Poder

Dono de empresa alvo da PF vem lucrando alto no Maranhão

mario

Após ser impedido de contratar com o Poder Público do Piauí, o empresário piauiense Mário Dias Ribeiro Neto, o Mário Brega, resolveu criar outra rota para expandir os seus negócios “frutíferos” e achou o Maranhão. No estado, ele encontrou uma verdadeira mina de ouro.

Mário – que é sobrinho do deputado federal do Piauí, Marcelo Castro- é dono da Distrimed Comércio e Representações Ltda, juntamente com Luiz Carvalho dos Santos, vem lucrando alto no governo Flávio Dino.

Em apenas seis meses, o empresário foi agraciado com três contratos com dispensa de licitação orçados em mais de R$ 2 milhões (saiba mais).

11depois

Leia mais

Governo contratou investigada pela PF por R$ 2,4 milhões com “dispensa de licitação”

Os acordos foram celebrados pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares – EMSERH, órgão ligado à gestão estadual, que vem fazendo uma verdadeira “farra” de contratos milionários.

Entenda o caso

A Distrimed Comércio e Representações Ltda foi proibida de contratar com o Poder Público do Piauí após investigações da Polícia Federal, que apontam a participação da empresa em um esquema criminoso que desviou mais de R$ 7 milhões dos cofres piauiense. À época, Mário Brega foi conduzido coercitivamente para depor sobre o seu envolvimento na teia criminosa.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Empresas investigadas no Piauí ganham contrato de R$ 15,7 milhões em Chapadinha

page

As empresas piauienses Dimensão Distribuidora e Distrimed Comércio e Representações vão ganhar uma verdadeira fortuna no interior do Maranhão.

As duas foram as vencedoras do pregão presencial nº 028/2017, no qual havia 3 lotes, realizado pela Prefeitura de Chapadinha e assinaram o contrato no dia 5 de abril.

De acordo com o Diário Oficial, a Dimensão Distribuidora, que pertence à Jadyel Alencar, ganhou 2 lotes e vai embolsar R$ 11.366.229.,08 milhões para fornecer medicamentos HAPA e Atenção Básica para os hospitais de Chapadinha.

Já a Distrimed, que é de propriedade de Mário Dias Ribeiro Neto e Luiz Carvalho dos Santos, vai lucrar R$ 4.401.280,00 milhões e vai entregar medicamentos Caps II/medicamentos Especiais/Caps para as unidades de saúde do município.

O contrato tem validade de apenas 9 meses e valor total de R$ 15.767.509,08 milhões

Esse não é o primeiro acordo milionário firmado pelas duas empresas piauienses. O Blog do Neto Ferreira já publicou diversos extratos de contratos nos quais tem como figura principal a Dimensão Distribuidora, pois tem “monopolizado” os acordos contratuais de medicamentos em Prefeituras do Maranhão, como em Santa Luzia, Cantanhede, Vitória do Mearim, Coroatá, Mirador.

A Dimensão e a Distrimed também são investigadas por fraude em licitações e desvios de medicamentos no Piauí.

Veja nos links abaixo:

Dono de empresa que ganhou milhões no governo Flávio Dino é investigado no Piauí

Empresa alvo da PF no Piauí fatura milhões da Saúde do governo Flávio Dino

Dimensão Distribuidora ganha mais um contrato de R$ 1,9 milhão em Cantanhede

Empresa investigada no Piauí fatura contrato de R$ 4,1 milhões em Santa Luzia

Dimensão Distribuidora fatura mais um contrato de R$ 2,06 milhões no Maranhão

chapadinha

coroatá2

coroatá3-768x227

distrimed1

distrimed


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Governo Flávio Dino volta a contratar empresa investigada no Piauí

11depois-768x1024

O Governo do Maranhão, por meio da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), órgão subordinado à Secretaria de Saúde, voltou a contratar a empresa Distrimed Comércio e Representações Ltda, que fica localizada em Teresina (PI) e tem como proprietários Mário Dias Ribeiro Neto e Luiz Carvalho dos Santos.

O valor do contrato é de R$ 2.323.125,00 milhões e a prevê a aquisição de materiais médico hospitalar (seringas e outros).

No 2º semestre de 2016, a empresa piauiense faturou alto no governo comunista. Os pagamentos chegaram a marca de R$ 2.409.579,36 milhões. Todos com dispensa de licitação. (reveja).

O Blog do Neto Ferreira apurou que a Distrimed já esteve envolvida em um esquema criminoso que desviou R$ 7 milhões dos cofres públicos do Piauí. A organização foi desarticulada pela Polícia Federal durante a operação Gangrena.

À época, a PF identificou que quatro empresas ganhavam constantemente as licitações em preços por lotes e, ao entregar os medicamentos cobravam por um item com um preço muito maiores e ao mesmo tempo que aumentavam os valores, os remédios faltavam nos hospitais.

Por conta dos desvios, a empresa piauiense ficou proibida de contratar com o Poder Público do Piauí. (relembre).

O contrato atual foi firmado em 21 de março de 2017 e deverá findar em 12 meses.

Veja os detalhes do acordo contratual:

dristimed


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Governo Flávio Dino pagou empresa que é proibida de contratar com Poder Público

11depois

O Governo do Maranhão, através da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), subordinado da Secretaria de Saúde, contratou e efetuou pagamentos para empresa proibida de contratar com o poder público. A empresa possui sede em Teresina (PI).

A Distrimed Comércio e Representações Ltda – recebedora de milhões do governo Flávio Dino – foi proibida de contratar com o poder público em decisão do juiz federal Lucas de Araújo. A decisão do magistrado foi motivada após a comprovação do envolvimento da empresa com um mega esquema de corrupção que desviou mais de R$ 7 milhões dos cofres públicos do Piauí (saiba mais). A teia criminosa foi desarticulada pela Polícia Federal durante a operação Gangrena.

Os proprietários da Distrimed são Mário Dias Ribeiro Neto, o Mário Brega, e Luiz Carvalho dos Santos. No Maranhão eles, ou melhor, a empresa foi agraciada com dispensa de licitação por mais de R$ 2 milhões (relembre).

Além disso, está sendo investigada, mais uma vez, por outro esquema montado em uma Prefeitura do interior do Piauí. Mas, isso é assunto para outra matéria.

Diante de tais fatos, é notório que a EMSERH não adotou critério algum ao celebrar contratos com empresas. Em razão disso, o Governo Flávio Dino, poderá, sim, responder na Justiça por tais irregularidades.

distrimed7

distrimed5


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Governo contratou investigada pela PF por R$ 2,4 milhões com “dispensa de licitação”

page

Empresário e dono da Distrimed, Mário Dias Ribeiro Neto, e a fachada da empresa.

A Distrimed Comércio e Representações Ltda, que tem como proprietários Mário Dias Ribeiro Neto e Luiz Carvalho dos Santos, encontrou a sua “galinha dos ovos de ouro” no Maranhão.

Somente em 2016, a empresa piauiense foi agraciada pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), órgão ligado ao governo Flávio Dino, que é presidida por Ianik Rafaela Lima Leal, com três contratos celebrados em caráter emergencial, ou seja, com “dispensa de licitação”.

O Blog do Neto Ferreira obteve as resenhas de contratos e apurou que os acordos foram firmados em sequência, antes mesmo de findar o primeiro.

A Distrimed foi contemplada com um contrato em 18 de julho de 2016, no valor de R$ 1.661.627,42 milhão, com vigência até 16 de outubro; logo em seguida, assinou outro acordo no dia 11 de agosto, orçado em 727.195,34 mil, e que foi até 09 de novembro do ano passado; e no dia 30 de setembro do mesmo ano, foi contemplada com um contrato no valor de R$ 20.753,60 e que findou em 29 de dezembro. Todos os acordo possuem prazo de término de 4 meses.

E em apenas 6 meses, a empresa faturou R$ 2.409.579,36 milhões.

Leia também

Empresa alvo da PF no Piauí fatura milhões da Saúde do governo Flávio Dino

A Distrimed já foi alvo da Polícia Federal do Piauí, durante a deflagração da operação Grangrena. À época, foi descoberto que a empresa estava envolvida a em um esquema criminoso que desviou R$ 7 milhões dos cofres públicos do Piauí. A PF identificou que quatro empresas ganhavam constantemente as licitações em preços por lotes e, ao entregar os medicamentos cobravam por um item com um preço muito maiores e ao mesmo tempo que aumentavam os valores, os remédios faltavam nos hospitais.

saude3

saude6

saude5


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.