Poder

Dinheiro de caça-níqueis irrigou campanha do prefeito de Açailândia e delegado sabia, diz delator

DSC_0051

Delegado Murillo Lapenda e prefeito Juscelino Oliveira.

O prefeito comunista de Açailândia, Juscelino Oliveira e o delegado regional Murillo Lapenda são acusados de integrarem um esquema de corrupção que envolve dinheiro oriundo de caça-níqueis. As cifras teriam financiado a campanha eleitoral do gestor.

A revelação explosiva ocorreu durante o depoimento do carcereiro Mauri Célio da Costa Silva aos delegados da Superintendência Estadual de Combate à Corrupção (SECCOR), Roberto Fortes, Renato de Sousa e Márcio Dominici, no dia 5 de julho.

Trechos do depoimento obtido pelo Blog do Neto Ferreira mostra que a relação entre prefeito e delegado era pessoal, inclusive financeira.

O carcereiro relatou que, durante a campanha eleitoral, o gestor comunista chegava a ir à delegacia regional três a quatro vezes na semana.

As conversas que eram tidas entre Murillo e o prefeito não foram reveladas, no entanto Mauri Célio falou que o delegado sabia que o dinheiro que estava irrigando a candidatura de Juscelino era proveniente dos jogos de azar. O carcereiro disse que o delegado protelava a repressão contra os grandes donos de bingos, que por sua vez apoiavam o gestor.

“Quando se tratava de pequenas casas de jogos ilegais, o dr. sempre estava lá com o intuito de fechá-las. E quando isso acontecia, chamava a imprensa para divulgar o fato. Mas isso não acontecia com os grandes proprietários”, detalhou o carcereiro.

As máquinas caça-níqueis rendiam cerca de R$ 100 mil por mês, que iam diretamente para o gestor, segundo o depoimento.

O carcereiro afirma que no mês de setembro de 2016, Lapenda, em comum acordo com o prefeito, deflagrou a operação Sem Acordo, onde apreendeu diversos equipamentos de jogos ilegais. A intenção era desvincular a sua imagem do esquema criminoso.

Após esse episódio, o delegado regional começou a intensificar atuações contra o titular do 1º Distrito Policial, Tiago Fellipini, para que o esquema caísse sobre o ele.

O chefe de polícia era amigo da família de um empresário da cidade, na qual estava apoiando o candidato opositor ao atual prefeito. Em decorrência dessa aliança, criou-se uma rixa entre Lapenda e Fellipini, que envolveu o carcereiro. (reveja o caso).

O depoimento cita que o esquema montado por Murillo resultou na prisão do delegado titular do 1º DP de Açailândia, Tiago Fellipini, a escrivã Silvya Helena Alves, o investigador Glauber dos Santos Costa e o advogado Éric Nascimento Carosi e do carcereiro, que delatou a trama.

IMG-20170719-WA0027


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

3 comentários em “Dinheiro de caça-níqueis irrigou campanha do prefeito de Açailândia e delegado sabia, diz delator”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Delator entrega imagens de motos que recebeu de delegado regional de Açailândia « Neto Ferreira – Conteúdo Inteligente

    […] Dinheiro de caça-níqueis irrigou campanha do prefeito de Açailândia e delegado sabia, diz delato… […]

  2. Juiz mantém prisão preventiva de delegado de Açailândia « Neto Ferreira – Conteúdo Inteligente

    […] Na analise do juiz, a primeira decisão não pode ser revertida devido elementos comprobatórios, inclusive, com parecer favorável do Ministério Público Estadual, que reuniu diversos depoimentos com relatos de denuncias e interceptações que foram juntados ao relatório da Polícia Civil. O magistrado chegou a citar trecho do depoimento do carcereiro que fala sobre questão política (reveja). […]

  3. Desconhedido

    Eu acho muito intrigante que a operacao lava jaro chega em todas as cidades e aqui nao. Acailanfia bandido pinta e borda . Seja ele ladrao de galinha, prefeito , vereador, delegado, policial ou apresentador! So quem perde eh a populacao!

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários