Política

Paladinos da moralidade…

15 de março de 2017 será o dia em que ficará marcado na história como algo vergonhoso na vida pública dos deputados Bira do Pindaré e Marco Aurélio.

Ambos defensores dos oprimidos e participantes ativos da militância sindicalista, protagonizaram uma cena lamentável e de total desrespeito durante a votação da Medida Provisória 230/2017, na Assembleia Legislativa, na última quarta-feira (15).

Parlamentares do PSB e PCdoB, também professores de carreira, traíram a sua classe da maneira mais pífia que poderia existir, para atender a hierarquia política, exibindo o caráter e manchando também as imagens de paladinos da moralidade.

Bira e Aurélio votaram a favor da MP que trata de um reajuste que não incide sobre o vencimento e sim sobre a Gratificação por Atividade no Magistério (GAM), o que vai de encontro com que diz o artigo 32 do Estatuto do Magistério.

Mesmo com a presença dos professores na sessão de votação, os parlamentares não se intimidaram e foram de encontro com o que sempre defenderam, principalmente Marco Aurélio, que é professor de matemática e dono de curso preparatório. Ele foi eleito com a promessa de que daria voz ao educador, mas não é isso que vem acontecendo.

No dia da sessão, os deputados ganharam a pecha de traidores, e eles merecem, sim, essa alcunha! Afinal, traíram não somente os profissionais, mas todo o sistema educacional.

Infelizmente, no Brasil, o poder corrompe o caráter político e expõe ao ridículo, inclusive, os paladinos da moralidade, a exemplo de Bira e seu amigo de parlamento, Marco Aurélio.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários