Poder

Cearense já recebeu neste ano quase R$ 30 milhões do governo

image-23

Empresário cearense Paulo Baltazar

A Clasi Segurança Privada, de propriedade dos empresários Paulo Baltazar e Pedro Ricardo Aquino, se tornou a empresa mais bem-quista no governo Flávio Dino. Em razão disso, fez da segurança privada dos órgãos públicos o seu próprio monopólio.

Em consequência desse “bem-querer”, os empresários vem lucrando altíssimo na gestão estadual. Somente em 2016, a Clasi faturou quase R$ 30 milhões com prestação de serviços para atender a demanda dos órgãos do Estado.

E o governo, ainda, vai desembolsar mais, pois os contratos firmados no primeiro semestre do corrente ano entre a empresa de Paulo Baltazar e Ricardo Aquino e as Secretarias Estaduais chegam a de R$ 126,8 milhões.

Em junho, o Blog publicou com exclusividade os detalhes de tais acordos contratuais celebrados com a Clasi (relembre aqui e aqui).

A “galinha dos ovos de ouro” dos empresários, ao que parece, ainda vai render bons frutos.

clasi4


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Empresa de Paulo Baltazar ganha mais R$ 4,6 milhões no governo Flávio Dino

Cearense Paulo Baltazar, dono de várias empresas que operam no governo.

Cearense Paulo Baltazar, dono de várias empresas que operam no governo.

O empresário cearense Paulo Baltazar encontrou sua galinha de ovos de ouro no  Maranhão. Em poucos anos, o homem de negócios viu sua fortuna se expandir de forma exponencial. As contratações eletrizantes firmadas desde o governo de Roseana Sarney  perduram na gestão de Flávio Dino.

Só esse ano, a Clasi Segurança Privada, uma das empresas de Baltazar, faturou uma bolada, que já ultrapassou os R$ 122 milhões (Reveja). Esse montante é fruto dos contratos gordos e encantadores celebrados com as Secretarias Estaduais de Educação (Seduc), Esporte (Sedel) e de Administração Penitenciária (Sejap); e, mais recentemente, com o Viva Cidadão.

No dia 11 de maio, a Classi garantiu mais uma vitória no Governo de Flávio Dino. Desta vez, com a Secretaria de Estado da Indústria e Comércio (SEINC). A pasta contratou a empresa pela quantia surpreendente de R$ 4.657.467,00 para fornecer mão de obra terceirizada e locação de equipamentos para a prestação de serviços de vigilância ostensiva armada e desarmada diurna e noturna, no período de 12 meses.

Percebe-se que a crise econômica, que assolou muitos empresários brasileiros,  não chegou nem perto dos negócios de Baltazar, que encontrou o paraíso nas terras maranhenses.

Curioso, é que em todos os acordos firmados entre a Clasi e o Governo do Maranhão só consta a assinatura do empresário Pedro Ricardo Aquino da Silva, sócio de Baltazar na empresa. Isso porque Baltazar pretende se resguardar para não prejudicar os negócios; uma vez que a outra empresa dele, a Gestor, foi alvo de várias denúncias de corrupção no gestão anterior.

1


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Empresa de vigilância ganha R$ 122,2 milhões em contratos no governo Flávio Dino

thumbnail_IMG-20160609-WA0039

Paulo Baltazar e Ricardo Aquino, donos da Clasi Segurança Privada.

Fundada desde 2003, a Clasi Segurança Privada, de propriedade dos empresários Paulo Baltazar e Pedro Ricardo Aquino, vem tendo grande ascensão no Maranhão, e por sua vez multiplicado mais a sua fortuna.

O motivo do súbito crescimento são os contratos milionários que a empresa de vigilância vem ganhando no estado, que tem sido uma verdadeira mina de ouro para os empresários.

Somente em 2016, a Clasi ganhou contratos exorbitantes que somados passam de R$ 122 milhões do Governo Flávio Dino, que por mês vai lhe render mais de R$ 10 milhões.

De acordo com o Diário Oficial do Maranhão, em abril, a empresa de Baltazar e Ricardo ganhou um contrato com cifras vultuosas das Secretarias Estaduais da Educação (Seduc), Esporte (Sedel) e de Administração Penitenciária (Sejap). O valor total do contrato é de R$ 131,908 milhões referente a 7 lotes, que serão distribuídos entre os 3 órgãos.

Desses 7, a Clasi ganhou 6 lotes, que deu no total de R$ 117,3 milhões. O último ficou com a empresa Alpha 5 Vigilância e Segurança Patrimonial, que abocanhou o contrato R$ 14.565.000 milhões.

Ainda segundo o DOE-MA, cada vigilante do período diurno custará ao estado R$ 7.076.96 mil e o noturno R$ 8.447.93 mil.

Os acordos contratuais não param por aí. Em maio deste ano, o Viva Cidadão também celebrou contratos com a Clasi e vai pagar o montante estimado de R$ 1.117.792.08 milhão, para que ela preste serviços de vigilância em postos do órgão em São Luís e no interior do estado.

Além do contrato já citado acima, a Secretaria de Educação, em dezembro de 2015, realizou mais um termo aditivo para a Clasi, por 6 meses, no valor de R$ 3.790.285.44 milhões.

Todos os acordos contratuais citados acimas tem vigência de 12 meses, ou seja, terão validade até abril e maio de 2017.

Ao que parece, quem tem se beneficiado com esses contratos milionários é o cearense Paulo Baltazar, que não “aparece” nos acordos contratuais, mas é o verdadeiro dono da Clasi Segurança Privada e também da empresa Gestor Serviços Empresariais Ltda, que faturou milhões no Governo Roseana (Reveja).

Clasi

Clasi4

Clasi5

Clasi2

Clasi3

clasi2 (1)

clasi3-768x260


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Empresário de Fortaleza se mantém no governo Flávio Dino com outra empresa

thumbnail_IMG-20160603-WA0081

Pedro Ricardo Aquino da Silva e Paulo César Baltazar Viana

A foto acima é dos empresários Pedro Ricardo Aquino da Silva e Paulo César Baltazar Viana, proprietários da Clasi Segurança Privada Ltda, que já faturou cifras milionárias no Governo Flávio Dino para atuar na vigilância de órgãos estaduais. Somente em 1 ano e 5 meses, a Clasi foi beneficiada com R$ 10.076.469,30 milhões.

E o responsável pela ascensão da empresa de vigilância é o Ricardo Aquino, considerado sócio minoritário, encarregado de articular contratos com valores vultuosos com as gestões públicas para a Clasi, pois tem bastante “influência” nos órgãos municipais e estaduais.

O empresário de Fortaleza (CE) Paulo César Baltazar, sócio majoritário da Clasi, com pouca influência no Maranhão, mas com uma habilidade incrível para os negócios, viu no governo estadual uma bela oportunidade de multiplicar os tentáculos e faturar milhões através de empresa de segurança.

Lucivânio Felix de Sousa.

Lucivânio Felix de Sousa.

Baltazar, além de ser dono da empresa citada acima, é sócio também da Gestor Serviços Empresariais Ltda, juntamente com Lucivânio Felix de Souza (foto à direita), natural também do estado do Ceará, que é proprietário, ainda da Maranhense Serviços Profissionais Ltda – Masp, empresa que detém contratos com a Administração Pública do estado.

A Gestor foi o ponto de partida para que os empresários cearenses se estabelecessem de vez no Maranhão, e com isso angariassem mais de R$ 100 milhões nos Governos Roseana Sarney e Flávio Dino, por meio da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Sejap).

Em consequência dos altíssimos montantes pagos pela Sejap, a Gestor foi alvo de várias denúncias de corrupção durante os anos de 2013 e 2014 e provavelmente perderá os contratos milionários que ainda possui com a gestão estadual.

Diante disso, Paulo Baltazar tem feito de tudo para continuar operando no Governo e se beneficiando com os acordos contratuais de valores vultuosos, inclusive se associando à Clasi.

clasi3

Registro Cadastral da Clasi obtido na Receita Federal.

clasi2

Registro Cadastral da Clasi obtido na Receita Federal.

Gestor

Registro Cadastral da Gestor obtido na Receita Federal.

Gestor3

Registro Cadastral da Gestor obtido na Receita Federal.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.