Educação

Eleição para Gestor Escolar em Cantanhede acaba na Justiça

As eleições para Gestor Escolar, coordenada pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc), realizadas no município de Cantanhede para assumir a diretoria do Centro Escolar Getúlio Vargas, foram alvos de ações antiéticas, segundo a única candidata ao cargo, a professora Lília Lima e Silva dos Santos.

De acordo com documentos encaminhados ao Blog do Neto Ferreira, o processo de eleição foi aberto no mês de abril de 2015, através do Edital nº 003/2015, no qual duas chapas concorriam ao cargo de Gestor Escolar.

Várias etapas foram executadas, como a obrigação por parte dos candidatos em mostrar quais seriam as metas para uma educação de qualidade. Em seguida, foi proposta a realização de três seminários para que a comunidade escolar tomasse ciência das eleições e do processo como um todo.

Conforme explicou a candidata a Gestora da escola Getúlio Vargas, Lília Lima, no mês de novembro, foram realizados um curso de Certificação de Gestores com duração de 3 dias. “Na ocasião, a professora Alessandra, de São Paulo deixou claro que os candidatos teriam, individualmente, que alcançar pelo menos 18 pontos que seria 70% para podermos prosseguir nesse processo”.

Em consequência disso, apenas a professora Lília, da chapa 1, conseguiu obter a nota necessária para continuar concorrendo às eleições. Já a atual diretora da escola, a professora Iracilda Caldas, da chapa 2, não conseguiu lograr êxito no exame, ficando assim de fora do processo.

Ainda segundo a professora, após as fases do processo, não foram dadas mais informações acerca do que aconteceria depois aos envolvidos nas eleições, como a comissão eleitoral e a única candidata.

“Desse período em diante, a atual gestora, professora Iracilda Caldas e sua família, ao perceberem que eu teria a aceitação da comunidade escolar começou uma campanha, utilizando alunos e alguns professores para me difamar e tentar impedir que as pessoas votassem em mim” detalhou Lília Lima.
A professora, afirma, também, que a atual diretora da escola Getúlio Vargas, estaria tentando anular as eleições, no intuito de depreciar a sua imagem perante a comunidade escolar.

Além disso, Lília denuncia que a Unidade Regional (URE) de Itapecuru-Mirim, que coordena a educação em Cantanhede, abandonou as eleições naquela cidade, pois não enviou material para o processo, afirmou que haveria um advogado a disposição para qualquer eventualidade, fato esse que não aconteceu.

A professora também informa que durante a votação a diretora da escola, juntamente com os seus familiares, iniciou uma grande confusão pedindo aos alunos que não votassem ou que votassem na chapa 2, uma vez que não estava concorrendo, com objetivo de anular as eleições.

Segundo o art. 58 do Edital 003/2015, paragrafo 1, é necessário fazer uma comparação entre o total geral de votos válidos absoluto e total geral de votos brancos e nulos. Caso o total de votos brancos e nulos superem o total de votos válidos, a eleição será anulada. Não foi o que aconteceu, ou seja, obtido o quórum necessário para que a professora Lília ocupasse, por direito, o cargo, segundo a candidata.

No entanto, a Gestora da URE, professora Francisca Muniz, usando uma tabela fornecida pelo SINPROESSEMMA, que não estava no documento da eleição, deu como cancelada as eleições, uma vez que não totalizou 50% do eleitores

“Nesse resultado havia a justificativa de que eu teria que ter praticamente todos os votos e quando se fala em proporcionalidade está se falando de igualdade. Tal justificativa além de infundada constitui-se não razoável e abusiva, não consta do Edital e nem nas Erratas feitas. Nesse documento não havia descrito percentual para os votos brancos e nulos” assegurou Lília Lima.

Todo procedimento foi feito de maneira correta e com lisura, não tinha, de acordo com a candidata da chapa 1, motivos para anulação do processo.

Após o cancelamento da eleição, foram feitas várias tentativa de reverter o quadro pela professora Lília Lima, mas não obteve sucesso, uma vez que todas entidades ligadas diretamente ao processo eleitoral mantiveram a decisão, de que não obteve quórum suficiente. Porém, Lília afirmou que irá entrar com um processo judicial, haja vista que tem a certeza que ganhou as eleições para ser Gestora do Centro Escolar Getúlio Vargas, de Cantanhende.

IMG-20160101-WA0013

IMG-20160101-WA0014

IMG-20160101-WA0015

IMG-20160101-WA0016

IMG-20160101-WA0018

IMG-20160101-WA0019


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.