Política

Lobistas citados na Lava Jato foram à Petrobras 2,2 mil vezes em 14 anos

Petrobras registra 2.226 visitas de 10 lobistas investigados entre 2000 e 2014.

Do G1 e da TV Globo, em Brasília

A pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Petrobras informou à Justiça Federal do Paraná que 10 pessoas suspeitas de intermediar pagamentos de propina no esquema de corrupção que atuava na estatal fizeram 2.226 visitas à sede da empresa, no Rio de Janeiro, entre 2000 e 2014. De acordo com os registros da petroleira entregues na última quinta-feira (30), os operadores que mais circularam pela companhia ao longo de 14 anos foram Luis Eduardo Campos Barbosa (727 visitas) e Zwi Skornicki (532).

Campeão de visitas à Petrobras, Barbosa é apontado pelo MPF como sócio de Júlio Faerman, representante da empresa holandesa SBM Offshore, suspeita de pagar propina a funcionários da estatal do petróleo para obter contratos. O ano em que Barbosa mais visitou a empresa foi 2009, quando ele foi 139 vezes à sede da companhia para se reunir, entre outras pessoas, com o ex-diretor de Serviços Renato Duque e com o ex-gerente Pedro Barusco.

Duque e Barusco são réus em processos da Operação Lava Jato que tramitam na Justiça Federal do Paraná. Acusado de receber propina de fornecedores da empresa, o ex-diretor está preso desde março, em Curitiba. Já Barusco, um dos delatores do esquema de corrupção, está em liberdade.

Em seu acordo de delação premiada, Barusco acusou o PT de receber entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões em propina oriunda de contratos da estatal. O ex-gerente afirmou que os valores se referem a propina em 90 contratos da Petrobras com grandes empresas fechados entre 2003 e 2013, durante os governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

O segundo lobista que mais visitou a Petrobras de 2000 a 2014 é o engenheiro Zwi Skornicki, que era o representante oficial no Brasil do estaleiro Keppel Fels. Os procuradores da República afirmam que Skornicki era responsável por repasses ao PT por meio do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, preso pela Lava Jato.

Os registros da estatal demontram que Skornicki tinha acesso franqueado aos gabinetes da cúpula da Petrobras. Entre 2006 e 2014, o engenheiro se reuniu com os ex-presidentes da empresa Graça Foster e José Sergio Gabrielli, com os ex-diretores Renato Duque (Serviços), Nestor Cerveró (área internacional) e Jorge Zelada (Internacional), além do ex-gerente Pedro Barusco.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários