Poder

PGJ não vai se manifestar sobre tentativa da SSP de investigar desembargadores

A Procuradoria Geral de Justiça afirmou que não irá se manifestar acerca das declarações dadas pelo ex-chefe da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), delegado Tiago Bardal, que tratam da tentativa de investigar desembargadores do Maranhão.

As informações reveladoras vieram à tona durante o depoimento de Bardal ao juiz da 2ª Vara Criminal de São Luís, José Ribamar D’Oliveira Costa Júnior, ocorrido em março. O Blog do Neto Ferreira publicou o relato com exclusividade (reveja aqui).

De acordo com a PGJ, o órgão ministerial não recebeu qualquer tipo de comunicação oficial a respeito do caso e, por isso, preferiu não comentar o episódio.

Ao ser procurada novamente para tratar do assunto, a Procuradoria disse que irá respeitar a independência funcional e os princípios do juiz e promotor que atuam no caso e que cabe a eles tomarem qualquer providência.

“Informamos que, em respeito ao princípio da independência funcional e aos princípios do juiz e promotor natural, compete ao juiz e promotor que atuam no caso a tomada das providências devidas em relação às declarações relatadas pelo réu em juízo”.

Entenda o caso

Em meados do mês de março, Tiago Bardal prestou depoimento à 2ª Vara Criminal de São Luís, onde revelou que o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, mandou investigar, pelo menos 4 desembargadores do Tribunal de Justiça do Maranhão.

No relato, o ex-chefe da Seic falou que a pedido de Portela, o Ministério Público representou contra um magistrado na Corregedoria Nacional de Justiça.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “PGJ não vai se manifestar sobre tentativa da SSP de investigar desembargadores”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Rodrigo silva

    Procurador mentiroso
    Ele também representou os desembargadores a pedido de Portela
    Conforme processo 0010133-38.2017.2.00.0000 junto ao CNJ.
    Ora se o procurador representou também deveria abrir investigação na época então prevaricou???

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários