Poder

Jefferson Portela mandou investigar Josimar de Maranhãozinho, diz delegado

O secretário de Segurança Pública do Maranhão, delegado Jefferson Portela, mandou que fosse aberta uma investigação contra o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PR) e retirar o nome do superintendente de Articulações da Baixada, Penaldon Jorge, do bojo da investigação que resultaria na 2ª fase da “Operação Jenga”, segundo revelou a nova carta escrita pelo delegado Ney Anderson Gaspar, ex-chefe do Departamento de Combate ao Crime Organizado.

O documento faz parte da série de denúncias feitas a príncipio pelo ex-delegado Tiago Bardal (reveja aqui) e reforçadas por Anderson em outra carta divulgada por este Blog, na qual relata ordens do chefe da pasta para investigar, monitorar desembargadores e grampear familiares de magistrados (relembre o caso).

Portela chegou a negar as acusações e classificou o teor da primeira carta como mentirosa (releia aqui). A denúncia motivou o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), José Joaquim Figueiredo dos Anjos, a exigir uma investigação rigorosa para apurar as denúncias sobre espionagem a desembargadores do TJ e difamação a juízes (reveja).

No texto, obtido com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira, Gaspar acusa, ainda, Portela de chamar Maranhãozinho de “Zé Gerardo do Maranhão”, considerado na época um dos maiores chefes do crime organizado do Estado. O delegado diz também que o secretário ordenou a retirada de policiais militares e delegado ligados ao parlamentar das áreas de influência política do mesmo, pois ele, na época, era oposição ao governo Flávio Dino na Assembleia Legislativa.

“Pediu para investigássemos o deputado Josimar de Maranhãozinho, chamando-o de o novo ‘Zé Gerardo do Maranhão'”, ressaltou o delegado, também relatando que o secretário chamava Maranhãozinho de maior bandido em atividade do Maranhão atualmente.

Em outro trecho da carta, o ex-chefe do DCCO dá mais detalhes das intenções e atitudes nada republicanas do titular da SSP, que, segundo ele, tiveram motivações exclusivamente políticas.

Ney afirmou que Jefferson interferiu diretamente nas investigações da Operação Jenga, após saber que um integrante do governo figurava no bojo da apuração e mandou retirar o nome do auxiliar. O secretário chegou criticar a nomeação e chamou o governador Flávio Dino de “doido”.

Penaldon Jorge ao lado do ex-secretário de Articulação e atual deputado federal Márcio Jerry.

Penaldon Jorge ao lado do ex-secretário de Articulação e atual deputado federal Márcio Jerry.

O membro da gestão estadual citado é o ex-deputado Penaldon Jorge, que foi nomeado como Superintendente de Articulação Regional de Pinheiro pelo ex-secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry. Atualmente, Jerry ocupa uma cadeira na Câmara Federal.

“O caso do ex-deputado Penaldon Jorge, que poderia ser indiciado no bojo do inquérito da operação ‘Jenga’, fase 2, ou ter a sua prisão temporária decretada, foi nomeado superintendente de Articulação da Baixada, onde foi dito ao secretário que isso traria prejuízo a imagem do governo, e o mesmo respondeu: ‘não bota esse, parece que esse governador está ficando doido'”.

No documento (veja abaixo), Gaspar narra como o secretário tentou prender o ex-deputado Alberto Franco e como ocorreu a prisão de um policial militar em um final de semana. Para ele, a tentativa de prisão do ex-parlamentar teria fundo pessoal-político.

“Em pleno sábado convocou [Jefferson Portela] este subscritor, o ex-superintendente da Seic, Bardal, e o delegado Renê, para fazermos um suposto flagrante contra um policial militar e um pedido de prisão preventiva contra o ex-deputado Alberto Franco. Após análise jurídica do fato e percebendo o interesse pessoa do secretário que estava lá durante um final de semana, induzindo o depoimento de eventuais vítimas, flagrante assinado na ocasião apenas pelo então superintendente [Tiago Bardal]. Mais um típico caso do uso do cargo de secretário para fazer politicagem”

Delegado Lawrence Melo abraçado com o secretário de Segurança Jefferson Portela.

Delegado Lawrence Melo abraçado com o secretário de Segurança Jefferson Portela.

Mais um ponto colocado pelo delegado foi a exoneração do delegado Lawrence Melo da Delegacia Geral de Polícia Civil, inclusive fala que Melo foi chamado de traidor por Portela.

Em seguida, Ney Anderson aumenta o tom das acusações contra o chefe da pasta e afirma que o auxiliar do governador tem objetivo claro, que é conseguir uma vaga de deputado. “Seu objetivo é meramente eleitoreiro visando uma vaga para deputado e para tal é capaz de tudo”. Ele negou, ainda, qualquer relação com o ex-delegado Tiago Bardal.

Outro lado

Alberto Franco, ex-deputado estadual, afirmou que não irá se pronunciar sobre o caso.

O delegado e presidente da MOB, Lawrence Melo, informou que cumpriu a missão quando exerceu o cargo de delegado geral da Polícia Civil, sendo leal ao chefe hierárquico e aos subordinados da corporação.

Procurados, a Secretaria de Segurança Pública, deputado federal Márcio Jerry, secretário de Articulação Rodrigo Lago, procurador Geral de Justiça Luíz Gonzaga, o presidente da Assembleia Legislativa e o deputado federal Josimar de Maranhaozinho não se pronunciaram até o fechamento desta reportagem.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

9 comentários em “Jefferson Portela mandou investigar Josimar de Maranhãozinho, diz delegado”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Pedro Rafael Lima

    Esse Secretário com sua arrogância nunca enganou ninguém. O pouco que conheço o Delegado Ney Anderson, sei que é o cara correto. Governador, já passou da hora desse secretário cair.

  2. Célio Brás

    Neto, se o governador fosse um homem sério o Secretário Portela já estaria afastado e todas essas informações apuradas com rigor. O problema é que fatalmente tudo é verdade e o Secretário provavelmente não faz tudo sozinho. FLÁVIO DINO o povo quer uma resposta. Saia da Internet, saia da sua gula e arrogância, ou então volta para teu escritório de advocacia.

  3. Agente

    Operação Jenga foi uma OPERAÇÃO POLÍTICA. Operação cheia de vícios. Essa operação tendenciosa que tinha objetivo atender interesses políticos do Secretário de Segurança e do Governador, queria prender adversários políticos… Operação com DESVIO DE FINALIDADE. Operação conduzida por um Delegado que hoje está expulso da Polícia Civil por condutas de corrupção. O próprio delegado Ney Anderson deixa claro isso, que a finalidade da operação não foi atingida, pois contrariou as expectativas do Secretário de Segurança e do Governador.

  4. Rodrigo silva

    Vergonha esse secretário utilizando a polícia para fazer política.
    Totalmente incompetente para continuar no cargo

  5. Josélia gomes

    Desde o começo achei estranho as acusações contra o delegado bardal sendo um delegado que mais prendeu assaltantes de banco em sua gestão na Seic é combateu o crime organizado. No comunismo é assim se vc não seguir a cartilha virá inimigo número 1 do estado.
    Vergonha que absurdo.

  6. Juizite

    Agora precisa-se saber é qual motivação o delegado Ney Ânderson Gaspar, ex-Chefe do Departamento de Combate ao Crime Organizado, teria pra delatar os supostos atos procedimentais ilegais do secretário de Segurança do MA Jefferson Portela e se este agiu por sua própria deliberação? E também o porquê do Portela não só espionar magistrado parente de aliado político do Governo como mandar abrir investigação contra políticos aliados, “in casu” o Josimar de Maranhãozinho, revelado agora por essa postagem.

  7. Murilo Martins

    De todos os nomes envolvidos, o único que tenho certeza que é inocente, é o Penaldon Jorge. Ele não se envolve nisso. 😂😂😂

  8. Celso Albuquerque

    Pelo que se depreende das duas cartas subscritas pelo delegado Ney Gaspar, o Governo Flávio Dino como sempre se falou no Maranhão inteiro, usava a máquina estatal desta feita a SSP pra chantagear e posteriormente cooptar políticos. O mesmo raciocínio vale pra magistrados, seus assessores e seus parentes que têm o rabo preso em algo e que geralmente julgavam e torciam contra ou a favor dos Leões e eram simpáticos ou não ao Governo atual! Tudo isso é muito grave, num estado sério a essa altura esse secretario já estaria afastado e teria sido interrogado pra dar nomes de quem lhe ordenava fazer tamanha barbaridade, doesse em quem doesse.

  9. Ricardo

    Aí não tem nenhum santo.
    O menos bandido cheira pó de espoleta.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários