Poder

Auditoria encontra baratas na cozinha do hospital de Vargem Grande

O Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) realizou uma fiscalização no Hospital Municipal Benito Mussoline Sousa de Vargem Grande e detectou uma série de irregularidades, inclusive no setor de nutrição e dietética, onde foram encontradas várias baratas. A inspeção ocorreu entre os dias 12 a 18 de março de 2017.

Segundo aponta o relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira, o setor de nutrição não apresenta capacidade de funcionamento.

Os auditores constataram que a cozinha não é setorizada, sendo que a realização dos procedimentos de corte, preparação, cocção e lavagem são realizadas em ambiente único, há falta de manutenção predial, sendo verificado: parede faltando cerâmica, o que ocasiona acúmulo de sujeiras.

O relatório diz, ainda, que o caixilho da porta da despensa está danificado e falta de telas milimetradas para impedir o acesso de vetores e pragas urbanas; as instalações do setor de nutrição muito quente, sem ventilação para garantir a renovação do ar.

Os agentes do Denasus afirmaram que o setor não conta com lavatório exclusivo para a higiene das mãos na área de manipulação, bem como sabonete líquido inodoro, toalha de papel ou outro sistema higiênico e seguro de secagem das mãos e coletor de papel.

“O armazenamento dos alimentos é precário. Os produtos são acondicionados todos juntos. E há baratas nas prateleiras da despensa do setor de nutrição e dietética”, frisou o relatório do Denasus.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Saúde

Descarte de lixo hospitalar em Vargem Grande é irregular, aponta auditoria

O manejo do lixo no Hospital Municipal Benito Mussoline Sousa de Vargem Grande está sendo feito de maneira irregular e coloca a vida de pacientes em risco, aponta o relatório do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus).

Segundo a auditoria, que foi realizada entre 12 a 18 de março de 2017, foi constatado que o resíduo sólido é armazenado temporariamente até sua coleta, em abrigo externo, cujo ambiente não atende a RDC/ANVISA nº 306, de 07/12/2004.

Além disso, os auditores detectaram a ausência de sacos plásticos que resistam às ações de punctura e ruptura para acondicionamento do lixo hospitalar, o hospital não dispõe de carro próprio para o transporte interno do lixo, não existe depósito específico para descarte de materiais perfurocortantes, sendo os mesmos improvisados.

“O local é precário, pois não está identificado, não conta com porta provida de tela de proteção contra roedores e vetores; não dispõe de água, tomada elétrica, canaletas de escoamento de águas servidas direcionadas para a rede de esgoto do estabelecimento e não conta com ralo sifonado com tampa que permita a sua vedação”, detalhou o Denasus.

O relatório revela ainda que o hospital Benito Mussoline Sousa não possui o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS, documento que aponta e descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos, observada as suas características e riscos, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final, bem como as ações de proteção à saúde pública e ao meio ambiente.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Denasus aponta irregularidades no almoxarifado da Secretaria de Saúde de Vargem Grande

Nos exercícios de 2015 e 2016, o Almoxarifado de medicamentos da Secretaria Municipal de Saúde de Vargem Grande apresentou fragilidade no controle de entrada e saída de medicamentos e materiais, segundo constataram os auditores do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus).

A fiscalização ocorreu entre os dia 12 a 18 de março de 2017.

O relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira aponta que o mecanismo de controle do Almoxarifado é frágil, não tem gerenciamento de estoque e nem inventário.

O Almoxarifado do Hospital Municipal Benito Mussolini Sousa também apresentou irregularidades. No local, não possui condições adequadas ao seu funcionamento quanto a falta de higiene e de extintor de incêndio.

Os ambientes são sem organização, e lá são guardados materiais inservíveis, com prateleiras oxidadas. Na área onde ficam os gêneros alimentícios tem uma mesa totalmente danificada, com cupim, e as paredes tem infiltrações e janelas de vidro com proteção de papelão e saco plástico.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Auditoria diz que farmácia de hospital de Vargem Grande não possui alvará de funcionamento

O Hospital Municipal Benito Mussoline Sousa de Vargem Grande passou por uma fiscalização realizada pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) entre o período de 12 a 18 de março de 2017.

No local, os auditores detectaram inúmeras irregularidades, entre elas, a ausência de Certificado de Regularidade Técnica, Licença Sanitária ou Alvará Sanitário, controle eficiente de entrada, saída e estoque, sendo evidenciada a falta de medicamentos em 2016.

O relatório, obtido pelo Blog do Neto Ferreira, também aponta que que a farmácia possui área reduzida (aproximadamente 9m²) e estrados insuficientes para a quantidade de medicamentos e insumos armazenados, propiciando a existência de caixas diretamente no chão.

No local, não há extintor de combate a incêndio e os medicamentos sujeitos a controle especial não estavam dispostos de forma segregada em armário com chave sob a guarda do farmacêutico.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Almoxarifado Central de Bacabal não tem alvarás de funcionamento, diz auditoria

O Almoxarifado Central de Medicamentos de Bacabal, órgão ligado à Secretaria Municipal de Saúde, não tem alvarás de funcionamento, aponta fiscalização do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS).

Segundo o relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira, a inspeção ocorreu entre 14 e 20 de dezembro de 2016 e revelou uma série de irregularidades.

O Almoxarifado Central funciona em prédio próprio, em ambiente sem conservação, climatização e com extintor de incêndio com prazo de validade vencido desde 2015.

No local, foram encontrados o teto com cupim, salas sem ar-condicionado ou ventiladores, os produtos estão armazenados no chão, além da falta de sinalização no local onde estão localizados os equipamentos. Não há, também, controle de entrada e saída de medicamentos, insumos e materiais.

O Almoxarifado não possuem Licença Sanitária ou Alvará Sanitário da SUVISA/MA e Certificado de Regularidade Técnica emitido pelo CRF, assim como o responsável técnico.

Os locais não contam com Certificado de Regularidade Técnica, emitido pelo Conselho Regional de Farmácia do Maranhão e com Licença Sanitária ou Alvará Sanitário da SUVISA/MA, documento expedido pela Vigilância Sanitária Estadual.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Auditoria aponta precariedade no Hospital Geral de Bacabal

O Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS) constatou diversas irregularidades no hospital gerenciado pela Secretaria Municipal de Bacabal durante uma fiscalização realizada entre os dias 14 a 20 de dezembro de 2016.

Segundo o relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira, a equipe de auditores analisou dados referentes ao período de janeiro a dezembro de 2016, quando a administração de Bacabal era feita por José Alberto Oliveira Veloso.

No Hospital Geral de Bacabal foi detectado que o setor de internação da unidade estava precário. Entre as irregularidades encontradas estão a presença de infiltrações e fungos nas clínicas cirúrgica e médica masculina e feminina; não há climatização ou ventiladores em uma enfermaria de clínica cirúrgica masculina.

Além disso, os banheiros dos locais estavam com o revestimento danificados e sem ralo com fechamento escamoteável; não há lavatório específico para higienização das mãos, as cadeiras para acompanhantes em péssimo estado e os colchões com revestimentos deteriorados. Na unidade, também, não tem equipamento e material para reanimação cardio-respiratória no setor de internação.

“O Hospital Geral de Bacabal não possui Diretor Clínico, Alvará Sanitário, Comissão de Revisão de Prontuários, Comissão de Revisão de Óbitos, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar – CCIH, Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Núcleo de Segurança do Paciente.”, detalhou o relatório.

Assim como em outros setores, o de nutrição e dietética também apresentou problema. O Denasus apontou que no local a cozinha não é setorizada, não tem telas milimetradas para impedir o acesso de vetores e pragas urbanas, não tem ventilação, nem manutenção predial, as instalações elétricas são improvisadas, há infiltrações e os armários estão em péssimo estado. O almoxarifado de alimentos desorganizado e sujo com prateleiras oxidadas.

Na unidade hospitalar, foi constatado que o lixo é armazenado temporariamente até sua coleta, em abrigo externo que está dividido por categoria (resíduos químicos, comuns e perfuro-cortante); o hospital não dispõe de carro próprio para o transporte interno do lixo. Os resíduos são jogados diretamente no abrigo de resíduos sobre o piso, sem está acondicionado em sacos impermeáveis.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

População indígena de Amarante padece com a precariedade do Polo de Saúde

O Polo de Saúde Indígena de Amarante do Maranhão também esteve na mira do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS), a pedido do Tribunal de Contas da União. A auditoria teve como finalidade verificar recursos e atendimento à população indígena, além de analisar contratos vigentes.

Durante o trabalho, a equipe constatou não conformidades no funcionamento do Polo Base, as quais comprometem os processos de trabalho, prejudicam o atendimento e contrariam as legislações pertinentes. Dentre elas: estrutura física precária e deficiente; equipes multidisciplinares de saúde incompletas, sem a composição básica, e falhas na disponibilidade de transporte nos casos de urgência emergência.

Além dessas desconformidades, também foram detectadas: falta de mobiliários, equipamentos e instrumentais imprescindíveis ao desenvolvimento do trabalho das equipes nos postos de saúde; inexistência de consultórios odontológicos fixos em funcionamento; estrutura física inadequada para funcionamento da farmácia;  fornecimento de água no Polo Base prejudicado pelas instalações físicas do prédio, havendo falta ou deficiência de saneamento nas aldeias indígenas.

A precariedade do Polo de Saúde constatada pela equipe do DENASUS prejudica o atendimento da população indígena de Amarante do Maranhão, que conta com aproximadamente 5.836 indígenas, das etnias guajajaras, gaviões e krikatis, distribuídos por 76 aldeias.

a

b

c


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Auditoria detecta falhas em unidade de Saúde de São Luís

O Socorrinho tem poucos anos de funcionamento, mas já apresenta graves problemas quanto à estrutura física, por falta de manutenção preventiva e corretiva das suas edificações, equipamentos e mobiliários. Não há medicamentos e materiais médico-hospitalares suficientes para atender a grande demanda da unidade.

No Serviço de Pronto Atendimento há plantões sem a presença do profissional médico, o que acarreta na suspensão de atendimento, e prejudica ainda mais o estado de saúde de quem necessita de assistência médica. A farmácia não possui Alvará de Autorização Sanitária, Certificado de Regularidade Técnica, emitido pelo Conselho Regional de Farmácia, nem Livro de Registro Específico de Psicotrópicos.

Todas essas irregularidades foram constatadas pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS), que teve por finalidade apurar irregularidades no atendimento prestado aos usuários, no exercício de 2013.

Na fiscalização in loco, a equipe do DENASUS identificou muitas outras distorções na unidade de saúde. Dentre elas: forro danificado; fiação exposta; vazamento no consultório médico; ausência de equipamento de ar-condicionado e janelas para ventilação; colchões rasgados; bebedouro desgastado; banheiro desativado; e sanitários sem tampa de proteção.

Vale destacar que o período da fiscalização foi realizado já na gestão de Edivaldo Holanda Júnior. O Socorrinho I foi reformado e inaugurado em setembro de 2008.

a

b


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Retatório cita irregularidades na Saúde de Lago Verde

O Município de Lago Verde não vem atendendo às normas do Ministério da Saúde, princípios e diretrizes da Política Nacional da Atenção Básica, Política Nacional de Saúde e Sistema Único de Saúde-SUS. Foi o que apontou o relatório do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS).

A auditoria teve por finalidade verificar a utilização de recursos e assistência ao usuário, entre janeiro de 2011 e setembro de 2013. Durante a fiscalização foi constatada a prática de nepotismo na Prefeitura Municipal de Lago Verde. Uma série de não conformidades também foram identificadas pelo DENASUS.

Dentre elas: descumprimento da carga horária pelos profissionais integrantes das equipes da Estratégia de Saúde da Família; falta de atualização do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES); inexistência de programação e planejamento para implantação das ações de atenção à saúde; pessoas não habilitadas executando as atribuições de Agentes Comunitários de Saúde; remanejamento constante de profissionais médicos nas UBS; não utilização de carimbo e/ou assinatura dos profissionais nos registros de atendimentos odontológicos.

A análise da documentação realizada in loco também apontou irregularidade quanto a não comprovação de despesas realizadas no exercício de 2013. A Prefeitura de Lago Verde é comandada pelo prefeito Raimundo Almeida.

a

b


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Saúde

Auditoria aponta falhas na Unidade Mista do São Bernardo, em São Luís

Durante a realização de uma auditoria feita pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) foram constatadas diversas irregularidades na Unidade Mista de São Bernardo, localizada em São Luís.

Segundo os auditores, foi detectada baixa rotatividade de leitos, causada pela elevada incidência de internamentos de pacientes com doenças crônicas, que incide diretamente na média do tempo de internação hospitalar na Casa de Saúde.

A unidade apresenta também algumas falhas quanto à estrutura física, tendo em vista que não realiza manutenção corretiva e preventiva das suas edificações, equipamentos e mobiliários.

“A unidade não está devidamente abastecida com medicamentos e materiais médico- hospitalares essenciais ao desenvolvimentos das atividades correspondentes ao nível de complexidade que oferece. O setor de urgência/emergência atende principalmente a demanda de clínica médica, sendo verificada a ocorrência de plantões com quantidade insuficiente de profissionais e com suspensão de atendimento”, detalhou o relatório do Denasus.

Ainda de acordo com o documento produzido pelos auditores do Departamento Nacional do SUS, a Unidade Mista do São Bernardo não atualiza o cadastro no SCNES e não dispõe de Diretor Técnico e/ou Clínico, sendo que 40% dos profissionais de nível superior trabalham sem formalização do Contrato de Trabalho, em descordo com os arts. 61 e 62 da Lei n° 8.666, de 21/06/1993. O setor de radiologia clínica não oferece atendimento 24h, deixando a urgência e emergência da unidade descoberta no período noturno, sábados, domingos e feriados.

Foram verificadas, ainda, irregularidades nos processos de trabalho dos setores de farmácia, laboratório, nutrição e dietética, lavanderia e CME.

A Casa hospitalar é uma unidade de natureza pública e gestão municipal, que realiza atendimento de urgência e emergência, ambulatorial, internação, Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Terapia- SADT de forma referenciada e/ou demanda espontânea.

Auditoria

Auditoria1

Auditoria2


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.