Poder

Polícia prende mais um envolvido na morte do publicitário Diogo Campos

Mais um envolvido na morte do publicitário Diogo Adriano Costa Campos, sobrinho do ex-presidente José Sarney, foi preso em São Luís.

Segundo informações policiais, a prisão ocorreu em flagrante delito na tarde de quarta-feira (12) pela Polícia Civil. O indivíduo foi identificado como J.V.M.N, vulgo “Corea” e estava com uma motocicleta roubada.

Na ocasião, deu cumprimento a mandado de prisão preventiva em seu desfavor por ter subtraído veículos no bairro Calhau.

No caso específico, o suspeito foi capturado pela equipe de capturas da DRFV no bairro da cidade operária, onde estava na posse de uma moto roubada, na data de 30 de julho desse ano, no bairro São Raimundo.

O suspeito já vinha sendo procurado pela Polícia Civil Civil, pois teve envolvimento no roubo de um veículo FIAT ARGO de cor vermelha, que foi roubado, no dia 13 de julho, no Barramar, e utilizado no homicídio do publicitário Diogo Adriano Costa Campos, crime ocorrido na Lagoa da Jansen, no dia 16 de julho.

Desde, então, a Polícia Civil estava fazendo diligências no sentido de localizá-lo e prendê-lo. Após as formalidades legais o suspeito foi encaminhado para o complexo penitenciário de São Luís onde ficará à disposição da Justiça. Os veículos roubados e recuperados, após as formalidades legais, foram devidamente restituídos às vítimas.

No final de junho, Raimundo Cláudio Diniz se entregou à polícia e confessou ter matado o sobrinho de José Sarney após uma discussão no trânsito na Lagoa da Jansen (reveja aqui).

Entenda o caso

No dia 16 de junho, Diogo Campos foi assassinado após uma briga de trânsito na Lagoa da Jansen, em São Luís. Imagens de câmera de segurança identificaram a placa do veículo e a polícia chegou até Ayrton Campos, que foi preso como principal suspeito do crime.

No entanto, Ayrton negou a autoria do disparo, mas mesmo assim foi preso encaminhado para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Dias depois, surgiram novas imagens onde mostravam que Campos estava na oficina do pai quando o assassinato ocorreu.

Após a perícia policial, foi constatado que o carro do pai de Ayrton, um Fiat Argo vermelho teria clonado, e ele foi solto.

Na manhã desta sexta-feira (26), o verdadeiro autor do crime se apresentou à polícia e confessou a execução.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários