Poder

Planilhas da Odebrecht apontam novos codinomes para políticos

Do jornal O Globo

odebrecht-7522330_0

Relatório do Ministério Público Federal (MPF) ao Supremo Tribunal Federal (STF) baseado no “Drousys”, sistema de comunicação usado pelo Setor de Operações Estruturadas — o “Departamento de Propina” da Odebrecht —, aponta para novos codinomes de caciques políticos. Planilhas e e-mails detalham pagamentos que eram feitos pela empresa. Segundo a acusação, os implicados são:

– Ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral);

– Ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima;

– Ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves;

– Governador do Tocantins, Marcelo Miranda.

Veja os novos apelidos revelados pela Odebrecht

‘Primo’, ‘Fodão’ e ‘Bicuira’

A partir de e-mails e planilhas da Odebrecht, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como “Primo”, “Fodão” e “Bicuira”. Ao todo, ele teria recebido mais de R$ 4,9 milhões em propinas, segundo a acusação. Para retirar pagamentos, teria usado senhas como “Comida” e “Sardinha”.

‘Angorá’

O ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) já tinha sido apontado anteriormente como “Angorá”. Em novos documentos, aparece novamente atrelado ao mesmo codinome. Ele teria recebido um total de R$ 7 milhões. E “OTP”, “Foguete”, “Morango”, “Pinguim”, “Pássaro”, “Paulistinha” e “Agenda” teriam sido suas senhas.

‘Acadêmico’, ‘Calota’ e ‘Caranguejo’*

Foi sob o codinome de “Caranguejo” que o deputado cassado Eduardo Cunha foi atrelado pela primeira vez nas planilhas da Odebrecht. Ele aparece mais uma vez com esse apelido, acusado de receber mais de R$ 28,6 milhões. Como “Acadêmico” e “Calota”, nomes novos, teria recebido R$ 3 milhões e R$ 300 mil, respectivamente.

‘Babel’

Segundo o Ministério Público Federal, Geddel Vieira Lima é “Babel”. Segundo as planilhas da Odebrecht, o ex-ministro da Secretaria de Governo teria recebido, em 2008 e 2009, mais de R$ 3,5 milhões. Outros dois pagamentos de 2010 e 2013 teriam rendido mais de R$ 2,2 milhões. O total, portanto, supera R$ 5,7 milhões.

‘Rio Grande’ e ‘Fanho’

Seria o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves, também ex-ministro nos governos Temer e Dilma. Como “Rio Grande”, ele teria recebido mais de R$ 230 mil em dois pagamentos feitos em 2010. Já como “Fanho”, em 2014, teriam sido dois pagamentos de R$ 1 milhão cada.

‘Lenhador’

Marcelo Miranda, governador do Tocantins, seria o “Lenhador” no Drousys, sistema usado para pagamentos de propina da Odebrecht. Com as senhas “Passarinho” e “Foguista” ele teria retirado dois pagamentos de R$ 500 mil cada, ambos em outubro de 2014, num total de R$ 1 milhão em propina, segundo a acusação do MPF.

Em alguns casos, um mesmo político tem mais de um apelido, como o ministro Eliseu Padilha. Nos arquivos, ele é chamado de “Primo”, “Fodão” e “Bicuíra”. Os documentos apontam pagamento total de propina de quase R$ 5 milhões para os três pseudônimos.

O deputado cassado Eduardo Cunha também era chamado de três formas diferentes. Segundo o MPF, o peemedebista ganhou mais de R$ 28,6 milhões como “Caranguejo”, sendo R$ 600 mil em 2008; R$ 650 mil em 2009; R$ 12 milhões em 2010; R$ 2,2 milhões em 2012; R$ 2,1 milhões em 2013; e R$ 11,1 milhões em 2014.

De acordo com o Ministério Público, Eduardo Cunha ainda seria o destinatário de três pagamentos que totalizaram R$ 3 milhões para o codinome “Acadêmico” e também de uma parcela de R$ 300 mil para “Calota”.

Outro ex-presidente da Câmara preso, Henrique Eduardo Alves seria “Rio Grande” e “Fanho”. Para o primeiro caso, houve pagamentos de R$ 112 mil em setembro de 2010 e de US$ 67,3 mil (à época equivalente a R$ 125 mil). Para o segundo, as planilhas do Drousys revelam dois pagamentos, no total de R$ 2 milhões, feitos em 2014.

No sistema de propina da empreiteira, Marcelo Miranda, governador do Tocantins, seria o “Lenhador”. Ele teria recebido dois pagamentos de R$ 500 mil nos dias 2 de outubro de 2014 e 9 de outubro de 2014.

O ministro Moreira Franco é acusado de receber valor superior: R$ 7 milhões, atrás apenas de Cunha. Ele seria “Angorá”, apelido que já tinha sido relacionado a ele anteriormente. O menor pagamento teria sido de R$ 500 mil.

Já “Babel” seria Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo. Os documentos apontam para pagamentos que totalizam R$ 2,1 milhões em 2010 e R$ 100 mil em 2013. Outros dois pagamentos anteriores, de 2008 e 2009, ainda revelam um total superior a R$ 3,5 milhões em propinas. Portanto, o montante ultrapassaria R$ 5,7 milhões.

Além de agentes políticos, membros da Odebrecht também usavam codinomes. O executivo Fernando Migliaccio seria “Waterloo”. Já Maria Lúcia Tavares, secretária do Departamento de Operações Estruturadas, era “Tulia”. E a funcionária Angela Palmeira, “Tumaine”.

SENHAS PARA RETIRAR PROPINA

A criatividade não se restringia só aos apelidos. Senhas também eram criadas para fazer a retirada do dinheiro. Para os dois pagamentos que teriam sido feitos ao governador do Tocantins, Marcelo Miranda, por exemplo, teriam sido usadas as palavras “Passarinho” e “Foguista”.

Quando Henrique Alves, supostamente, foi mencionado como “Fanho”, sua senha seria “Acerola” e “Mulher” para os dois pagamentos que teria recebido. E, quando “Rio Grande”, usou “Jabuti”, segundo o MPF.

Eduardo Cunha, de acordo com a acusação do Ministério Público, teve “Mangaba”, “Pêssego”, “Viola”, “Pirulito” e “Aluno” como senhas. Esta última, quando foi vinculado ao codinome “Acadêmico”.

Para os pagamentos supostamente feitos a Moreira Franco, palavras como “OTP”, “Foguete”, “Morango”, “Pinguim”, “Pássaro”, “Paulistinha” e “Agenda” teriam servido para a retirada do dinheiro. Já Eliseu Padilha teve como algumas de suas senhas “Comida” e “Sardinha”.

Sobre a perícia feita no sistema da Odebrecht pela Polícia Federal, o advogado Daniel Gerber que faz a defesa do ministro Eliseu Padilha diz que “não reconhece como válida uma perícia que visa descobrir o titular de apelidos criados por delatores”.

“Pelo contrário, a titulação é fruto exclusivo da palavra de tais sujeitos, e inúmeras foram as contradições sobre o assunto, situação essa que será devidamente demonstrada nos autos, em seu momento apropriado”, explica Gerber.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários