Poder

Investigado no Rio de Janeiro, Invisa já faturou R$ 343 milhões no governo Flávio Dino

Investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro por suspeita de fraudes em licitações e desvio de recursos públicos, o Instituto Vida e Saúde – Invisa tem feito fortuna no Maranhão.

De 2015 a 2018 a Organização Social (OS) já faturou R$ 343.836.472,73 milhões no governo Flávio Dino (PCdoB) para executar o gerenciamento de hospitais estaduais. Os dados foram colhidos no Portal da Transparência.

E o lucro deve aumentar em 2019. No final de novembro de 2018, o Invisa, que pertence a Bruno Soares Ripardo ganhou mais um contrato orçado em R$ 14.685.739,86 milhões para operacionalizar ações e serviços de saúde de média e alta complexidade no Hospital de Traumatologia e Ortopedia – HTO. A vigência contratual é de apenas 6 meses.

Faturamento

Em 2015, o governo Flávio Dino contratou o Invisa, mesmo tendo conhecimento da investigação aberta pelo Ministério Público, e pagou a OS cerca de R$ 34.433.562,77 milhões. O faturamento do Instituto só aumento em 2016. Nesse ano, a OS recebeu R$ 88.871.533,68 milhões. Já em 2017, o governo pagou R$ 110.596.327,77 milhões.

E nesse ano, o Invisa lucrou R$ 109.935.048,51 milhões. E o montante deve aumentar, pois ainda há restos a pagar e contrato recentemente firmado entre o Instituto e o governo comunista.

Invisa

Em janeiro de 2017, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou uma ação penal contra Michel, Marcão e os diretores do INVISA pela prática dos crimes de peculato, falsidade ideológica, contra a Lei de Licitações (Lei 8.666/93) e por integrar organização criminosa. Também são réus no processo servidores públicos da Câmara Municipal de São Fidélis.

De acordo com trecho da denúncia apresentada pelo MPRJ, de fevereiro de 2008 a dezembro daquele ano, os investigados teriam integrado uma organização criminosa estável e permanente, destinada a desviar recursos públicos do Município de São Fidélis e a cometer crimes contra a Lei de Licitações.

As investigações mostraram que Michel Angelo era um dos principais chefes da organização. No esquema, os denunciados simulavam uma “parceria” entre a Câmara de São Fidélis e a INVISA. Fraudavam a licitação e falsificavam relatórios de execução financeira. O INVISA simulava prestar serviço de monitoria social. Mas funcionárias que deveriam entrevistar a população supostamente faziam campanha política.

Ainda segundo a denúncia, o ex-presidente da Câmara Municipal de Itaocara auxiliava na defesa do INVISA e ainda organizava a contratação de empregados pelo “parceiro” privado.
Na decisão que decretou a prisão dos sete denunciados, de 21 de março, o juízo da 1ª Vara da Comarca da Vara de São Fidélis também determinou operação de busca e apreensão em diversos endereços registrados no Noroeste fluminense, incluindo na sede do Instituto Vida e Saúde, localizado em Santo Antônio de Pádua.

O diretor geral do Instituto Vida e Saúde, com sede em Santo Antônio de Pádua, Denner Ornellas Cortat, se entregou à Polícia na última sexta-feira (31) quando teria retornado de viagem. O diretor é procurado pela Justiça e denunciado pelo Ministério Público por participação em um esquema de fraude em licitações.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Investigado no Rio de Janeiro, Invisa já faturou R$ 343 milhões no governo Flávio Dino”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. João Carlos

    PIOR OS QUE JÁ EXISTIU EM TODO ESTADO!!! CONSTANTEMENTE FALTA COMIDA, EPI, INSUMOS, MATERIAIS PARA OFICINAS TERAPÊUTICAS NO HOSPITAL NINA RODRIGUES E ANEXOS.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários