Saúde

Hospital Centro Médico é acusado negligenciar paciente

img-20161018-wa0055

Uma grave denúncia foi enviada ao Blog do Neto Ferreira acerca do Hospital Centro Médico, que fica localizado no Monte Castelo, em São Luís. Relatos revelam que há quase 40 dias um idoso de 85 anos vem sendo tratado de maneira humilhante na unidade hospitalar.

De acordo com informações dos familiares, o paciente foi hospitalizado para tratar uma pneumonia, após o tratamento foi verificado que o idoso precisava colocar uma sonda gástrica, pois por conta do conta do mal de Parkinson ficou impedido de ingerir alimentos.

E então foi solicitado ao Centro Médico que realizasse o procedimento, porém até o momento nada foi feito. De acordo com a família do paciente, já é quarta vez que o idoso tenta ser beneficiado e não consegue. “Não sabemos o que fazer. Meu avô está sem comer há dias e já é quarta vez que tentamos fazer com que ele passe pelo procedimento e nada. O hospital não nos dá uma posição. Está claro que o Centro Médico não tem estrutura alguma”, desabafou um dos familiares do idoso.

A família disse, ainda, o Centro Médico está negligenciando uma vida, pois nem os médicos e nem os enfermeiros conseguem fornecer qualquer suporte ou informação sobre o caso. “Quantas pessoas já não passaram por essa mesma situação? Já denunciamos o hospital nos órgãos competentes com intenção de resolver o nosso problema e dos demais, que por ventura, possam estar nessa mesma situação”, disse um familiar.

Em tempo: O rosto do paciente foi desfocado para preservar a sua identidade.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Judiciário / Saúde

Força-tarefa inspeciona hospitais privados de São Luís

Coren_foto

Por iniciativa do Ministério Público do Maranhão (MPMA), uma força-tarefa está vistoriando os hospitais privados de São Luís com o objetivo de aferir a qualidade do serviço prestado aos pacientes. A equipe é formada pela 2ª Promotoria de Justiça do Consumidor de São Luís, Conselho Regional de Enfermagem, Conselho Regional de Farmácia, Vigilância Sanitária Estadual, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial (Inmeq).

Além dos hospitais, estão sendo visitadas maternidades, clínicas (médicas, psiquiátricas e de pediatria) e laboratórios. O trabalho iniciou-se no dia 1º de março. Até o momento, foram inspecionados os hospitais UDI, São Domingos, Centro Médico e a clínica São José. A primeira etapa dos trabalhos será encerrada no dia 4 de abril. Neste mês de março, a força-tarefa ainda vai vistoriar nove estabelecimentos.

Idealizadora da ação, a promotora de Justiça Lítia Cavalcanti informou que estão sendo verificados aspectos como higiene, índice de infecção hospitalar, tempo de espera nas emergências, número proporcional de profissionais para a quantidade de pacientes, respeito ao atendimento prioritário, funcionamento adequado dos equipamentos, entre outros pontos, objetivando resguardar os direitos do consumidor.

O relatório das inspeções será divulgado à sociedade no próximo dia 5 de abril, quando serão relatados todos os problemas encontrados em cada estabelecimento e se as irregularidades foram solucionadas.

Como resultado parcial das vistorias, a promotora adiantou que um laboratório de um hospital foi fechado por falta de higiene e que já foi flagrado lixo hospitalar jogado em grande quantidade ao lado de uma clínica. Em um outro hospital, foi constatada a presença de número insuficiente de profissionais de enfermagem para a quantidade de pacientes.

SANÇÕES

Em caso de não adequação dos serviços, os estabelecimentos privados de saúde e seus responsáveis estarão sujeitos a sanções nas esferas judicial, administrativa e criminal. As consequências podem ser interdição parcial ou total, multas acumulativas e responsabilização civil e criminal. “Quem não quiser ser interditado, que tome as providências necessárias para adequar o atendimento e que comunique as medidas ao Ministério Público”, alertou a promotora.

Lítia Cavalcanti ressaltou, ainda, que a população pode denunciar irregularidades encontradas em hospitais e clínicas de São Luís por meio do telefone da Ouvidoria do Ministério Público do Maranhão: 0800 098 1600.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.