Política

Cultura de Bacabal promoverá Festival de ‘irregularidades’

Blog do Louremar

O prefeito de Bacabal, José Alberto Veloso, não consegue passar uma imagem de austeridade e nem de um administrador com pulso forte.

Clecio Silva.

Clecio Silva.

Depois de nomear o promotor de micaretas José Clécio, como secretário de Cultura, contra a vontade de toda a classe cultural, o Prefeito deve arcar com o ônus da sua decisão. As críticas quanto a nomeação se deram principalmente pelo fato do nomeado não ter conhecimento do assunto e nem vivência no meio cultura. A nomeação, atribuída ao fato de ser o secretário apadrinhado do desembargador Guerreiro Júnior, só tem gerado dissabores. O concurso público, na modalidade festival, instituído pela secretaria de Cultura é um exemplo.

O ‘Festival de Música Carnavalesca de Bacabal’ está ceivado de irregularidades. Aquilo que já vinha sendo comentado nos bastidores da Cultura, ontem foram trazidos à público pelo blog do Sérgio Matias.

O primeiro artigo do regulamento diz que o certame é “aberto a compositores e autores residente em Bacabal”. Confrontando o regulamento com a relação das doze músicas selecionadas, nota-se o problema, os autores de pelo menos duas músicas não residem em Bacabal.

Gilvan da Mocidade dá o tom da irregularidade

O compositor Gilvan da Mocidade, residente em São Luis, inscreveu a música ‘Pacu Assado’. A música ‘Quero Saber’ é de autoria dos não-residentes em Bacabal, Albert Abrantes e Marcos Pimentel. Sem noção do que é uma triagem, o secretário José Clécio referendou as duas músicas para a final.

Como todo concurso que se preze, o Festival de Marchinhas dita em seu regulamento que “é proibida a participação de funcionários da secretaria de Cultura e pessoas ligadas à organização do evento”. No entanto a competente compositora Dalva Lopes figura como autora de uma das músicas selecionadas para a final.

Dalva Lopes é irmã do cantor e compositor José Lopes Filho, um dos diretores da Secretaria, espécie de porta-voz do secretário de Cultura. É justamente a Zé Lopes que cabe a função de convocar os jurados e coordenar os trabalhos da comissão julgadora. Além disso, é da irmã de Zé Lopes o endereço cedido para fazer a inscrição da música de Gilvan da Mocidade.

Em nenhum dos casos se questiona a competência dos autores. A questão é a lisura do certame que é público e financiado com o dinheiro público. A premiação será de R$ 7 mil reais.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.