Crime

Contradições na reconstituição do crime do advogado Brunno Matos

Foi marcado de contradições, na madrugada desta quarta-feira (19), a reconstituição do crime que resultou na morte do advogado Brunno Matos, em outubro, na Rua dos Magistrados, no bairro do Olho d’Água.

Sob comando dos peritos do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim), em conjunto com delegados do Departamento de Homicídios e do Habitacional Turu, responsáveis pelo caso, a ação contou com a presença dos acusados e das demais vítimas do caso.

O primeiro a reproduzir sua versão dos fatos da noite do crime foi Alexandre Soares, irmão do advogado Brunno Matos que, também, sofreu um golpe de faca no abdômen. Em seguida, foi a vez dos acusados, Carlos Humberto Marão, e o vigilante do local João José Nascimento Gomes. Marão negou ter desferido golpes contra as vítimas, enquanto o vigia novamente confirmou a autoria do golpe que atingiu as costas da terceira vítima Kelvin Shiyangue que, também, foi ouvido no local
Wesley Carvalho e Kelvin Shiyangue, testemunha e vítima, respectivamente, também foram ouvidos.

Encerrando a simulação, Diego Polary, o terceiro indiciado, voltou a negar que estava presente na cena do crime, fato que é contestado por duas das vítimas.

Alexandre aponta ainda ter sido Diego o responsável pelo golpe que o acertou. Foram quase cinco horas de trabalho para que toda a cena de reconstituição do crime fosse finalizada.

A arma do crime, que pertence ao vigia, está sendo periciada para identificação de DNA. Foram feitos ainda exames nas lesões das vítimas e corpo de delito, todos já encaminhados para a delegacia.
De acordo com o diretor do Icrim, Carlos Henrique Roxo, apenas a identidade do autor do golpe que vitimou o advogado Brunno Matos ainda está pendente.

O delegado Jeffrey Furtado, titular da Delegacia de Homicídios, ressaltou a importância da reconstituição da cena do crime para finalizar as investigações. “Após a reprodução simulada é possível saber o que não está encaixando e o que estava faltando no caso. É uma das últimas peças de análises da investigação”, explicou. Segundo ele, até o final da semana já deve ser encaminhado os autos à justiça.

Participaram como apoio da ação, cerca de trinta policias militares e agentes da Secretaria Municipal de trânsito e Transportes (SMTT), que auxiliaram no isolamento do local utilizado na reconstituição.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Crime

Reconstituição do crime do advogado Bruno será feita no dia 19

A reconstituição do crime que resultou na morte do advogado Bruno Matos em outubro na Rua dos Magistrados, no bairro do Olho d’água será realizada na próxima quarta-feira (19). A data foi definida durante reunião nesta quarta-feira (12) na sede da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), pelo subdelegado Geral da Policia Civil, Augusto Barros, e a equipe do Departamento de Homicídios responsável pelo caso.

Participarão da reconstituição, que iniciará às 5h, mesmo horário do crime, os acusados e as outras duas vitimas, técnicos do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim), policiais militares e equipes da Delegacia de Homicídios e do Habitacional Turu. Será solicitado também apoio da Secretaria Municipal de trânsito e Transportes (SMTT) para isolamento do local que será utilizado.

De acordo com o subdelegado Geral Augusto Barros, o momento será fundamental para entender como ocorreu o caso e fechar as pontas que faltam para conclusão da investigação. “Com os resultados de algumas pericias aliadas ao que for averiguado durante a reconstituição devem ser esclarecidas algumas duvidas restantes”, explicou.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Maranhão

Polícia pede prorrogação sobre inquérito do advogado Brunno Matos

G1MA

Após as declarações contraditórias do vigia João José Nascimento, que trabalhava na rua no dia do crime, a Polícia Civil decidiu pedir ao Poder Judiciário uma prorrogação de mais 30 dias para poder concluir o inquérito sobre a morte do advogado Brunno Matos. O vigia confessou a polícia, depois negou na sede da OAB. Por decisão da Justiça João José foi preso.

Carlos Humberto Marão Filho sendo conduzido pelo policiais

Carlos Humberto Marão Filho sendo conduzido pelo policiais

Segundo o subdelegado-geral Augusto Barros, o vigia participou da morte do advogado e de duas tentativas de homicídio. “Para a Polícia Civil ele teve participação. Não podemos é falar sobre toda esta extensão dessa participação. Enquanto as investigações perdurarem nós estamos produzindo novas provas para podermos fechar o entendimento completo sobre a dinâmica do crime”.

Até o momento, Carlos Humberto Marão Filho continua preso. O estudante Diego Polary foi indiciado pela Polícia Civil. Para o subdelegado-geral, tanto Carlos Humberto como o estudante Diego possuem provas que os incriminam para a cena do crime.

“Temos algumas provas contra o Marão, contra o Diego e temos também contra o vigilante. Então, na medida na robustez de provas que temos com cada um dos investigados é que nós vamos propondo as medidas mais necessárias”.

Durante esses 30 dias deverão ser realizadas acareações, e até a reconstituição do crime. Imagens do sistema de monitoramento eletrônico da rua estão sendo analisadas pelo ICRIM. Até a Polícia Federal poderá ajudar nas investigações por meio de provas técnicas.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Poder

Vigilante inocenta Diego Polary e Marão e diz ter matado advogado em festa de Roberto Rocha

Aconteceu uma reviravolta na conclusão do inquérito do assassinato ocorrido na porta da festa promovida pelo futuro senador Roberto Rocha após um dos interrogados confessar o crime.

De acordo com o depoimento colhido pelo delegado Márcio Dominici, o vigilante João José Nascimento Gomes confessou que assassinou o advogado Brunno Matos.

No depoimento, ele afirmou que cometeu o crime ao tentar defender Carlos Humberto Marão, que foi o responsável pelo inicio da confusão na porta da festa.

Com a conclusão do inquérito, o delegado deve soltar Humberto Marão e Diego Polary será indiciado pelos depoimentos de acusação de participar do assassinato no bairro do Olho D’água, em São Luís.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.