Política

Governador do Maranhão critica greve dos policiais: ‘não é razoável’

Governo defende que servidores receberam ganhos reais de R$ 1,5 mil. Presidente do Sinpol-MA rebate: 'não é razoável privilegiar algumas classes'.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou as redes sociais nessa terça-feira (22) para criticar a greve dos policiais civis do Estado. Desde a última sexta-feira (18), a categoria retornou à paralisação em todo o Maranhão para solicitar reajustes no salário. Peritos e delegados não aderiram à greve. Em todo o Estado, são 2.116 policiais civis.

“Não é razoável greve por conta de reivindicações a serem debatidas em 2016. Com o detalhe de que a classe tem aumento de remuneração em 2015”, diz o governador. “Greve é recurso extremo, excepcional, especialmente quando envolve serviços essenciais à população. Por isso, peço razoabilidade”, completa.

O governo afirma que os servidores da Polícia Civil receberam aumento de salários, com ganhos reais que chegam a R$ 1,5 mil, incremento de 30 porcento. Segundo o governo, as remunerações ficaram em R$ 4.900,90 em início de carreira e R$ 6.829,71 aos de nível mais alto; e garante que o reajuste influiu sobre benefícios como verbas de retribuição por Exercício em Local de Difícil Provimento, auxílio alimentação, adicional noturno (10 porcento) e adicional de insalubridade (30 porcento). Além disso, diz que concedeu abono de permanência e Gratificação de Natureza Técnica (GNT).

Contra-ataque
Em entrevista, o presidente Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol-MA), Heleudo Moreira, rebateu as declarações do governador Flávio Dino. “Não é razoável por parte dele privilegiar algumas classes, algumas categorias. Se o governador não fosse levado pela vaidade, se ele assumisse e recebesse a categoria, ele poderia corrigir distorções ampliadas no seu governo”, declarou.

De acordo com o Sinpol-MA, o salário de um policial civil em início de carreira chega a R$ 3,9 mil, e continuará assim até 2016. Já o salário de um delegado em início de carreira, segundo o sindicato, é atualmente de R$ 16 mil e, com acréscimo até o início do segundo semestre 2016, pode chegar a R$ 19 mil. (Do G1MA)


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

6 comentários em “Governador do Maranhão critica greve dos policiais: ‘não é razoável’”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. rafael

    A greve está sendo levada por vaidade e sem nenhum interesse com a população que é penalizada. Se querem aumento, que façam sua greve mas com o mínimo de 30% trabalhando. Querem salários maiores, só vêem o próprio umbigo. E a população. Depois vem falar de classe privilegiada.

  2. rafael

    A greve está sendo levada por vaidade e sem nenhum interesse com a população que é penalizada. Se querem aumento, que façam sua greve mas com o mínimo de 30% trabalhando. Querem salários maiores, só vêem o próprio umbigo. E a população. Depois vem falar de classe privilegiada.,

  3. FUNC. PUBLICO

    Esse governo é mentiroso e falso, fica enganando o povo… engraçado que dizem que os Policias não estão se importando com a população… e a população que nunca se importou com os Policias… isso não se fala… Pensem nas melhorias para os policias também… o governo está colocando a população contra os Policias dizendo que deu aumento para que a população fique contra os policias.

  4. Fernando

    Esse governador Twitter só sabe fazer isso mesmo, postar seus devaneios e criticas no mundo virtual. Verdadeiro administrador e lider procura conversar com grupos insatisfeitos, não ficar criticando através de redes sociais. Vergonhoso pra quem se dizia que iria mudar o maranhão.

  5. eduardo moreira

    Engraçado que eles so se comparam aos delegados. Por que não se compara a analistas judiciários, oficiais de justiça?? Delegado possui atribuições e responsabilidades totalmente diferentes!!! Vejo analista reclamando do salario do juiz. E olha que juiz ganha 30 mil e analista 7.

  6. jOÃO

    DEMITIA TODOS FOSSE EU!!!!!

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários