Poder

Ministério Público apura pagamento de empresas beneficiadas na gestão Castelo

A Assessoria Técnica da Procuradoria-Geral de Justiça está concluindo a análise dos processos de pagamento de despesas efetuadas pela Prefeitura de São Luís no final de 2012 e que teriam motivado o não pagamento dos salários dos servidores municipais referentes ao mês de dezembro.

A situação levou a procuradora-geral de Justiça do Maranhão, Regina Lúcia de Almeida Rocha, a instituir uma comissão especial para apurar as causas da inadimplência do município.

Após a análise e emissão de parecer conclusivo pelos técnicos da PGJ, os processos retornam para a comissão especial, que irá adotar as providências cabíveis. A comissão é integrada pelos promotores de justiça João Leonardo Pires Leal, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, Justino da Silva Guimarães, da 6ª Promotoria Criminal, Valdenir Cavalcante Lima, da 15ª Promotoria de Justiça Cível.

No decorrer dos trabalhos, foram solicitadas, por meio de ofícios, informações das Secretarias Municipais da Fazenda (Semfaz) e da Administração (Semad) de São Luís. Em resposta, os gestores dos órgãos, Sueli Bedê e Ricardo Carreira, respectivamente, afirmaram existir insuficiência de recursos nos cofres municipais para efetuar o pagamento dos salários atrasados de dezembro de 2012 do funcionalismo público.

Por esse motivo, a atual gestão, em acordo com o Sindicato dos Servidores, regularizou o pagamento do salário de dezembro de 2012 em três parcelas.

A comissão também notificou os ex-gestores da Fazenda municipal para prestarem esclarecimentos sobre a questão. José Mário Bittencourt, Mariano Ferreira de Almeida e Maria de Jesus Fonseca Penha, que exerciam, respectivamente, os cargos de secretário, secretário-adjunto e superintendente financeira foram ouvidos pelos promotores de justiça.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Política

Cefor recebeu quase R$ 300 mil no apagar das luzes de João Castelo

Empresa recebeu no apagar misteriosamente no apagar das luzes.

Empresa recebeu no apagar misteriosamente no apagar das luzes (documento extraído do Blog Gilberto Leda)

O Ministério Público Estadual (MPE) tem combatido a prática de prefeitos que, em fim de mandato, fecham contratos nos últimos dias da gestão ou fazem pagamentos escandalosos no apagar das luzes. Dito isto, torna-se importante trazer à luz um pagamento realizado no dia 27 de dezembro para a empresa Cefor Segurança Privada Ltda., em São Luís.

Relatório feito pela Controladoria Geral de São Luís revela movimentações da gestão do ex-prefeito João Castelo em pagamentos como – por exemplo-, a Cefor recebeu R$ 298 mil. A empresa que tem como sócios Domingos Alcântara (fundador), Luis Alvim, entre outros.

Luis Alvim além de ser sócio de Domingos Alcântara na Cefor e faturar no apagar das luzes, também é dono da empresa Pavitec que recebeu mais de R$ 6 milhões. De acordo com informações, o economista Ricardo Cordeiro Gonçalves, primo de João Castelo, também vem a ser sócio da CEFOR e sócio oculto da Pavitec.

A Cefor ganhou destaque entre as empresas, após ser agraciada em 2007 através de contrato com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), que tinha como presidente o ex-prefeito de São Luis, João Castelo. Na época, a Cefor abocanhou um contrato de R$ 4,2 milhões e pasmem: tudo com dispensa de licitação. Um verdadeiro escândalo.

Ricardo Cordeiro Gonçalves que, diga-se de passagem, já foi preso pela Polícia Federal com 1kg de cocaína, trazendo de uma cidade do Paraguai. Ele foi condenado a 6 anos e 4 meses de reclusão por contrabando e tráfico internacional de entorpecentes, e cumpriu parte da pena no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Mesmo depois de tudo isso, a empresa Cefor que tem como dono Domingos Alcântara, Luis Alvim e Ricardo Cordeiro Gonçalves, recebeu a bagatela de R$ 298. 466, 50.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Cidade

Empresa de segurança ‘Cefor’ atrasa salários de funcionários

Os funcionários da empresa Cefor Segurança Privada Ltda., em São Luís, reclamam que estão há mais de 35 dias com salários atrasados – benefício esse referente ao mês de outubro.

Os servidores ligados a Cefor atuam para os setores públicos estaduais e municipais além de empresas privadas.

De acordo com vários trabalhadores que andam chateados com a empresa, é estimável que aproximadamente centenas de funcionários estejam com os vencimentos atrasados.

“Hoje Trigésimo quinto dia (35º), o que a empresa pode liberar foi somente os contra cheques, não sabemos o porquê desse atraso, uma empresa deste porte não poderia deixar os pais de família em más condições”, disse o funcionário antigo da empresa.

A empresa foi procurada pela equipe do blog em contato telefônico para prestar esclarecimentos acerca do pagamento, mas não conseguimos contactar pelo telefone  com a pessoa responsável a dá os esclarecimentos sobre o atraso nos pagamentos dos funcionários.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.