Política

Pedro Fernandes se complica com greve dos professores

“O Estado passa vários meses com a proposta engavetada e em vez de mandá-lo para o legislativo resolve mudar o texto”, disse o presidente do Sinproesemma.

Os alunos da rede estadual de ensino estão sem aula desde hoje (23) e ainda não sabem quando terão as suas atividades escolares retomadas.

A principal motivação da greve dos professores, por tempo indeterminado, é que desde 2011 os trabalhadores em educação pública aguardam o governo enviar o Estatuto do Educador para ser aprovado na Assembleia Legislativa.

A luta dos trabalhadores é uma bandeira defendida pela liderança da
oposição que há alguns meses se reúne com a categoria e cobra do governo o envio do Estatuto.

“Já aguardamos todos os prazos e não podemos mais esperar nenhum dia. Foi montado um grupo de trabalho para encontrar, em horas, a decisão definitiva sobre o Estatuto”, afirmou o líder da oposição Rubens Jr.

Depois de algumas reuniões e acordos feitos, o texto final acordado entre governo e sindicalistas foi modificado com mais de 30 artigos alterados.

“O Estado passa vários meses com a proposta consensual engavetada e em vez de mandá-lo para o legislativo resolve mudar o texto”, disse Júlio Pinheiro, presidente do Sinproesemma.

Sem o consenso e aprovação do Estatuto, os trabalhadores anunciam greve por tempo indeterminado.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Pedro Fernandes se complica com greve dos professores”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Buriti-bravense

    esse secretário eh do mesmo saco de farinha pobre de onde saiu a familia sarney. o professor do marãnhçao tem péssimas condições de trabalho, tem que se virar nos 31 e ainda querem tirar seus poucos direitos. Um cabra desse merece mesmo mesmo é ir pra sala de aula pra ver quanto sofre um professor. o governo que aprovar esse estatudo fuleiro porque quer desmoralizar a educação do maranhão ainda mais.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários