Poder

Empresas receberam R$ 1,7 milhão e não executaram obras em Humberto de Campos

A informação foi dada pela CGU.

Durante uma fiscalização, a Controladoria-Geral da União (CGU) detectou que empresas contratadas pela Prefeitura de Humberto de Campos para realizar serviços de manutenção e reformas em diversas escolas não executaram tal trabalho.

Segundo relatório, obtido pelo Blog do Neto Ferreira, as notas ficais dos serviços executados foram emitidas entre janeiro de 2015 a março de 2016 (conforme tabela abaixo) pelas empresas S R H Construções, Mega Empreendimentos, J Kilder Construções, C Costa Instalações, José Bento da Silva, R F Magalhaes Nogueira e Canorte Indústria e Comércio, Settimus Empreendimentos e Serviços. O valor pago pela Prefeitura foi R$ 1.763.833,36 milhão.

Os auditores da União solicitaram à gestão municipal documentos referentes ao período de 1º de janeiro de 2015 a 30 de junho de 2016 sobre todas as obras e reformas realizadas com recursos do Fundeb, com identificação de todas as escolas e detalhamento de pagamentos, mas não obteve resposta.

Desse modo, os fiscais visitaram as escolas municipais Miritiba (Povoado Massalina), Isaura Rosa (Povoado Bacaba), Santa Luzia (Povoado Buretama), Anajá (Povoado Anajá), João Alves (Povoado Filipa), Jardim de Infância Bem-Te-Vi (Povoado Filipa), Luzia Vieira dos Santos (Povoado Alto Alegre), Marcelino José Pereira (Povoado São Joaquim), Antônio Manoel Sousa (Povoado Onça), Santa Maria (Povoado Curral do Meio), Antônio dos Santos Porto (Povoado Curralinho), Francisco Dinamácio (Povoado Chibate), Jardim de Infância Cebolinha (Sede), Santo Expedito (Sede), Adalberto Mendes Filho (Sede), Jardim de Infância Pica Pau Amarelo (Sede), Paulo Freire (Sede).

Os funcionários de todas as unidades escolares foram unânimes em afirmar que desconhecem tais empresas referidas acima. Disseram, também, que os serviços foram executados pelos funcionários da Prefeitura.

As imagens abaixo revelam que os trabalhados não foram feitos em sua totalidade. Como por exemplo o poço da escola municipal Paulo Freire, que nunca funcionou “A partir de entrevista levada a cabo com funcionários da EM Paulo Freire, apurou-se que os serviços relativos ao abastecimento de água com a construção de um poço tubular não foram completamente realizados. Segundo os funcionários, apenas o poço foi perfurado, contudo ele nunca funcionou.” destacou a CGU.

O prejuízo causado por obras inacabadas foi de R$ R$ 949.023,37 mil.

humberto12

humberto13

humberto14

humberto15


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários