de sua propriedade. Se cada munícipe fosse esclarecido e conscientizado sobre os custos que compõem a planilha de execução deste tipo de obra e que sua durabilidade não ultrapassará um ano, certamente haveria uma decepção de 100% da população, que formaria uma forte corrente, cobrando que os recursos fossem destinados para essas obras desde o início da gestão e não no final, como já se transformou em senha para reeleição em São Luís. Continue lendo no blog do Caio Hostilio


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Prefeitura de São Luís lucra com 'máfia do lixo'

O Quarto Poder

O contrato entre a Prefeitura de São Luís e a empresa pernambucana Vital Engenharia Ambiental, firmado em março do ano passado, em caráter emergencial, e sem processo licitatório, foi prorrogado pela terceira vez consecutiva. A justificativa, de acordo com a Prefeitura, é que a concorrência 060-317/2010 aberta em março de 2010, ainda não foi concluída por conta de obstáculos jurídicos e, mesmo após um ano, não há perspectiva de lançamento do edital.

Oficialmente, a Prefeitura assinou o primeiro contrato com a Vital Engenharia, no dia 25 de março do ano passado, sendo que seis meses depois o contrato emergencial de até 180 dias, foi renovado.

A Vital Engenharia Ambiental S/A, é um dos braços do Grupo Queiroz Galvão – multinacional brasileira com origem em Pernambuco e sede no Rio de Janeiro. A Vital substituiu a Limp Fort durante uma crise na limpeza pública de São Luís e, desde então, vem realizando serviços em aproximadamente 140 bairros da capital.
O contrato inicial entre a Vital e a Prefeitura de São Luís teve valor global de R$ 13.780.025,28, durante seis meses, algo em torno de R$ 2,2 milhões ao mês.

CONTRATO SOB SUSPEITA – Empenhos de despesas aos quais a equipe do Portal 4º PODER teve acesso, revelam que embora o ‘contrato’ emergencial tenha sido assinado em março de 2010, a empresa Vital Engenharia Ambiental, muito antes, já vinha recebendo dinheiro dos cofres públicos da Prefeitura de São Luís. Os documentos relevam que a Vital começou a receber da prefeitura desde o mês de janeiro de 2010, dois meses antes da assinatura do contrato.

A Assessoria de Imprensa da Prefeitura de São Luís foi procurada pela redação do Portal 4º PODER, para explicar os pagamentos realizados à Vital Engenharia Ambiental, mas, mesmo após duas semanas, não recebemos qualquer esclarecimento sobre o assunto.

O primeiro contato foi realizado por telefone, com a jornalista Silvia Tereza (Chefe da Assessoria de Imprensa), que nos encaminou para uma funcionária identificada apenas como Doriane. Por telefone, Doriane nos solicitou que os questionamentos fossem encaminhados via e-mail, para serem analisado e respondido. O fato é que seguimos todas as solicitações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de São Luís, entretanto, nenhum de nossos questionamentos foi respondido.

MAUS ANTECEDENTES – A empresa Vital Engenharia Ambiental S/A acumula algumas pendengas judiciais. Uma das mais graves refere-se a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público de São Paulo, na qual a companhia é acusada, junto com a construtora Queiroz Galvão, da qual é subsidiária, e o ex-prefeito de Guarujá (SP) Farid Said Madi de ter firmado contrato emergencial irregular com aquela gestão municipal no valor de R$ 8,2 milhões em 2006, com direito a adiantamento de R$ 149,8 mil. Passados os 180 dias da emergência, a Vital foi contratada novamente sob o mesmo argumento, dessa vez por R$ 11,9 milhões, aditivados em R$ 612,7 mil. No julgamento da ação, ano passado, a empresa foi condenada a ressarcir integralmente o montante recebido ilegalmente dos cofres municipais sob a justificativa de que sua contratação ferira preceitos da administração pública como eficiência, moralidade e impessoalidade.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Empresário diz que "João Castelo" é lider da máfia

A acusação feita pelo Ministério Público, que mostra um certo envolvimento do prefeito João Castelo (PSDB), por suposto favorecimento da Pavetec em licitações, pode levar ao afastamento do cargo de prefeito de São Luís.

'João Castelo, lidera máfia na prefeitura de São Luís', diz empreiteiro Paulo Fernando

'João Castelo, lidera máfia na prefeitura de São Luís', diz empreiteiro Paulo Fernando

São R$ 115 milhões que foram parar nos cofres da empresa campeã em ganhar licitações para asfaltamento de ruas e avenidas da cidade. O MP encontrou indícios de fraudulentos para beneficiar a empreiteira.

Castelo que foge de certas condenações, para que possa concorre a reeleição e teme a inelegibilidade.

Em participação no programa “Qual é a Bronca”, apresentado pelo radialista Osvaldo Maia, na Rádio Capital AM, o empreiteiro Paulo Fernando, afirmou que o esquema envolveria, ainda, João Rodolfo, homem de confiança do prefeito.

“Quando sai um pagamento para a Pavetec, o João Rodolfo vai lá no escritório pegar o cheque da empresa. Isso é uma máfia. O prefeito é o presidente dessa máfia”, afirmou o empresário, que disse ter prestado serviços de tapa-buracos para a Semosp e está no prejuízo de mais de R$ 200 mil”.

“O que digo aqui afirmo em qualquer lugar. Por diversas vezes procuramos o prefeito para resolver o problema, mas ele só tem nos enrolado. Por conta disso, praticamente quebramos, pois tivemos que honrar dívidas trabalhistas e até com agiotas, vendendo terrenos e carros”, diz Paulo Fernando.

O empresário irá reunir diversos donos de empresas que foram lesadas pela prefeitura para irem aos estúdios da Rádio Capital e relatar mais detalhes desse escândalo de corrupção que vai abalar as estruturas da administração Castelo.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.