Poder

Ângela Salazar afirma que “acordo de cavalheiros” terá que ser respeitado no TJ

Candidata a Corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA), a desembargadora Ângela Salazar conversou com o editor do Blog do Neto Ferreira, nesta terça-feira (15), e afirmou que o “acordo de cavalheiros” firmado na Corte tem que ser respeitado.

A declaração da togada refere-se a quebra do ajustamento por parte de seu opositor nas eleições, o desembargador José Joaquim Figueiredo dos Anjos, atual presidente do Tribunal de Justiça. Joaquim foi corregedor do TRE entre biênio 2009/2011, e, conforme o “acordo de cavalheiros”, ele deveria abdicar da candidatura, já que assumiu o cargo e, por isso, teria que se insentar de concorrer para que outros magistrados possam se viabilizar como candidatos à vaga.

“Isso foi até questão de ordem levantada pelo desembargador Raimundo Barros em uma sessão que eu participei e eu acompanhei nessa questão de ordem. Quando foi feito esse ajustamento, esse acordo, eu não fazia parte dessa Corte de Justiça, mas se é acordo tem força de lei, se existe esse acordo tem que ser respeitado”, explicou Ângela Salazar.

Durante a conversa, a desembargadora comentou os motivos pelos quais a levaram a concorrer ao cargo de corregedor do TRE. Segundo ela, se trata de uma candidatura de representatividade tanto pelas mulheres magistradas quanto pelos colegas de profissão que ainda não tiveram a oportunidade de se viabilizar para uma disputa no Tribunal de Justiça.

“O propósito é fortalecer o trabalho que já está sendo desenvolvido pelo desembargador Cleones [Cunha], desembargador Tyrone [Silva], eu também acredito que a minha candidatura é uma candidatura de representatividade, representa aqueles colegas, os meus pares que nunca tiveram uma oportunidade de, sequer, se viabilizarem para uma disputa aqui no TJ e também acredito na democratização do Poder Judiciário maranhense. E eu tbm digo que a minha candidatura é de representatividade porque vai representar a mulher magistrada na Corte Eleitoral, pois há alguns anos que não se vê uma desembargadora titular naquela Corte”, disse.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

2 comentários em “Ângela Salazar afirma que “acordo de cavalheiros” terá que ser respeitado no TJ”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. jose carlos silva

    A nobre desembargadora Ângela Salazar respeitou o ” acordo de cavalheiros ” na última eleição do Tribunal onde pelo ” acordo de cavalheiros ” Nelma seria a Presidente e José Joaquim resolveu concorrer e ganhou? O Pau que bate em Chico também bate em Francisco.

  2. Wescley Warwick

    Ao contrário do que afirmou a nobre magistrada, “acordo de cavalheiros” não tem força de lei. Vai do caráter de cada um cumprir com aquilo que foi acordado, mas caráter é um predicado que muito sujeito metido a sério não tem. Querem um exemplo? Perguntem para o atual presidente do TJMA se ele cumpriu o tal “acordo de cavalheiros” no sentido de abdicar de sua candidatura em favor da Desa. Nelma Sarney, que pelo acordo histórico deveria ser eleita, por aclamação, a mandatária da corte maranhense. Pelo visto, José Joaquim entrará para a história do TJ como um especialista em “desacordos”, ou seja, passar os seus pares para trás.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários