Poder

Auditoria afirma que empresa de Teresina sublocou veículos ilegalmente em Timon

Uma auditoria realizada pela Controladoria-Geral da União identificou sublocação irregular de veículos para o transporte escolar em Timon.

Segundo relatório obtido pelo Blog do Neto Ferreira, a LC Veículos Eireli, conhecida no mercado como Locar Transportes, localizada em Teresina (PI) formalizou diversos contratos com proprietários de veículos, abrangendo o abastecimento, manutenção, conservação, remuneração do condutor do veículo, dentre outras, em troca de uma remuneração a título de prestação de serviços com o intuito de cumprir o contrato firmado com a Prefeitura de Timon.

De acordo com os auditores da União, o contrato de sublocação não tem respaldo na legislação, tampouco na jurisprudência do Tribunal de Contas da União (TCU). “No caso do transporte escolar, o TCU determina que os editais dos certames licitatórios vedem a possibilidade de sublocação parcial do objeto. Mais ainda, a subcontratação do objeto é um dos casos elencados para a rescisão contratual.”

O documento afirma ainda que mesmo ilegalmente a empresa sucontratou o serviço de transporte escolar em Timon entre os anos de 2017 e 2018.

A CGU detectou que os veículos utilizados no transporte escolar no município são velhos e precários, colocando em risco a vida de muitas crianças e adolescentes.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Auditoria afirma que empresa de Teresina sublocou veículos ilegalmente em Timon”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Roberto

    Ano passo, a Locar Transporte, juntamente com outras empresas do ramo de locação de veículos, foi alvo de uma operação de combate à desvio de recursos da Secretaria de Educação do Estado do Piauí, deflagrada pela PF e CGU. Um dos alvos da investigação, o proprietário da Locar Transportes, foi preso lor determinação judicial. Bem, com esse curriculo deletério, o contrato firmado entre essa empresa é a Prefeitura de Timon não poderia render benefício ao interesse público , pelo contrário, ocasionou dano e prejuízo. Cadê o Ministério Público e o Judicirio?

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários